A mi­nis­tra Lau­ri­ta Vaz, pre­si­den­te do Su­pe­ri­or Tri­bu­nal de Jus­ti­ça (STJ), in­de­fe­riu ha­be­as cor­pus con­tra de­ci­são do pre­si­den­te do Tri­bu­nal Re­gi­o­nal Fe­de­ral da 4ª Re­gião (TRF-​4) que ne­gou pe­di­do de li­ber­da­de ao ex-​presidente Lu­la (PT) no úl­ti­mo fim de se­ma­na.

Sér­gio Ama­ral


Ministra Laurita Vaz negou recurso impetrado por advogado de São Paulo

A de­ci­são foi to­ma­da em re­cur­so apre­sen­ta­do por um ad­vo­ga­do de São Pau­lo que não in­te­gra a de­fe­sa de Lu­la. Se­gun­do o STJ, o tri­bu­nal re­ce­beu ou­tros 145 ha­be­as cor­pus en­vi­a­dos por pes­so­as que não fa­zem par­te da de­fe­sa do pe­tis­ta.

Pa­ra Lau­ri­ta Vaz, a de­ci­são do de­sem­bar­ga­dor Ro­gé­rio Fa­vret­to, plan­to­nis­ta do TRF4 que con­ce­deu a or­dem de li­ber­da­de a Lu­la no do­min­go (8) com ba­se em su­pos­to fa­to no­vo (o fa­to de o ex-​presidente ser pré-​candidato) mos­tra “fla­gran­te des­res­pei­to” a de­ci­sões já to­ma­das so­bre o ca­so em tri­bu­nais co­le­gi­a­dos.

“É ób­vio e ulu­lan­te que o me­ro anún­cio de in­ten­ção de réu pre­so de ser can­di­da­to a car­go pú­bli­co não tem o con­dão de re­a­brir a dis­cus­são acer­ca da le­ga­li­da­de do en­car­ce­ra­men­to, mor­men­te quan­do, co­mo no ca­so, a ques­tão já foi exa­mi­na­da e de­ci­di­da em to­das as ins­tân­ci­as do Po­der Ju­di­ciá­rio”, es­cre­veu a mi­nis­tra.

Lau­ri­ta Vaz afir­mou ain­da que o de­sem­bar­ga­dor plan­to­nis­ta não te­ria a com­pe­tên­cia ne­ces­sá­ria pa­ra de­ci­dir so­bre a ques­tão de co­lo­car Lu­la em li­ber­da­de. Fa­vret­to te­ria atu­a­do co­mo “au­to­ri­da­de ma­ni­fes­ta­men­te in­com­pe­ten­te, em si­tu­a­ção pre­cá­ria de Plan­tão Ju­di­ciá­rio, for­çan­do a re­a­ber­tu­ra de dis­cus­são en­cer­ra­da em ins­tân­ci­as su­pe­ri­o­res”.

A mi­nis­tra ain­da afir­mou ter si­do cor­re­ta a con­sul­ta pré­via fei­ta pe­lo juiz Sér­gio Mo­ro ao pre­si­den­te do TRF4 an­tes de aca­tar a or­dem de sol­tu­ra.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

, , ,