O ex-​presidente Lu­la foi ab­sol­vi­do, nes­ta quinta-​feira (12), pe­lo juiz Ri­car­do Au­gus­to So­a­res Lei­te, da 10ª Va­ra Fe­de­ral Cri­mi­nal do Dis­tri­to Fe­de­ral, da acu­sa­ção de obs­tru­ção à Jus­ti­ça na La­va Ja­to. O ex-​presidente pe­tis­ta era acu­sa­do de um su­pos­to es­que­ma pa­ra com­prar o si­lên­cio do ex-​diretor da Pe­tro­bras, Nes­tor Cer­ve­ró.

Ri­car­do Stuckert/​Instituto Lu­la


Este foi o primeiro processo no qual Lula virou réu. Ele os outros seis acusados foram absolvidos pelo juiz Ricardo Leite

Além de Lu­la, tam­bém fo­ram ab­sol­vi­dos o ex-​senador Del­cí­dio do Ama­ral, o ex-​chefe de ga­bi­ne­te de Del­cí­dio, Di­o­go Fer­rei­ra, o ban­quei­ro An­dré Es­te­ves, o ex-​advogado de Cer­ve­ró, Ed­son Si­quei­ra, o pe­cu­a­ris­ta e ami­go de Lu­la, Jo­sé Car­los Bum­lai e o fi­lho de­le, Mau­rí­cio Bum­lai. To­dos eram réus no mes­mo pro­ces­so.

O juiz Ri­car­do Lei­te en­ten­deu que áu­dio gra­va­do pe­lo fi­lho de Nes­tor Cer­ve­ró — e que le­vou Del­cí­dio pa­ra a ca­deia —, não era uma pro­va vá­li­da pa­ra con­de­nar os réus. Pa­ra o ma­gis­tra­do, hou­ve “cla­ra in­ten­ção” de pre­pa­rar o fla­gran­te e que o áu­dio cap­ta­do era de­fi­ci­en­te em for­ne­cer es­cla­re­ci­men­tos.

Na de­ci­são, Lei­te afir­mou que “o áu­dio cap­ta­do não cons­ti­tui pro­va vá­li­da pa­ra en­se­jar qual­quer de­cre­to con­de­na­tó­rio. Há sus­pei­tas tam­bém da ocul­ta­ção de fa­tos por Ber­nar­do e Cer­ve­ró”.

Em se­tem­bro do ano pas­sa­do, o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral (MPF) ha­via en­ca­mi­nha­do as ale­ga­ções fi­nais do pro­ces­so com a re­co­men­da­ção de que Lu­la fos­se ab­sol­vi­do. O pe­di­do do pro­cu­ra­dor Ivan Cláu­dio Marx tam­bém pe­dia a con­de­na­ção de Del­cí­dio, Di­o­go, Ed­son e os dois Bum­lai.

Pa­ra a de­fe­sa do ex-​presidente, a ab­sol­vi­ção foi re­sul­ta­do de um “jul­ga­men­to jus­to e im­par­ci­al” de uma acu­sa­ção ba­se­a­da ape­nas em de­la­ções pre­mi­a­das. A de­fe­sa de An­dré Es­te­ves tam­bém se ma­ni­fes­tou, afir­man­do que con­fi­a­va na ab­sol­vi­ção. “É im­por­tan­te nes­te mo­men­to dei­xar cla­ro mais uma vez que a de­fe­sa re­co­nhe­ce que é um de­ver do Es­ta­do in­ves­ti­gar, po­rém, to­da e qual­quer in­ves­ti­ga­ção de­ve ser fei­ta den­tro do de­vi­do pro­ces­so le­gal, sem es­pe­ta­cu­la­ri­za­ção e sem ex­ces­sos”, diz a no­ta.

Gravação descartada

A de­nún­cia ini­ci­al­men­te apre­sen­ta­da pe­lo MPF apre­sen­tou o áu­dio gra­va­do por Ber­nar­do Cer­ve­ró em que Del­cí­dio pro­me­tia uma “me­sa­da” de R$ 50 mil à fa­mí­lia de Cer­ve­ró e R$ 4 mi­lhões ao en­tão ad­vo­ga­do de­le. Pe­la me­sa­da, Cer­ve­ró não im­pli­ca­ria Lu­la em su­as de­la­ções pre­mi­a­das.

O áu­dio aca­bou le­van­do à pri­são de Del­cí­dio em 2015, pri­mei­ro se­na­dor pre­so no exer­cí­cio do man­da­to des­de a re­de­mo­cra­ti­za­ção. À épo­ca, a Procuradoria-​Geral da Re­pú­bli­ca (PGR) pe­diu a pri­são, au­to­ri­za­da pe­lo mi­nis­tro do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) Te­o­ri Za­vasc­ki, por en­ten­der que Del­cí­dio fa­zia par­te de uma or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa, o que se­ria um cri­me que se des­do­bra­va per­ma­nen­te­men­te e mantinha-​se um es­ta­do de fla­grân­cia que jus­ti­fi­ca­va o pe­di­do de pri­são em fla­gran­te.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,