Com a vi­gên­cia da re­for­ma tra­ba­lhis­ta no fi­nal de 2017, veio a in­se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca tan­to pa­ra as em­pre­sas quan­to pa­ra os em­pre­ga­dos. Os pon­tos po­lê­mi­cos da re­for­ma dei­xa­ram mui­tas em­pre­sas sem sa­ber o que fa­zer e pa­ra os em­pre­ga­dos so­bra­ram dú­vi­das. Fim das ho­mo­lo­ga­ções e das ho­ras in iti­ne­re (tra­je­to ida e vol­ta ao lo­cal de tra­ba­lho), par­ce­la­men­to de fé­ri­as, re­du­ção do ho­rá­rio de des­can­so intra-​jornada, con­tra­to de tra­ba­lho in­ter­mi­ten­te, en­tre ou­tros.

Na con­tra­mão de tu­do is­so, veio à úni­ca par­te da re­for­ma fa­vo­rá­vel aos tra­ba­lha­do­res, “O ne­go­ci­a­do so­bre o le­gis­la­do”. Is­so sig­ni­fi­ca que tu­do que for ne­go­ci­a­do en­tre o pa­tro­nal (em­pre­sa) e o la­bo­ral (em­pre­ga­dos), va­le mais que a Lei. Di­an­te dis­so, os acor­dos ou con­ven­ções co­le­ti­vas vi­gen­tes pro­te­ge­ram os tra­ba­lha­do­res das mu­dan­ças fei­tas na Lei.

Com o ven­ci­men­to da vi­gên­cia da Con­ven­ção Co­le­ti­va em 31 de maio de 2018, iniciaram-​se no­vas tra­ta­ti­vas da da­ta ba­se 1º de ju­nho no Es­ta­do de São Pau­lo, on­de to­dos os es­for­ços fo­ram no sen­ti­do de me­lho­rar a re­for­ma tra­ba­lhis­ta e mi­ni­mi­zar os im­pac­tos e a in­se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca. Na no­va Con­ven­ção Co­le­ti­va pu­de­mos nor­ma­ti­zar vá­ri­as ques­tões co­mo: Ho­mo­lo­ga­ções, Fé­ri­as, Des­can­so intra-​jornada, Con­tra­to in­ter­mi­ten­te, Acor­do mú­tuo, Qui­ta­ção e ou­tros.

O fim da con­tri­bui­ção sin­di­cal já era es­pe­ra­do, tan­to que o SINTERC não fez ne­nhum mo­vi­men­to ju­rí­di­co ou po­lí­ti­co em prol da ma­nu­ten­ção da mes­ma. Preparamo-​nos pa­ra as mu­dan­ças que vi­ri­am, aca­ba­mos com a Con­tri­bui­ção Con­fe­de­ra­ti­va há cin­co anos, subs­ti­tuin­do a con­tri­bui­ção com­pul­só­ria pe­la men­sa­li­da­de do as­so­ci­a­do. In­ves­tin­do nos­sos es­for­ços no tra­ba­lho de ba­se e na am­pli­a­ção dos be­ne­fí­ci­os ofe­re­ci­dos aos tra­ba­lha­do­res.

A in­fla­ção bai­xa trou­xe mui­tas di­fi­cul­da­des nas ne­go­ci­a­ções do pri­mei­ro se­mes­tre de 2018, vá­ri­as ca­te­go­ri­as pro­fis­si­o­nais ti­ve­ram re­a­jus­tes a bai­xo da mé­dia, al­gu­mas con­se­gui­ram re­por a in­fla­ção, ou­tras ti­ve­ram ga­nho re­al na mé­dia de 0,5% e pouquís­si­mas ti­ve­ram ga­nho re­al de 1% ou mais. No nos­so ca­so, de­pois de mui­tas ro­da­das de ne­go­ci­a­ção, ti­ve­mos a re­com­po­si­ção da in­fla­ção e ga­nho re­al de 1,04% no pi­so da ca­te­go­ria. Não era aqui­lo que de­se­já­va­mos, não po­de­mos di­zer que foi bom e mui­to me­nos di­zer que foi ruím, “fi­ca­mos na mé­dia” e ain­da so­mos o mai­or pi­so da ca­te­go­ria no Bra­sil. Olhan­do pe­lo con­tex­to ge­ral da nos­sa Con­ven­ção Co­le­ti­va de Tra­ba­lho 2018/​2019 e as mu­dan­ças fei­tas pa­ra ga­ran­tia da ma­nu­ten­ção dos be­ne­fí­ci­os e dos di­rei­tos dos tra­ba­lha­do­res da ca­te­go­ria, ti­ve­mos uma boa ne­go­ci­a­ção.

Wal­dir Apa­re­ci­do Avan­zo
Pre­si­den­te do Sin­terc