Foi apro­va­do nes­ta terça-​feira (7) o subs­ti­tu­ti­vo da Câ­ma­ra ao pro­je­to do Se­na­do que au­men­ta a pe­na pa­ra o es­tu­pro co­le­ti­vo. O tex­to tam­bém tor­na cri­me a im­por­tu­na­ção se­xu­al, a cha­ma­da vin­gan­ça por­no­grá­fi­ca e a di­vul­ga­ção de ce­nas de es­tu­pro. O pro­je­to, ago­ra, se­gue pa­ra a san­ção pre­si­den­ci­al.

Wal­de­mir Barreto/​Agência Se­na­do


Na esteira dos 12 anos da Lei Maria da Penha, Marta Suplicy e Vanessa Grazziotin festejaram aprovação da matéria em plenário

O PLS 618/​2015, da se­na­do­ra Va­nes­sa Graz­zi­o­tin (PCdoB-​AM), tra­mi­tou na Câ­ma­ra em con­jun­to com ou­tras ini­ci­a­ti­vas. O subs­ti­tu­ti­vo (SCD 2/​2018), da de­pu­ta­da Lau­ra Car­nei­ro (DEM-​RJ), in­cor­po­rou tre­chos de pro­je­tos do se­na­dor Hum­ber­to Cos­ta (PT-​PE) e da se­na­do­ra Mar­ta Su­plicy (PMDB-​SP).

Pa­ra o cha­ma­do “es­tu­pro co­le­ti­vo”, co­me­ti­do por vá­ri­os cri­mi­no­sos, o tex­to al­te­ra o au­men­to de pe­na pre­vis­to em lei, que atu­al­men­te é de um quar­to, pa­ra até dois ter­ços da pe­na. Igual au­men­to é es­ti­pu­la­do pa­ra o cha­ma­do “es­tu­pro cor­re­ti­vo”, ca­rac­te­ri­za­do co­mo ten­do um in­tui­to “pu­ni­ti­vo”, fei­to pa­ra con­tro­lar o com­por­ta­men­to so­ci­al ou se­xu­al da ví­ti­ma.

A pe­na se­rá au­men­ta­da em um ter­ço se o cri­me for co­me­ti­do em lo­cal pú­bli­co, aber­to ao pú­bli­co ou com gran­de aglo­me­ra­ção de pes­so­as ou em meio de trans­por­te pú­bli­co, du­ran­te a noi­te em lu­gar er­mo, com o em­pre­go de ar­ma, ou por qual­quer meio que di­fi­cul­te a pos­si­bi­li­da­de de de­fe­sa da ví­ti­ma.

“Es­se, sem dú­vi­da ne­nhu­ma, é um pro­je­to tam­bém de com­ba­te à vi­o­lên­cia que a mu­lher bra­si­lei­ra so­fre. Nós es­ta­mos aqui atu­a­li­zan­do a le­gis­la­ção bra­si­lei­ra e pro­mo­ven­do um cer­co mai­or àque­les que, in­fe­liz­men­te, la­men­ta­vel­men­te in­sis­tem em des­res­pei­tar o ser hu­ma­no no ge­ral, as mu­lhe­res, as me­ni­nas, co­me­ten­do es­ses cri­mes tão gra­ves”, dis­se a se­na­do­ra Va­nes­sa Graz­zi­o­tin ao lem­brar os 12 anos da lei Ma­ria da Pe­nha.

To­dos os cri­mes con­tra a li­ber­da­de se­xu­al e cri­mes se­xu­ais con­tra vul­ne­rá­veis te­rão a ação mo­vi­da pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co mes­mo quan­do for mai­or de 18 anos. Es­se ti­po de ação (in­con­di­ci­o­na­da) não de­pen­de do de­se­jo da ví­ti­ma de en­trar com o pro­ces­so con­tra o agres­sor.

Ou­tros au­men­tos pre­vis­tos pe­lo tex­to pa­ra to­dos os cri­mes lis­ta­dos con­tra a dig­ni­da­de se­xu­al são pa­ra o ca­so de gra­vi­dez e pa­ra a trans­mis­são à ví­ti­ma de do­en­ça se­xu­al­men­te trans­mis­sí­vel, quan­do o agres­sor sa­be ou de­ve­ria sa­ber ser por­ta­dor. Em am­bos os ca­sos, o au­men­to po­de che­gar a dois ter­ços da pe­na. Igual au­men­to de pe­na va­le­rá se a ví­ti­ma for ido­sa ou pes­soa com de­fi­ci­ên­cia.

Importunação sexual

Já pa­ra a im­por­tu­na­ção se­xu­al, o subs­ti­tu­ti­vo pre­vê um ti­po pe­nal de gra­vi­da­de mé­dia, pa­ra os ca­sos em que o agres­sor não co­me­te tec­ni­ca­men­te um cri­me de es­tu­pro, mas não de­ve ser en­qua­dra­do em uma me­ra con­tra­ven­ção. Os se­na­do­res Hum­ber­to Cos­ta e Mar­ta Su­plicy, au­to­res dos pro­je­tos que ti­nham es­se ob­je­ti­vo, ci­ta­ram co­mo exem­plo os ca­sos de as­sé­dio a mu­lhe­res do trans­por­te co­le­ti­vo.

Es­se cri­me é ca­rac­te­ri­za­do co­mo a prá­ti­ca, na pre­sen­ça de al­guém e sem sua anuên­cia, de ato li­bi­di­no­so com o ob­je­ti­vo de sa­tis­fa­zer las­cí­via pró­pria ou de ou­tro. A pe­na é de re­clu­são de 1 a 5 anos se o ato não cons­ti­tui cri­me mais gra­ve.

— Mui­tos des­ses epi­só­di­os que acon­te­cem em es­pa­ços de aglo­me­ra­ção pú­bli­ca, nos trans­por­tes co­le­ti­vos, mas atin­gin­do tam­bém a rua e o pró­prio do­mi­cí­lio, que an­tes eram con­si­de­ra­dos me­ras con­tra­ven­ções pe­nais, pas­sam a ser cri­mes — ex­pli­cou Hum­ber­to Cos­ta.

Vingança pornográfica

Ain­da se­gun­do o tex­to, po­de­rá ser pu­ni­do com re­clu­são de 1 a 5 anos quem ofe­re­cer, ven­der ou di­vul­gar, por qual­quer meio, fo­to­gra­fia, ví­deo ou ou­tro ti­po de re­gis­tro au­di­o­vi­su­al que con­te­nha ce­na de es­tu­pro ou de es­tu­pro de vul­ne­rá­vel. In­cor­re no mes­mo cri­me quem, sem con­sen­ti­men­to, di­vul­gar ví­deo com ce­na de se­xo, nu­dez ou por­no­gra­fia ou ain­da com apo­lo­gia à prá­ti­ca de es­tu­pro.

Se o cri­me for pra­ti­ca­do por al­guém que man­tém ou te­nha man­ti­do re­la­ção ín­ti­ma de afe­to com a ví­ti­ma ou ti­ver co­mo fi­na­li­da­de a vin­gan­ça ou hu­mi­lha­ção, o au­men­to se­rá de um ter­ço a dois ter­ços da pe­na.

Não há cri­me quan­do o agen­te re­a­li­za a di­vul­ga­ção em pu­bli­ca­ção de na­tu­re­za jor­na­lís­ti­ca, ci­en­tí­fi­ca, cul­tu­ral ou aca­dê­mi­ca de for­ma que im­pos­si­bi­li­te a iden­ti­fi­ca­ção da ví­ti­ma. Se a ví­ti­ma for mai­or de 18 anos, a di­vul­ga­ção de­pen­de­rá de sua pré­via au­to­ri­za­ção. No ca­so dos me­no­res de ida­de, o Es­ta­tu­to da Cri­an­ça e do Ado­les­cen­te (ECA) proí­be es­se ti­po de di­vul­ga­ção.

Vulnerável

No ca­so do es­tu­pro de vul­ne­rá­vel (me­no­res de 14 anos ou pes­so­as sem dis­cer­ni­men­to por en­fer­mi­da­de ou de­fi­ci­ên­cia men­tal), o pro­je­to de­ter­mi­na a apli­ca­ção da pe­na de re­clu­são de 8 a 15 anos mes­mo que a ví­ti­ma dê con­sen­ti­men­to ou te­nha man­ti­do re­la­ções se­xu­ais an­te­ri­or­men­te ao cri­me.

É cri­a­do, ain­da, o cri­me de in­du­zir ou ins­ti­gar al­guém a pra­ti­car cri­me con­tra a dig­ni­da­de se­xu­al, com pe­na de de­ten­ção de 1 a 3 anos. Sujeita-​se à mes­ma pe­na aque­le que, pu­bli­ca­men­te, in­ci­ta ou faz apo­lo­gia de cri­me con­tra a dig­ni­da­de se­xu­al ou de seu au­tor. A in­ten­ção da de­pu­ta­da Lau­ra Car­nei­ro foi de coi­bir, por exem­plo, si­tes que en­si­nam co­mo es­tu­prar e in­di­cam me­lho­res lo­cais pa­ra en­con­trar as ví­ti­mas.

Com in­for­ma­ções da Agên­cia Câ­ma­ra de No­tí­ci­as.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

, ,