A Band re­a­li­zou na noi­te de 5ª fei­ra (9) o pri­mei­ro de­ba­te da elei­ção de 2018 com can­di­da­tos à Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca. O en­con­tro te­ve iní­cio às 22 ho­ras e du­rou pou­co mais de três ho­ras.

Kelly Fuzaro/​Band


Candidatos participam do primeiro debate da disputa presidencial nas eleições 2018

Oi­to can­di­da­tos par­ti­ci­pa­ram: Al­va­ro Di­as (Po­de­mos), Ca­bo Da­ci­o­lo (Pa­tri­o­ta), Ci­ro Go­mes (PDT), Ge­ral­do Alck­min (PSDB), Gui­lher­me Bou­los (Psol), Hen­ri­que Mei­rel­les (MDB), Jair Bol­so­na­ro (PSL) e Ma­ri­na Sil­va (Re­de).

No iní­cio da trans­mis­são, os can­di­da­tos posicionaram-​se em pé, com ex­ce­ção de Bol­so­na­ro, que per­ma­ne­ceu sen­ta­do.

O jor­na­lis­ta Ri­car­do Bo­e­chat ex­pli­cou ao te­les­pec­ta­dor que o ex-​presidente Lu­la ha­via si­do con­vi­da­do, mas não te­ve au­to­ri­za­ção ju­di­ci­al pa­ra dei­xar a car­ce­ra­gem da Po­lí­cia Fe­de­ral em Cu­ri­ti­ba, on­de es­tá pre­so por cor­rup­ção pas­si­va e la­va­gem de di­nhei­ro.

O no­me de Lu­la foi men­ci­o­na­do ape­nas três ve­zes du­ran­te o de­ba­te. Em sua pri­mei­ra in­ter­ven­ção, Gui­lher­me Bou­los se apre­sen­tou dan­do boa noi­te a Lu­la, “pre­so em Cu­ri­ti­ba, en­quan­to Te­mer es­tá sol­to em Bra­sí­lia”.

A se­gun­da men­ção ao ex-​presidente foi fei­ta por Hen­ri­que Mei­rel­les, que per­gun­ta­va a Ge­ral­do Alck­min so­bre a po­si­ção do tu­ca­no em re­la­ção ao pro­gra­ma Bol­sa Fa­mí­lia, cha­ma­do pe­lo PSDB de “Bol­sa Es­mo­la”, se­gun­do o ex-​ministro.

Tam­bém foi Mei­rel­les quem men­ci­o­nou Lu­la pe­la ter­cei­ra e úl­ti­ma vez du­ran­te o de­ba­te, quan­do fa­lou so­bre sua par­ti­ci­pa­ção no go­ver­no do pe­tis­ta.

O juiz fe­de­ral Sér­gio Mo­ro foi men­ci­o­na­do por Al­va­ro Di­as. O can­di­da­to do Po­de­mos afir­mou que, se for elei­to, con­vi­da­rá Mo­ro pa­ra ser mi­nis­tro da Jus­ti­ça.

Mo­ro tam­bém foi ci­ta­do por Ci­ro Go­mes. O pe­de­tis­ta cri­ti­cou o juiz por re­ce­ber auxílio-​moradia.

A ope­ra­ção La­va Ja­to es­te­ve mais pre­sen­te nas fa­las de Al­va­ro Di­as, cu­jo ei­xo do dis­cur­so baseia-​se em uma pro­pos­ta de re­fun­da­ção da Re­pú­bli­ca.

O te­ma do fe­mi­nis­mo foi ti­mi­da­men­te abor­da­do por Ma­ri­na Sil­va, em co­men­tá­ri­os so­bre o mau ser­vi­ço no sis­te­ma de saú­de, que pre­ju­di­ca­ria mais as mu­lhe­res, se­gun­do a can­di­da­ta.

Al­va­ro Di­as tam­bém fa­lou em va­lo­ri­za­ção das mu­lhe­res, e men­ci­o­nou a pre­si­den­te de seu par­ti­do co­mo exem­plo.

A mé­dia de ida­de dos oi­to can­di­da­tos pre­sen­tes no de­ba­te é de 59 anos. O pos­tu­lan­te mais no­vo é Gui­lher­me Bou­los, com 36 anos. Al­va­ro Di­as é o pre­si­den­ciá­vel mais ve­lho, com 73. Ma­ri­na Sil­va é a úni­ca mu­lher e ne­gra en­tre os can­di­da­tos.

Eco­no­mia foi o te­ma pre­do­mi­nan­te. A ali­an­ça de Alck­min com o Cen­trão foi al­vo mais de uma vez.

Leia tre­chos do que dis­se­ram os can­di­da­tos no de­ba­te da Band.

Jair Bolsonaro

O can­di­da­to Jair Bol­so­na­ro (PSL) foi al­vo de Gui­lher­me Bou­los (Psol), que o cha­mou de ra­cis­ta, ma­chis­ta e ho­mo­fó­bi­co. O lí­der do MTST tam­bém ques­ti­o­nou Bol­so­na­ro so­bre o uso de fun­ci­o­ná­ri­os fan­tas­mas e o re­ce­bi­men­to de auxílio-​moradia. O ex-​capitão do Exér­ci­to ne­gou ir­re­gu­la­ri­da­des.

Bol­so­na­ro tam­bém foi per­gun­ta­do so­bre a di­fe­ren­ça sa­la­ri­al en­tre ho­mens e mu­lhe­res. De­fen­deu que o Es­ta­do não de­ve in­ter­fe­rir. E fi­na­li­zou: “Bre­ve­men­te, nós va­mos que­rer um sa­lá­rio igual ao de­las”.

Geraldo Alckmin

O tu­ca­no Ge­ral­do Alck­min de­fen­deu a re­for­ma tra­ba­lhis­ta fei­ta pe­lo go­ver­no Te­mer: “Aca­ba­mos com es­sa ex­cres­cên­cia de im­pos­to sin­di­cal”. Dis­se que cor­ri­gi­rá o FGTS pe­la Ta­xa de Lon­go Pra­zo (TLP).

Propôs a aber­tu­ra do mer­ca­do pa­ra au­men­tar a com­pe­ti­ti­vi­da­de en­tre os ban­cos e bai­xar os ju­ros. Tam­bém fa­lou em re­ver­ter a ar­re­ca­da­ção do Pa­sep e do Co­fins pa­ra in­ves­tir em sa­ne­a­men­to bá­si­co.

Marina Silva

A lí­der da Re­de, Ma­ri­na Sil­va, fa­lou de si pró­pria, das di­fi­cul­da­des que en­fren­tou pa­ra aju­dar a ali­men­tar sua fa­mí­lia, dis­se que foi anal­fa­be­ta até os 16 anos.

Foi es­co­lhi­da pe­la jor­na­lis­ta La­na Ca­ne­pa pa­ra co­men­tar uma per­gun­ta so­bre a le­gis­la­ção re­fe­ren­te ao abor­to. De­fen­deu o que já es­tá pre­vis­to na lei e dis­se que se hou­ver ne­ces­si­da­de de mu­dan­ça, que se­ja por meio de um ple­bis­ci­to.

Ciro Gomes

O ex-​governador do Ce­a­rá re­pe­tiu uma de su­as ban­dei­ras da cam­pa­nha. Dis­se que vai lim­par o no­me de mais e 60 mi­lhões de bra­si­lei­ros en­di­vi­da­dos. Tam­bém fa­lou que re­to­ma­rá 7 mil obras que es­tão pa­ra­das.

Ci­ro cri­ti­cou os ban­cos. Pa­ra a ques­tão da Pre­vi­dên­cia, propôs um no­vo re­gi­me de ca­pi­ta­li­za­ção.

Alvaro Dias

O can­di­da­to Al­va­ro Di­as fa­lou de sua ex­pe­ri­ên­cia an­te­ri­or na po­lí­ti­ca e sus­ten­tou um dis­cur­so an­co­ra­do na re­fun­da­ção da Re­pú­bli­ca.

Fa­lou con­tra a cor­rup­ção e de­fen­deu a La­va Ja­to co­mo po­lí­ti­ca de es­ta­do per­ma­nen­te. Dis­se que, se for elei­to, con­vi­da­rá o juiz fe­de­ral Sér­gio Mo­ro pa­ra ser mi­nis­tro da Jus­ti­ça.

Guilherme Boulos

O lí­der do MTST, Gui­lher­me Bou­los, cha­mou os ou­tros can­di­da­tos de “50 tons de Te­mer”. Dis­se que Bol­so­na­ro foi ex­pul­so do Exér­ci­to por ten­tar ex­plo­dir uma bom­ba. O can­di­da­to do PSL te­ve di­rei­to de res­pos­ta e ne­gou ter si­do ex­pul­so.

Em su­as in­ter­ven­ções, lem­brou Ma­ri­el­le Fran­co, ve­re­a­do­ra as­sas­si­na­da no Rio de Ja­nei­ro em mar­ço. Cri­ti­cou os ban­quei­ros e o can­di­da­to Hen­ri­que Mei­rel­les, a quem cha­mou de “ra­po­sa cui­dan­do do ga­li­nhei­ro”. E afir­mou que fa­rá uma re­for­ma tri­bu­tá­ria com a ta­xa­ção de gran­des for­tu­nas e a tri­bu­ta­ção de lu­cros e di­vi­den­dos

Henrique Meirelles

O can­di­da­to do MDB ao Pla­nal­to, fez um dis­cur­so lem­bran­do as pas­sa­gens que te­ve nos go­ver­nos Lu­la e Te­mer. Intitulou-​se co­mo o can­di­da­to do em­pre­go, da ren­da e do cres­ci­men­to econô­mi­co.

Ao res­pon­der às crí­ti­cas de Bou­los, dis­se ser uma pes­soa ho­nes­ta e não ter ne­nhum pro­ces­so con­tra si.

Cabo Daciolo

As in­ter­ven­ções do can­di­da­to do Pa­tri­o­ta fre­quen­te­men­te fa­zi­am alu­são a fi­gu­ras re­li­gi­o­sas. O de­pu­ta­do evan­gé­li­co che­gou a ler uma pas­sa­gem da Bí­blia.

Ca­bo Da­ci­o­lo afir­mou que há pro­vas de que as ur­nas ele­trô­ni­cas são frau­da­das. Che­gou a dis­cur­sar con­tra o co­mu­nis­mo. Tam­bém dis­se que bai­xa­rá o pre­ço do com­bus­tí­vel em 50%.

Ne­gou que o Bra­sil pas­se por uma cri­se fis­cal. E dis­se que o gran­de pro­ble­ma da na­ção é a fal­ta de amor.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,