O ge­ne­ral da re­ser­va An­to­nio Ha­mil­ton Mou­rão (PRTB), vi­ce de Jair Bol­so­na­ro (PSL) dis­se, em en­tre­vis­ta ao Va­lor Econô­mi­co, que a ten­ta­ti­va do PT de im­por a can­di­da­tu­ra de Lu­la jus­ti­fi­ca­ria uma ação mi­li­tar, ca­so ha­ja uma “re­vol­ta po­pu­lar”. “Lu­la can­di­da­to é um coi­sa que es­tá cor­ren­do nas re­des so­ci­ais. Se Lu­la po­de ser can­di­da­to, en­tão Fer­nan­di­nho Beira-​Mar po­de, Mar­co­la po­de. Res­sal­va­das as de­vi­das di­fe­ren­ças”, dis­se.

Re­pro­du­ção You­tu­be


General Mourão, vice de Jair Bolsonaro, defende ação militar em caso de “revolta popular”

Pa­ra o ge­ne­ral, os ca­sos que jus­ti­fi­ca­ri­am uma in­ter­ven­ção mi­li­tar são os vi­o­la­ri­am as leis e ci­ta o exem­plo da Lei da Fi­cha Lim­pa. “O PT ten­tan­do im­por de to­das as for­mas a can­di­da­tu­ra [de Lu­la] que po­de en­se­jar em ra­zão das leis exis­ten­tes. Se por aca­so uma coi­sa des­sas le­var a uma re­vol­ta po­pu­lar, é ne­ces­sá­rio que ha­ja con­tro­le dis­so aí, se­não va­mos pa­ra a bar­bá­rie”.

O mi­li­tar da re­ser­va dis­se que a mis­são das For­ças Ar­ma­das é “man­ter um am­bi­en­te de es­ta­bi­li­da­de pa­ra que os três Po­de­res pos­sam cum­prir sua ta­re­fa” e que, ca­so is­so for afe­ta­do por “dis­túr­bi­os da rua”, as For­ças Ar­ma­das de­vem man­ter a or­dem.

Mou­rão de­fen­deu que é pre­ci­so ter “to­le­rân­cia ze­ro” na ques­tão da se­gu­ran­ça. Se­gun­do ele, as pe­nas no Bra­sil são mui­to bran­das e os pre­sí­di­os não po­dem ser “no­va es­co­la de ban­di­do”. Ques­ti­o­na­do so­bre a se­gu­ran­ça na épo­ca da Di­ta­du­ra Mi­li­tar, o ge­ne­ral dis­se que “a ques­tão da se­gu­ran­ça era mui­to light”. “Po­lí­cia era po­lí­cia e ban­di­do era ban­di­do. A coi­sa era mui­to bem de­fi­ni­da”.

O vi­ce de Bol­so­na­ro tam­bém de­fen­deu que mi­li­ta­res tem que par­ti­ci­par da po­lí­ti­ca, pois pos­su­em co­nhe­ci­men­tos es­pe­cí­fi­cos que po­dem aju­dar na go­ver­na­bi­li­da­de.

Mou­rão dis­se ain­da que é pre­ci­so “des­mis­ti­fi­car” a ideia de que o ge­ne­ral é au­to­ri­tá­rio e fe­cha­do. “As pes­so­as te­mem que a gen­te ga­nhe. De­vem achar que é o apo­ca­lip­se”, afir­mou.

Cli­que aqui e leia a en­tre­vis­ta na ín­te­gra.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,