Por 6 vo­tos a 1, o Tri­bu­nal Su­pe­ri­or Elei­to­ral (TSE) de­ci­diu na noi­te des­sa terça-​feira (28) ne­gar pe­di­do fei­to pe­lo PT pa­ra que as emis­so­ras de te­le­vi­são fa­çam a co­ber­tu­ra da cam­pa­nha pre­si­den­ci­al do par­ti­do.

Ri­car­do Stuc­kert


Para o PT, como candidato registrado no TSE, Lula tem direito de participar da cobertura jornalística das eleições, mesmo preso

O TSE jul­gou o re­cur­so da co­li­ga­ção “O Po­vo Fe­liz de No­vo”, com­pos­ta pe­lo PT, PC­doB e Pros, que tem o ex-​presidente Lu­la co­mo can­di­da­to à pre­si­dên­cia e o ex-​prefeito de São Pau­lo Fer­nan­do Had­dad co­mo vi­ce. An­tes da de­ci­são de on­tem, o mi­nis­tro Ser­gio Ba­nhos ti­nha re­jei­ta­do o mes­mo pe­di­do de for­ma in­di­vi­du­al.

Lu­la es­tá pre­so des­de 7 de abril na se­de da Su­pe­rin­ten­dên­cia da Po­lí­cia Fe­de­ral (PF) em Cu­ri­ti­ba, em fun­ção de sua con­de­na­ção a 12 anos e um mês de pri­são na ação pe­nal do ca­so do tri­plex em Gua­ru­já (SP). Pa­ra o PT, co­mo can­di­da­to re­gis­tra­do no TSE, Lu­la tem di­rei­to de par­ti­ci­par da co­ber­tu­ra jor­na­lís­ti­ca das elei­ções.

Em te­se, o ex-​presidente es­ta­ria en­qua­dra­do no ar­ti­go da Lei da Fi­cha Lim­pa que im­pe­de a can­di­da­tu­ra de con­de­na­dos por ór­gãos co­le­gi­a­dos. No en­tan­to, o pe­di­do de re­gis­tro e a pos­sí­vel ine­le­gi­bi­li­da­de pre­ci­sam ser ana­li­sa­dos pe­lo TSE até 17 de se­tem­bro.

De acor­do com o PT, a TV Glo­bo, Band, Re­cord e SBT de­vem dar igual­da­de de con­di­ção a to­dos os can­di­da­tos por fun­ci­o­na­rem por meio de con­ces­sões pú­bli­cas. Se­gun­do a le­gen­da, Lu­la es­tá li­de­ran­do as pes­qui­sas de opi­nião e tam­bém de­ve ter es­pa­ço des­ti­na­do à co­ber­tu­ra jor­na­lís­ti­ca dos atos de cam­pa­nha.

"Circunstâncias pessoais"

Ao jul­gar o re­cur­so, por 6 vo­tos a 1, o co­le­gi­a­do se­guiu vo­to de Ba­nhos e en­ten­deu que as emis­so­ras não es­tão des­cum­prin­do as re­gras le­gais que im­pe­dem a con­ces­são de tra­ta­men­to pri­vi­le­gi­a­do a can­di­da­tos no rá­dio e na te­le­vi­são.

Se­gun­do o mi­nis­tro, “cir­cuns­tân­ci­as pes­so­ais” im­pe­dem a co­ber­tu­ra jor­na­lís­ti­ca da cam­pa­nha do ex-​presidente. Ele afir­mou que “não há agen­da a ser di­vul­ga­da” por Lu­la. O en­ten­di­men­to foi acom­pa­nha­do pe­los mi­nis­tros Luís Ro­ber­to Bar­ro­so, Tar­cí­sio Vi­ei­ra, Ed­son Fa­chin, Ro­sa We­ber e Jor­ge Mus­si.

O mi­nis­tro Na­po­leão Nu­nes Maia di­ver­giu e en­ten­deu que en­ten­deu que Lu­la es­tá com no­me re­gis­tra­do nas pes­qui­sas elei­to­rais, que de­vem ser re­gis­tra­das no TSE, e, por is­so, de­ve ter a co­ber­tu­ra fei­ta pe­las emis­so­ras.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,