O ex-​deputado cas­sa­do Edu­ar­do Cu­nha (MDB-​RJ) per­deu a li­ber­da­de, mas não o po­der. Pe­lo me­nos em seu par­ti­do. Pre­so des­de ou­tu­bro de 2016 em Cu­ri­ti­ba, o ex-​presidente da Câ­ma­ra pre­pa­ra da ca­deia a sua su­ces­so­ra em Bra­sí­lia, a pu­bli­ci­tá­ria Da­ni­el­le Dytz Cu­nha, sua fi­lha mais ve­lha. Es­tre­an­te nas ur­nas, Da­ni­el­le li­de­ra a dis­pu­ta pe­los re­cur­sos pú­bli­cos do fun­do elei­to­ral en­tre os 19 can­di­da­tos a de­pu­ta­do fe­de­ral pe­lo par­ti­do no Rio de Ja­nei­ro (ve­ja lis­ta de re­pas­ses ao fi­nal da re­por­ta­gem).

Pe­dro Ladeira/​Folhapress


Tal pai, tal filha: Danielle tem papel de protagonista no MDB fluminense quando o assunto é dinheiro

A fi­lha de Cu­nha já re­ce­beu R$ 2 mi­lhões do di­re­tó­rio es­ta­du­al do MDB, con­for­me re­gis­tros par­ci­ais do Tri­bu­nal Su­pe­ri­or Elei­to­ral (TSE). O va­lor é pró­xi­mo do te­to de R$ 2,5 mi­lhões que um can­di­da­to à Câ­ma­ra po­de gas­tar nes­te ano. Além dis­so, ela ga­nhou R$ 7 mil de uma do­a­do­ra iden­ti­fi­ca­da co­mo Ân­ge­la Cé­lia Sou­za Vi­lhe­na, que fez o re­pas­se na con­di­ção de pes­soa fí­si­ca – a le­gis­la­ção atu­al proí­be o fi­nan­ci­a­men­to em­pre­sa­ri­al de cam­pa­nhas.

Até a noi­te des­ta segunda-​feira (10), a can­di­da­ta ha­via de­cla­ra­do gas­tos de cam­pa­nha que to­ta­li­za­ram R$ 58.154,00. Des­se va­lor, R$ 35.450,00 fo­ram des­ti­na­dos à pro­du­ção ou aqui­si­ção de ade­si­vos e ou­tros 15.885,00 pa­ra ma­te­ri­al im­pres­so.

Os re­pas­ses a Da­ni­el­le su­pe­ram as do­a­ções fei­tas aos qua­tro eme­de­bis­tas que con­cor­rem à re­e­lei­ção pe­lo es­ta­do. Três de­les re­ce­be­ram, ca­da, R$ 1,5 mi­lhão do par­ti­do até o mo­men­to. Cel­so Ja­cob, ne­nhum cen­ta­vo. Pro­cu­ra­do pe­lo Con­gres­so em Fo­co pa­ra ex­pli­car os cri­té­ri­os da dis­tri­bui­ção do di­nhei­ro, o MDB flu­mi­nen­se diz que “se re­ser­va ao di­rei­to de não co­men­tar sua es­tra­té­gia elei­to­ral” (leia no­ta mais abai­xo).

O pre­si­den­te do MDB flu­mi­nen­se, de­pu­ta­do Le­o­nar­do Pic­ci­a­ni, não aten­deu às li­ga­ções te­lefô­ni­cas da re­por­ta­gem. Ele her­dou o pos­to de seu pai, o ca­ci­que eme­de­bis­ta Jor­ge Pic­ci­a­ni, que re­cen­te­men­te dei­xou a pre­si­dên­cia da As­sem­bleia Le­gis­la­ti­va do Rio de Ja­nei­ro (Alerj) di­re­to pa­ra uma ca­deia pú­bli­ca do es­ta­do, en­vol­vi­do em di­ver­sos es­cân­da­los de cor­rup­ção. Ho­je, en­quan­to se va­le de re­cur­sos ju­di­ci­ais, Jor­ge cum­pre pri­são do­mi­ci­li­ar no Rio.

Tal pai, tal filha

Com o mes­mo nú­me­ro uti­li­za­do por Edu­ar­do Cu­nha nas elei­ções an­te­ri­o­res, Da­ni­el­le con­fia no es­pó­lio elei­to­ral do pai pa­ra ser a no­va voz da fa­mí­lia na Câ­ma­ra. Seu prin­ci­pal al­vo é o elei­to­ra­do evan­gé­li­co, que o aju­dou a se ele­ger qua­tro ve­zes de­pu­ta­do fe­de­ral. Em um es­ta­do com 17,1 mi­lhões de ha­bi­tan­tes, po­pu­la­ção es­ti­ma­da pe­lo Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Ge­o­gra­fia e Es­ta­tís­ti­ca pa­ra 2018, a quan­ti­da­de de evan­gé­li­cos é cal­cu­la­da en­tre 1,5 mi­lhão e 2 mi­lhões de pes­so­as.

Em car­ta di­vul­ga­da da pri­são há qua­se um mês, Cu­nha pe­diu vo­tos pa­ra a her­dei­ra. “Apoio com ve­e­mên­cia a can­di­da­tu­ra da mi­nha fi­lha mais ve­lha, Da­ni­el­le Cu­nha, com o nú­me­ro 1530, pa­ra de­pu­ta­da fe­de­ral. Sua de­sen­vol­tu­ra po­lí­ti­ca é no­tó­ria: jo­vem, mu­lher, evan­gé­li­ca, em­pre­en­de­do­ra, ca­pa­ci­ta­da, com um cur­rí­cu­lo que fa­la por si só; ela é mui­to mais pre­pa­ra­da do que eu”, es­cre­veu.

Um dos prin­ci­pais ar­ti­cu­la­do­res do im­pe­a­ch­ment da ex-​presidente Dil­ma Rous­seff (PT), o ex-​deputado cas­sa­do já pro­fe­ti­za co­mo se­rá a atu­a­ção da fi­lha na Câ­ma­ra. “Os meus ad­ver­sá­ri­os po­dem aguar­dar que ela da­rá mais tra­ba­lho do que eu dei e de­fen­de­rá tu­do o que eu de­fen­di, do in­te­res­se da na­ção e do po­vo evan­gé­li­co, co­mo o com­ba­te ao abor­to, além das su­as pró­pri­as pro­pos­tas que de­ba­te­rá na cam­pa­nha”, re­for­çou.

A pu­pi­la de Cu­nha já ini­ci­ou a atu­a­ção con­tra ad­ver­sá­ri­os mes­mo an­tes de en­trar pa­ra a po­lí­ti­ca. Co­mo es­te si­te mos­trou em 20 de agos­to, ela pe­diu ao Tri­bu­nal Re­gi­o­nal Elei­to­ral (TRE) de Mi­nas Ge­rais, ain­da sem ob­ter su­ces­so, que bar­ras­se a can­di­da­tu­ra ao Se­na­do da ex-​presidente Dil­ma Rous­seff. Da­ni­el­le ale­gou que o im­pe­a­ch­ment da pe­tis­ta ti­nha co­mo con­sequên­cia “na­tu­ral e in­dis­so­ciá­vel” a ine­le­gi­bi­li­da­de. Se­gun­do pes­qui­sas de in­ten­ção de vo­to, a pe­tis­ta li­de­ra a cor­ri­da elei­to­ral.

Lava Jato

Mas, se Cu­nha pre­vê tem­pos di­fí­ceis pa­ra seus ad­ver­sá­ri­os, que tam­bém se­rão os da fi­lha, o con­trá­rio tam­bém de­ve ser men­ci­o­na­do. Não bas­tas­se a si­tu­a­ção cri­mi­nal e as de­mais in­ves­ti­ga­ções pen­den­tes con­tra o ex-​deputado, que tem sua ima­gem as­so­ci­a­da à cor­rup­ção na po­lí­ti­ca, Da­ni­el­le de­ve en­fren­tar ela mes­ma acu­sa­ções de que, em al­gu­ma me­di­da, beneficiou-​se do di­nhei­ro des­vi­a­do por Cu­nha pa­ra o ex­te­ri­or.

Ela tam­bém che­gou a ser in­ves­ti­ga­da na Ope­ra­ção La­va Ja­to, sus­pei­ta de aco­ber­tar cri­mes do pai, e foi apon­ta­da co­mo uma das be­ne­fi­ciá­ri­as das con­tas man­ti­das pe­lo ca­sal Edu­ar­do Cu­nha e Clau­dia Cruz na Suí­ça. Mas a par­te do pro­ces­so re­fe­ren­te a Da­ni­el­le não pros­pe­rou.

Ela che­gou a ser in­ves­ti­ga­da e res­pon­deu a inqué­ri­to jun­to com o pai em 2016, quan­do a Câ­ma­ra cas­sou Cu­nha por 450 vo­tos a 10 em ple­ná­rio. Após ten­ta­ti­va frus­tra­da de man­ter seu ca­so no Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), Da­ni­el­le fi­cou sob o mar­te­lo do juiz fe­de­ral Sér­gio Mo­ro, res­pon­sá­vel pe­la La­va Ja­to em Cu­ri­ti­ba (PR), mas não che­gou a ser de­nun­ci­a­da.

Com o ar­gu­men­to de que não ti­nha vi­ra­do ré, Da­ni­el­le pe­diu e con­se­guiu a li­be­ra­ção de seu pas­sa­por­te em ju­lho do ano pas­sa­do. Na oca­sião, ela tam­bém ti­nha ale­ga­do ne­ces­si­tar do do­cu­men­to, que ha­via si­do re­ti­do pe­la Jus­ti­ça em mar­ço de 2016, pa­ra vi­a­jar ao ex­te­ri­or com “fins pro­fis­si­o­nais”.

O Con­gres­so em Fo­co con­se­guiu fa­lar com a can­di­da­ta na tar­de des­ta segunda-​feira (10), mas ela ale­gou que es­ta­va par­ti­ci­pan­do de uma reu­nião e que não po­de­ria fa­lar na­que­le ins­tan­te. No en­tan­to, interessou-​se em sa­ber o as­sun­to da en­tre­vis­ta, mas de­sis­tiu de dar con­ti­nu­ar a con­ver­sa ao ser in­for­ma­da so­bre o te­or da re­por­ta­gem. Se­gun­do um in­ter­lo­cu­tor de sua cam­pa­nha, ela tem evi­ta­do fa­lar com a im­pren­sa.

Malvado favorito

Em ví­deo de cam­pa­nha, Da­ni­el­le não faz men­ção à pri­são de Cu­nha ou às di­ver­sas acu­sa­ções con­tra ele. Mas, dos 23 se­gun­dos de ma­te­ri­al, Cu­nha ocu­pa os pri­mei­ros dez com uma fa­la em oca­sião his­tó­ri­ca – ao anun­ci­ar a aber­tu­ra de pro­ces­so de im­pe­a­ch­ment, na fa­tí­di­ca ses­são ple­ná­ria da Câ­ma­ra de 17 de abril de 2016, con­tra a en­tão pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff (PT).

“Se não fos­se a atu­a­ção do meu pai, Edu­ar­do Cu­nha, vo­cê es­ta­ria sen­do go­ver­na­do pe­la Dil­ma e pe­lo PT até ho­je”, diz a can­di­da­ta, pe­din­do o vo­to dos ci­da­dãos flu­mi­nen­ses “pa­ra con­ti­nu­ar es­se tra­ba­lho”.

Veja o vídeo

Leia a nota do MDB fluminense:

Os cri­té­ri­os pa­ra dis­tri­bui­ção dos re­cur­sos do fun­do fo­ram es­ta­be­le­ci­dos em re­so­lu­ção da Co­mis­são Exe­cu­ti­va Na­ci­o­nal en­ca­mi­nha­da ao TSE, co­mo pre­vê a le­gis­la­ção elei­to­ral. So­bre o va­lor e a for­ma de dis­tri­bui­ção pa­ra can­di­da­tos es­pe­cí­fi­cos, o par­ti­do reserva-​se o di­rei­to de não co­men­tar sua es­tra­té­gia elei­to­ral.

Leia abaixo a lista de repasses do MDB para os candidatos à Câmara:

Da­ni­el­le Dytz Cu­nha
Pu­bli­ci­tá­ria, fi­lha do ex-​deputado cas­sa­do Edu­ar­do Cu­nha
Do­a­ção do par­ti­do: R$ 2 mi­lhões

Áti­la A. Nu­nes
Su­plen­te de de­pu­ta­do fe­de­ral e ve­re­a­dor no Rio
Do­a­ção do par­ti­do: R$ 1,5 mi­lhão

Le­o­nar­do Pic­ci­a­ni
Can­di­da­to à re­e­lei­ção
Do­a­ção do par­ti­do: R$ 1,5 mi­lhão

Mar­co Antô­nio Ca­bral
Can­di­da­to à re­e­lei­ção
Do­a­ção do par­ti­do: R$ 1,5 mi­lhão

Wil­son Be­ser­ra
Can­di­da­to à re­e­lei­ção
Do­a­ção do par­ti­do: R$ 1,5 mi­lhão

An­dré La­za­ro­ni
De­pu­ta­do es­ta­du­al
Do­a­ção do par­ti­do: R$ 700 mil

Da­ni­e­la do Wa­gui­nho
Primeira-​dama de Bel­ford Ro­xo
Do­a­ção do par­ti­do: R$ 500 mil

Gu­tem­berg Reis
Em­pre­sá­rio, é ir­mão do de­pu­ta­do es­ta­du­al Ro­sen­verg Reis e do pre­fei­to de Du­que de Ca­xi­as, Washing­ton Reis, e do ve­re­a­dor do mes­mo mu­ni­cí­pio Ju­ni­or Reis
Do­a­ção do par­ti­do: R$ 500 mil

Amé­ri­ca Te­re­za
Ex-​vereadora de Vol­ta Re­don­da
Do­a­ção do par­ti­do: R$ 300 mil

Ge­ral­do Pu­dim
De­pu­ta­do es­ta­du­al
Do­a­ção do par­ti­do: R$ 200 mil

Vi­ni­cius Fa­rah
Ex-​prefeito de Três Ri­os
Do­a­ção do par­ti­do: R$ 200 mil

Layd­son
Ve­re­a­dor em Vol­ta Re­don­da
Do­a­ção do par­ti­do: R$ 100 mil

Le­ci­nho
Ve­re­a­dor em São Gon­ça­lo
Do­a­ção do par­ti­do: R$ 100 mil

Ney­mar Pe­sa­dão
Em­pre­sá­rio
Do­a­ção do par­ti­do: R$ 50 mil

Pe­nha Ber­nar­des
Ve­re­a­do­ra de Ara­ru­a­ma
Do­a­ção do par­ti­do: R$ 50 mil

Wil­son Per­na Tor­ta
Mi­li­tar re­for­ma­do
Do­a­ção do par­ti­do: R$ 30 mil

Sou Gaby
Em­pre­sá­ria
Do­a­ção do par­ti­do: R$ 20 mil

Jô Be­ne­di­to
Pro­fes­so­ra
Do­a­ção do par­ti­do: R$ 5 mil

Cel­so Ja­cob
Can­di­da­to à re­e­lei­ção
Ne­nhum re­pas­se do par­ti­do re­gis­tra­do até o mo­men­to

*Co­la­bo­rou Isa­bel­la Ma­ce­do.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co/​TSE (da­dos ex­traí­dos em 10 de se­tem­bro de 2018)

,