Pes­qui­sa di­vul­ga­da nes­ta quinta-​feira (13) pe­lo Vox Po­pu­li cau­sou po­lê­mi­ca nas re­des so­ci­ais e che­gou a ser, mo­men­ta­ne­a­men­te, o as­sun­to mais co­men­ta­do do Twit­ter no Bra­sil. A di­ver­gên­cia foi cau­sa­da pe­la prin­ci­pal no­vi­da­de do le­van­ta­men­to, que trou­xe de ma­nei­ra iné­di­ta o recém-​lançado can­di­da­to do PT a pre­si­den­te, Fer­nan­do Had­dad, na li­de­ran­ça, com 22% das in­ten­ções de vo­to. Jair Bol­so­na­ro (PSL), que li­de­ra nas son­da­gens dos de­mais ins­ti­tu­tos, fi­cou na se­gun­da co­lo­ca­ção, com 18%.

Ri­car­do Stuckert/​Divulgação


Haddad aparece liderando pesquisa de intenção de voto quando tem nome associado ao de Lula

Tam­bém sus­ci­tou de­ba­te a in­for­ma­ção de que a pes­qui­sa foi en­co­men­da­da pe­la Cen­tral Úni­ca dos Tra­ba­lha­do­res (CUT), tra­di­ci­o­nal ali­a­da do PT e in­te­gran­te do mo­vi­men­to que de­fen­de a li­ber­ta­ção do ex-​presidente e seu di­rei­to de dis­pu­tar a elei­ção. No Vox Po­pu­li, Ci­ro Go­mes (PDT) apa­re­ce em ter­cei­ro lu­gar (10%), se­gui­do de Ma­ri­na Sil­va (Re­de), com 5%, e Ge­ral­do Alck­min (PSDB), com 4%.

Du­ran­te al­gu­mas ho­ras, o Twit­ter foi in­va­di­do por tuí­tes que co­me­mo­ra­vam ou re­fu­ta­vam o le­van­ta­men­to. Nas pes­qui­sas re­a­li­za­das pe­los ou­tros ins­ti­tu­tos, o en­tre­vis­ta­do é ques­ti­o­na­do so­bre em qual can­di­da­to vai vo­tar. Na es­ti­mu­la­da, os no­mes são apre­sen­ta­dos de for­ma in­di­vi­du­al. O Vox Po­pu­li usou me­to­do­lo­gia di­fe­ren­te. O pe­tis­ta era iden­ti­fi­ca­do co­mo “Fer­nan­do Had­dad (PT), apoi­a­do por Lu­la”. Os de­mais eram ci­ta­dos da ma­nei­ra com que são co­nhe­ci­dos do elei­to­ra­do.

Discrepâncias

Se­gun­do o Da­ta­fo­lha di­vul­ga­do na úl­ti­ma se­gun­da (10), Bol­so­na­ro tem 24% das in­ten­ções de vo­tos, en­quan­to Had­dad al­can­ça 9%, atrás nu­me­ri­ca­men­te – mas em em­pa­te téc­ni­co – com Ci­ro, Ma­ri­na e Alck­min. No le­van­ta­men­to do Ibo­pe di­vul­ga­do na ter­ça (11). O de­pu­ta­do flu­mi­nen­se tam­bém des­pon­ta na li­de­ran­ça, com 26%, en­quan­to o pe­tis­ta so­ma­va 8% das in­ten­ções de vo­tos. Had­dad, que era vi­ce de Lu­la, as­su­miu a can­di­da­tu­ra pre­si­den­ci­al na úl­ti­ma terça-​feira por­que o ex-​presidente foi bar­ra­do pe­la Jus­ti­ça elei­to­ral.

O Con­gres­so em Fo­co pro­cu­rou o Vox Po­pu­li, mas não con­se­guiu con­ta­to. Em en­tre­vis­ta à re­vis­ta Car­ta Ca­pi­tal, o di­re­tor do ins­ti­tu­to, Mar­cos Coim­bra, dis­se que não vê pro­ble­ma em as­so­ci­ar o no­me de Had­dad a Lu­la. Se­gun­do ele, não se tra­ta de uma “in­du­ção”, mas de “for­ne­cer o má­xi­mo de in­for­ma­ção ao elei­tor”.

“Es­con­der o fa­to de que o ex-​prefeito foi in­di­ca­do e tem o apoio do ex-​presidente tor­na­ria ir­re­al o re­sul­ta­do de qual­quer le­van­ta­men­to. É uma re­fe­rên­cia re­le­van­te pa­ra uma par­ce­la sig­ni­fi­ca­ti­va dos ci­da­dãos. Che­ga per­to de 40% a por­ção do elei­to­ra­do que afir­ma vo­tar ou po­der vo­tar em um no­me apoi­a­do por Lu­la”, ale­gou Mar­cos Coim­bra.

Metodologia

“A pi­a­da que con­tam é que a pes­qui­sa não é do Vox Po­pu­li por­que, se fos­se, mos­tra­ria o Had­dad ga­nhan­do a elei­ção no pri­mei­ro tur­no”, res­pon­deu rin­do o ci­en­tis­ta po­lí­ti­co Pau­lo Kra­mer ao ser ques­ti­o­na­do so­bre os nú­me­ros do ins­ti­tu­to de pes­qui­sas mi­nei­ro.

Pa­ra o pro­fes­sor da Uni­ver­si­da­de de Bra­sí­lia (UnB), é fun­da­men­tal ob­ser­var a me­to­do­lo­gia uti­li­za­da em ca­da le­van­ta­men­to. “Nas pes­qui­sas qua­li­ta­ti­vas, o pro­ble­ma es­tá na for­mu­la­ção da per­gun­ta, ou se­ja, na for­ma co­mo a con­ver­sa com um de­ter­mi­na­do gru­po de pes­so­as é con­du­zi­da. De­pen­den­do de co­mo is­so é fei­to, po­de ha­ver al­gu­ma in­du­ção, até in­vo­lun­tá­ria. Nas pes­qui­sas quan­ti­ta­ti­vas, co­mo é o ca­so, vo­cê po­de ter pro­ble­ma em ra­zão da for­mu­la­ção da per­gun­ta e do de­se­nho da amos­tra de en­tre­vis­ta­dos”, dis­se.

Kra­mer cha­ma a aten­ção pa­ra ou­tros as­pec­tos que po­dem afe­tar o re­sul­ta­do de uma pes­qui­sa elei­to­ral. “Se o Da­ta­fo­lha ves­tir to­dos os seus en­tre­vis­ta­do­res de mór­mons, pro­va­vel­men­te ele vai ter co­mo re­sul­ta­do um vo­to mais con­ser­va­dor. Al­guns elei­to­res de es­quer­da da­rão um vo­to mais pró­prio de um elei­tor de di­rei­ta. Por­que, por al­gu­ma ra­zão de di­fí­cil com­pre­en­são, as pes­so­as, ao res­pon­de­rem en­tre­vis­tas pre­sen­ci­ais, sem­pre ten­dem a apro­xi­mar sua opi­nião da opi­nião que elas ima­gi­nam que o en­tre­vis­ta­dor tem”, afir­mou.

O pro­fes­sor da UnB de­fen­de que se dê mais aten­ção às pes­qui­sas re­a­li­za­das por te­le­fo­ne, que têm ga­nha­do es­pa­ço no Bra­sil. “Es­tu­dos re­a­li­za­dos em vá­ri­os paí­ses têm de­mons­tra­do que as pes­qui­sas te­lefô­ni­cas, nas quais o res­pon­den­te ob­vi­a­men­te não vê o en­tre­vis­ta­dor, são mais efi­ci­en­tes pa­ra mos­trar o ‘clo­set vo­te’, is­to é, o vo­to de ar­má­rio ou vo­to en­ver­go­nha­do”.

Veja dois tuítes antagônicos que simbolizam o debate na rede

“Na pesquisa "Vox Populi", HADDAD é apresentado ao eleitor como o: “CANDIDATO DO LULA”. Por isso já dispara em primeiro lugar!! o brasileiro sabe quem foi o melhor presidente que já tivemos, e se Haddad é LULA, somos todos HADDAD! #SegueOLíder”, escreveu um perfil.

“Pesquisa CUT/Vox Populi coloca Haddad à frente de Jair Bolsonaro, dá p acreditar sendo encomendada pelo PT?! Seria o mesmo que... Acreditar q papai noel existe, no coelhinho da páscoa, que Lula é honesto. Então já sabemos bem em quem votar #TmjComBolsonaro17”, comentou outra conta.

O Vox Po­pu­li ou­viu 2 mil elei­to­res em 121 mu­ni­cí­pi­os en­tre 7 e 11 de se­tem­bro. A mar­gem de er­ro é de 2,2 pon­tos per­cen­tu­ais, pa­ra ci­ma ou pa­ra bai­xo. O ín­di­ce de con­fi­an­ça é de 95%.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,