O ex-​procurador-​geral da Re­pú­bli­ca Ro­ber­to Gur­gel, res­pon­sá­vel pe­la de­nún­cia con­tra Re­nan Ca­lhei­ros (MDB-​AL) por frau­de no uso da ver­ba in­de­ni­za­tó­ria, cri­ti­cou a ab­sol­vi­ção do se­na­dor no Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) mais ce­do, por in­su­fi­ci­ên­cia de pro­vas. Gur­gel re­a­giu à crí­ti­ca do mi­nis­tro Gil­mar Men­des, um dos mem­bros da Se­gun­da Tur­ma que ab­sol­ve­ram Re­nan, a res­pei­to do tra­ba­lho dos pro­cu­ra­do­res que acu­sa­ram o eme­de­bis­ta – pa­ra o ma­gis­tra­do, eles de­ve­ri­am ser cha­ma­dos a pres­tar con­tas.

Fa­bio Ro­dri­gues Pozzebom/​Agência Bra­sil


Gurgel denunciou Renan em 2013 e lamentou conduta do STF: "Prova autorizaria a condenação de qualquer um que não fosse o senador"

“Gra­ças ao STF, nin­guém é mais blin­da­do que Re­nan Ca­lhei­ros nes­te país de tan­ta im­pu­ni­da­de. Não te­nho dú­vi­da al­gu­ma de que a pro­va au­to­ri­za­ria a con­de­na­ção de qual­quer um que não fos­se o se­na­dor”, re­ba­teu Gur­gel, que apre­sen­tou a de­nún­cia con­tra Re­nan em 2013.

A ab­sol­vi­ção, por una­ni­mi­da­de na Se­gun­da Tur­ma (Cár­men Lú­cia não par­ti­ci­pou do jul­ga­men­to), li­vra Re­nan de uma con­de­na­ção por pe­cu­la­to, a ti­pi­fi­ca­ção do cri­me de des­vio de di­nhei­ro pú­bli­co em ra­zão do car­go. No re­ce­bi­men­to da de­nún­cia pe­lo STF, em de­zem­bro de 2016, por oi­to vo­tos fa­vo­rá­veis e três con­trá­ri­os, o ministro-​relator, Ed­son Fa­chin, ha­via apon­ta­do “su­fi­ci­en­tes in­dí­ci­os de ma­te­ri­a­li­da­de e au­to­ria em re­la­ção à par­te das im­pu­ta­ções” cons­tan­tes na acu­sa­ção fei­ta pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral (MPF).

Mas Fa­chin, a exem­plo dos de­mais três co­le­gas de co­le­gi­a­do pre­sen­tes ao jul­ga­men­to – Cel­so de Mel­lo, Gil­mar Men­des e Ri­car­do Lewan­dows­ki –, mu­dou a per­cep­ção a res­pei­to da pe­ça acu­sa­tó­ria. “Não há co­mo ta­xar de ilí­ci­ta a con­du­ta do de­nun­ci­a­do ape­nas pe­lo fa­to de ter adim­pli­do a obri­ga­ção con­tra­tu­al com a en­tre­ga de di­nhei­ro em es­pé­cie, ain­da que, tal for­ma não fos­se e não é cor­ri­quei­ra em si­tu­a­ções aná­lo­gas”, ar­gu­men­tou o mi­nis­tro.

Ao de­cla­rar seu vo­to, Gil­mar Men­des lem­brou que a PGR con­su­miu seis anos até fa­zer a de­nún­cia, mas mes­mo as­sim não con­se­guiu pro­var a acu­sa­ção que fez. “A mim me pa­re­ce ca­bal­men­te pro­va­do que, de fa­to, o con­tra­to exis­tiu, que o ser­vi­ço foi pres­ta­do. É es­tra­nho al­guém ti­rar re­cur­sos pa­ra pa­gar des­sa for­ma, em di­nhei­ro? Eu pa­go al­guns em­pre­ga­dos meus com di­nhei­ro, re­ti­ro da mi­nha con­ta”, sen­ten­ci­ou o mi­nis­tro.

Por meio tex­to pu­bli­ca­do em su­as re­des so­ci­ais (leia abai­xo), o se­na­dor fez “uma pau­sa” nas pos­ta­gens so­bre sua cam­pa­nha à re­e­lei­ção ao Se­na­do e se quei­xou da co­ber­tu­ra jor­na­lís­ti­ca so­bre o ca­so. “Pro­va­vel­men­te, o no­ti­ciá­rio não vai lem­brar que, por cau­sa des­sa ação, tiraram-​me da li­nha su­ces­só­ria da pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca, que um mi­nis­tro ten­tou até afastar-​me da pre­si­dên­cia do Se­na­do, fal­tan­do al­guns di­as pa­ra en­cer­rar meu man­da­to”, re­cla­mou o par­la­men­tar, em men­ção ve­la­da ao mi­nis­tro Mar­co Au­ré­lio Mel­lo, au­tor da or­dem de afas­ta­men­to ime­di­a­to de Re­nan em de­zem­bro de 2016.

A denúncia

Em 2007, o pe­e­me­de­bis­ta foi acu­sa­do pe­la jor­na­lis­ta Mô­ni­ca Ve­lo­so, sua ex-​amante, de usar di­nhei­ro do lo­bis­ta Cláu­dio Gon­ti­jo, da em­prei­tei­ra Men­des Jú­ni­or, pa­ra pa­gar su­as des­pe­sas com a pen­são da fi­lha e o alu­guel de um imó­vel. Es­sa foi a prin­ci­pal de uma sé­rie de de­nún­ci­as que o par­la­men­tar ala­go­a­no en­fren­tou no Con­se­lho de Éti­ca do Se­na­do na­que­le ano. Por du­as ve­zes, ele es­ca­pou da cas­sa­ção no ple­ná­rio em vo­ta­ção se­cre­ta.

Pa­ra com­pro­var que ti­nha con­di­ções de ar­car com os gas­tos so­zi­nho, o se­na­dor apre­sen­tou no­tas fis­cais de ven­das de bois. Mas a Po­lí­cia Fe­de­ral con­cluiu que os do­cu­men­tos não ga­ran­ti­am re­cur­sos pa­ra qui­tar a pen­são e que os pa­péis não com­pro­va­vam a ven­da de ga­do. Ha­via a sus­pei­ta de que as no­tas eram fri­as.

Por es­se mo­ti­vo, em ja­nei­ro de 2013, o en­tão procurador-​geral da Re­pú­bli­ca, Ro­ber­to Gur­gel, re­co­men­dou ao Su­pre­mo que abris­se ação pe­nal con­tra o se­na­dor por pe­cu­la­to, fal­si­da­de ide­o­ló­gi­ca e uso de do­cu­men­to. O pa­re­cer, no­ti­ci­a­do em pri­mei­ra mão pe­lo Con­gres­so em Fo­co, foi apre­sen­ta­do às vés­pe­ras da elei­ção que mar­cou a vol­ta de Re­nan à pre­si­dên­cia do Se­na­do.

Leia a postagem de Renan em suas redes sociais:

Ho­je fa­rei uma pau­sa na pos­ta­gem so­bre nos­sa cam­pa­nha ao Se­na­do pa­ra um de­sa­ba­fo…

O STF jul­gou ho­je, por una­ni­mi­da­de, a úni­ca ação em que eu era réu. Um pro­ces­so que re­pre­sen­tou um mas­sa­cre mo­ral, psi­co­ló­gi­co e fa­mi­li­ar du­ran­te 11 anos.

A co­ber­tu­ra jor­na­lís­ti­ca des­se ca­so du­rou 200 di­as e os prin­ci­pais jor­nais gas­ta­vam qua­se a me­ta­de do no­ti­ciá­rio a me acu­sar, di­fa­mar e in­si­nu­ar que eu co­me­te­ra ilí­ci­tos.

Não é fá­cil aguen­tar tu­do is­so. Mas ou­vir dos mi­nis­tros que o ca­so foi uma ver­go­nha na his­tó­ria do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral, que cus­tou ca­ro não ape­nas a mim, mas ao Se­na­do e ao Bra­sil, me ti­ra um pe­so do om­bro.

Pro­va­vel­men­te, o no­ti­ciá­rio não vai lem­brar que por cau­sa des­sa ação tiraram-​me da li­nha su­ces­só­ria da pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca, que um mi­nis­tro ten­tou até afastar-​me da pre­si­dên­cia do Se­na­do, fal­tan­do al­guns di­as pa­ra en­cer­rar meu man­da­to.

O pre­ço des­sa in­jus­ti­ça e do pe­so de ser ta­xa­do de réu por um cri­me não co­me­ti­do é um hor­ror. Mas não sou de de­sis­tir e nem de bai­xar a ca­be­ça. Si­go em fren­te, pois acre­di­to que um dia a jus­ti­ça re­al­men­te é fei­ta.

Aos ala­go­a­nos que con­fi­a­ram em mim ao lon­go des­se pro­ces­so, mi­nha gra­ti­dão.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,