Em sua pri­mei­ra en­tre­vis­ta à im­pren­sa de­pois de qua­se mor­rer em ata­que a fa­ca, o can­di­da­to do PSL na cor­ri­da pre­si­den­ci­al, de­pu­ta­do Jair Bol­so­na­ro, cri­ti­cou a pos­tu­ra de um de seus 12 ad­ver­sá­ri­os, Ge­ral­do Alck­min (PSDB), pe­la li­nha de ata­que es­co­lhi­da pe­lo tu­ca­no na cam­pa­nha elei­to­ral – um “fes­ti­val de bai­xa­ria”, se­gun­do o ex-​capitão do Exér­ci­to. Des­de o pri­mei­ro dia de ho­rá­rio po­lí­ti­co em rá­dio e TV, Alck­min tem ata­ca­do Bol­so­na­ro com ví­de­os e áu­di­os va­ri­a­dos, que reú­nem des­de ofen­sas do de­pu­ta­do con­tra mu­lhe­res até de­cla­ra­ções so­bre qui­lom­bo­las – es­tra­té­gia que só deu tré­gua em al­guns pou­cos di­as após o aten­ta­do, com Bol­so­na­ro em re­cu­pe­ra­ção de ci­rur­gia.

Reprodução/​Twitter


Não esperava isso dele [Alckmin], mas a verdade é que ele não é diferente do PT", reclamou o candidato, que se recupera de duas cirurgias

“Ve­jo com mui­ta tris­te­za o Ge­ral­do Alck­min, uma pes­soa em quem eu já vo­tei. Ele pe­gou pe­sa­do. Eu não es­pe­ra­va is­so de­le, mas a ver­da­de é que ele não é di­fe­ren­te do PT”, fus­ti­gou Bol­so­na­ro, pas­san­do a ci­tar ca­sos de cor­rup­ção du­ran­te a ges­tão do tu­ca­no no go­ver­no de São Pau­lo. “Eu não te­nho tem­po pa­ra re­ba­ter es­se fes­ti­val de bai­xa­ria. Po­dia per­gun­tar da me­ren­da [es­co­lar, es­cân­da­lo de des­vio de di­nhei­ro pú­bli­co que aba­lou o PSDB pau­lis­ta­no], da obra do Ro­do­a­nel, da Ode­bre­cht. É co­var­dia do Alck­min”, acres­cen­tou o can­di­da­to.

Se­gun­do o si­te do jor­nal Fo­lha de S.Paulo, que pu­bli­cou a en­tre­vis­ta há pou­co, Bol­so­na­ro fa­lou por cer­ca de qua­tro mi­nu­tos ao te­le­fo­ne, de seu quar­to no hos­pi­tal Al­bert Eins­tein, em São Pau­lo, on­de se re­cu­pe­ra de dois pro­ce­di­men­tos ci­rúr­gi­cos e já apre­sen­ta tom de voz “pra­ti­ca­men­te nor­mal”. De acor­do com o tex­to as­si­na­do por Igor Gi­e­low, o de­pu­ta­do diz ter re­cu­pe­ra­do o bom hu­mor e que, até en­tão, en­fren­tou uma “bar­ra pe­sa­da” e fi­cou en­tre a vi­da e a mor­te.

Bol­so­na­ro tam­bém fez men­ção à de­cla­ra­ção do eco­no­mis­ta Pau­lo Gue­des – “gu­ru econô­mi­co” da cam­pa­nha do PSL apon­ta­do co­mo even­tu­al mi­nis­tro da Fa­zen­da – a res­pei­to da pos­si­bi­li­da­de de re­cri­a­ção da CPMF, a im­po­pu­lar Con­tri­bui­ção Pro­vi­só­ria so­bre Mo­vi­men­ta­ção Fi­nan­cei­ra. A co­gi­ta­ção da vol­ta do im­pos­to foi re­ve­la­da na quarta-​feira (19) pe­la co­lu­nis­ta Mô­ni­ca Ber­ga­mo (Fo­lha de S.Paulo). Ins­ta­la­do o atri­to, Gue­des can­ce­lou par­ti­ci­pa­ção em even­tos, co­mo o que foi or­ga­ni­za­do nes­ta sexta-​feira (21) pe­la Câ­ma­ra Ame­ri­ca­na de Co­mér­cio (Am­cham).

“Olha, ele não tem ex­pe­ri­ên­cia po­lí­ti­ca. O ca­ra dá uma pa­les­tra de uma ho­ra, fa­la uma coi­sa por se­gun­dos e a im­pren­sa cai de por­ra­da ne­le”, en­fa­ti­zou Bol­so­na­ro, em re­fe­rên­cia à sim­pli­fi­ca­ção tri­bu­tá­ria que, adi­an­ta­da por Pau­lo Gue­des, con­sis­ti­ria em alí­quo­ta úni­ca de 20% do im­pos­to de ren­da pa­ra quem re­ce­be aci­ma de cin­co sa­lá­ri­os mí­ni­mos, te­se apre­sen­ta­da pe­lo eco­no­mis­ta a uma pla­teia de in­ves­ti­do­res na úl­ti­ma terça-​feira (18).

Mas o de­pu­ta­do evi­tou fa­lar da po­lê­mi­ca pro­ta­go­ni­za­da pe­lo seu can­di­da­to a vi­ce, ge­ne­ral Ha­mil­ton Mou­rão (PRTB), du­ran­te even­to pú­bli­co. O mi­li­tar de­fen­deu uma Cons­ti­tui­ção ela­bo­ra­da por não elei­tos e a ideia de que fi­lhos cri­a­dos por mães e avós, sem a pre­sen­ça do pai, cor­rem mais ris­co de en­trar pa­ra o trá­fi­co. Co­mo es­te si­te mos­trou on­tem (quin­ta, 20), Bol­so­na­ro pe­diu a Mou­rão que apa­re­ça me­nos no no­ti­ciá­rio.

O ge­ne­ral can­ce­lou agen­da de vi­a­gens no in­te­ri­or de São Pau­lo e no Rio Gran­de do Sul e fi­ca­rá em sua ca­sa, no Rio, nos pró­xi­mos di­as. O pró­prio Mou­rão con­si­de­rou a ideia de se ins­ti­tuir no­vo tri­bu­to se­me­lhan­te à CPMF, atri­buí­da a Pau­lo Gue­des, “um ti­ro no pé”. Mas, se­gun­do Mou­rão, não há cri­se na cam­pa­nha. “Is­so é uma ten­ta­ti­va de cri­ar uma di­vi­são que não exis­te. Es­ta­mos co­e­sos.”

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,