A Re­de Sus­ten­ta­bi­li­da­de, de Ma­ri­na Sil­va, de­ci­diu não apoi­ar Jair Bol­so­na­ro (PSL) nem Fer­nan­do Had­dad (PT) no se­gun­do tur­no da elei­ção pre­si­den­ci­al. O par­ti­do, po­rém, re­co­men­dou aos seus fi­li­a­dos e sim­pa­ti­zan­tes que não vo­tem em Bol­so­na­ro.

Re­de TV!


Marina constrangeu Bolsonaro em debate na Rede TV!

A Exe­cu­ti­va da Re­de afir­ma que “os di­ri­gen­tes pe­tis­tas cons­truí­ram um pro­je­to de po­der pe­lo po­der pou­co afei­to à al­ter­nân­cia de­mo­crá­ti­ca” e que “não tem ilu­sões quan­to às prá­ti­cas con­de­ná­veis do PT, den­tro e fo­ra do go­ver­no”. Mas res­sal­ta que “é im­pos­sí­vel ig­no­rar que o pro­je­to de Bol­so­na­ro, con­for­me tem si­do rei­te­ra­da­men­te afir­ma­do, re­pre­sen­ta um re­tro­ces­so bru­tal e inad­mis­sí­vel em três pon­tos mui­to ca­ros aos prin­cí­pi­os e pro­pó­si­tos da Re­de”.

“Pri­mei­ro, pro­me­te des­mon­tar in­tei­ra­men­te a es­tru­tu­ra de pro­te­ção am­bi­en­tal exis­ten­te no país, con­quis­ta­da ao lon­go de dé­ca­das, por ge­ra­ções de am­bi­en­ta­lis­tas. Che­ga ao ab­sur­do de anun­ci­ar a in­cor­po­ra­ção do Mi­nis­té­rio do Meio Am­bi­en­te ao Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra”, diz o par­ti­do.

“Se­gun­do, é um pro­je­to que des­pre­za di­rei­tos hu­ma­nos e a di­ver­si­da­de exis­ten­te na so­ci­e­da­de, pro­mo­ven­do a in­ci­ta­ção sis­te­má­ti­ca ao ódio, à vi­o­lên­cia e à dis­cri­mi­na­ção. Por fim, é um pro­je­to que ame­a­ça a de­mo­cra­cia e põe em che­que as con­quis­tas his­tó­ri­cas des­de a Cons­ti­tuin­te de 1988”, acres­cen­ta.

Oposição democrática

Ma­ri­na foi a oi­ta­va co­lo­ca­da na dis­pu­ta pre­si­den­ci­al com 1% dos vo­tos vá­li­dos. Nas du­as elei­ções an­te­ri­o­res ela so­mou cer­ca de 40 mi­lhões de vo­tos. A Re­de diz que fa­rá “opo­si­ção de­mo­crá­ti­ca” ao pró­xi­mo go­ver­no, se­ja qual for.

“Nes­tas elei­ções, a Re­de Sus­ten­ta­bi­li­da­de apre­sen­tou à so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra um pro­je­to al­ter­na­ti­vo à po­la­ri­za­ção. Fren­te ao ódio e à men­ti­ra, ofe­re­ce­mos a fa­ce da ver­da­de e da união em prol de um Bra­sil mais prós­pe­ro, jus­to e sus­ten­tá­vel. In­fe­liz­men­te, os dois pos­tu­lan­tes no se­gun­do tur­no re­pre­sen­tam pro­je­tos de po­der pre­ju­di­ci­ais ao país, atra­sa­dos do pon­to de vis­ta da con­cep­ção de de­sen­vol­vi­men­to, au­to­ri­tá­ri­os em re­la­ção ao pa­pel das ins­ti­tui­ções de Es­ta­do, re­tró­gra­dos quan­to à vi­são do sis­te­ma po­lí­ti­co e ques­ti­o­ná­veis do pon­to de vis­ta éti­co.”

Veja a íntegra da nota da Rede:

“Nes­tas elei­ções, a Re­de Sus­ten­ta­bi­li­da­de apre­sen­tou à so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra um pro­je­to al­ter­na­ti­vo à po­la­ri­za­ção. Fren­te ao ódio e à men­ti­ra, ofe­re­ce­mos a fa­ce da ver­da­de e da união em prol de um Bra­sil mais prós­pe­ro, jus­to e sus­ten­tá­vel. In­fe­liz­men­te, os dois pos­tu­lan­tes no se­gun­do tur­no re­pre­sen­tam pro­je­tos de po­der pre­ju­di­ci­ais ao país, atra­sa­dos do pon­to de vis­ta da con­cep­ção de de­sen­vol­vi­men­to, au­to­ri­tá­ri­os em re­la­ção ao pa­pel das ins­ti­tui­ções de Es­ta­do, re­tró­gra­dos quan­to à vi­são do sis­te­ma po­lí­ti­co e ques­ti­o­ná­veis do pon­to de vis­ta éti­co.

A Re­de não se ali­nha e não apoia ne­nhum de­les. A cor­rup­ção sis­te­má­ti­ca re­ve­la­da pe­la Ope­ra­ção La­va Ja­to foi uma mar­ca dos go­ver­nos pe­tis­tas, as­sim co­mo de boa par­ce­la dos par­la­men­ta­res que ago­ra es­tão com o Bol­so­na­ro. Os di­ri­gen­tes pe­tis­tas cons­truí­ram um pro­je­to de po­der pe­lo po­der pou­co afei­to à al­ter­nân­cia de­mo­crá­ti­ca.

Por ou­tro la­do, é im­pos­sí­vel ig­no­rar que o pro­je­to de Bol­so­na­ro, con­for­me tem si­do rei­te­ra­da­men­te afir­ma­do, re­pre­sen­ta um re­tro­ces­so bru­tal e inad­mis­sí­vel em três pon­tos mui­to ca­ros aos prin­cí­pi­os e pro­pó­si­tos da Re­de. Pri­mei­ro, pro­me­te des­mon­tar in­tei­ra­men­te a es­tru­tu­ra de pro­te­ção am­bi­en­tal exis­ten­te no país, con­quis­ta­da ao lon­go de dé­ca­das, por ge­ra­ções de am­bi­en­ta­lis­tas. Che­ga ao ab­sur­do de anun­ci­ar a in­cor­po­ra­ção do Mi­nis­té­rio do Meio Am­bi­en­te ao Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra. Com is­so, aten­ta con­tra o in­te­res­se da so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra e des­trói pi­la­res fun­da­men­tais pa­ra o fu­tu­ro do país. Além dis­so, ata­ca os di­rei­tos das co­mu­ni­da­des in­dí­ge­nas e qui­lom­bo­las, anun­ci­an­do que não se­rá de­mar­ca­do mais um cen­tí­me­tro de su­as ter­ras. Se­gun­do, é um pro­je­to que des­pre­za di­rei­tos hu­ma­nos e a di­ver­si­da­de exis­ten­te na so­ci­e­da­de, pro­mo­ven­do a in­ci­ta­ção sis­te­má­ti­ca ao ódio, à vi­o­lên­cia e à dis­cri­mi­na­ção. Por fim, é um pro­je­to que ame­a­ça a de­mo­cra­cia e põe em che­que as con­quis­tas his­tó­ri­cas des­de a Cons­ti­tuin­te de 1988.

Des­sa for­ma, a Re­de Sus­ten­ta­bi­li­da­de de­cla­ra pu­bli­ca­men­te que:

Se­rá opo­si­ção de­mo­crá­ti­ca ao go­ver­no de qual­quer dos can­di­da­tos que saia ven­ce­dor do em­ba­te a que se re­du­ziu es­sa elei­ção.

Não tem ilu­sões quan­to às prá­ti­cas con­de­ná­veis do PT, den­tro e fo­ra do go­ver­no. No en­tan­to, fren­te às ame­a­ças ime­di­a­tas e ur­gen­tes à de­mo­cra­cia, aos gru­pos vul­ne­rá­veis, aos di­rei­tos hu­ma­nos e ao meio am­bi­en­te, a Re­de Sus­ten­ta­bi­li­da­de re­co­men­da que seus fi­li­a­dos e sim­pa­ti­zan­tes não des­ti­nem ne­nhum vo­to ao can­di­da­to Jair Bol­so­na­ro e, is­so pos­to, es­co­lham de acor­do com sua cons­ci­ên­cia vo­tar da for­ma que con­si­de­rem me­lhor pa­ra o país.

10 de ou­tu­bro de 2018,

Exe­cu­ti­va Na­ci­o­nal da REDE Sus­ten­ta­bi­li­da­de”

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,