No li­mi­te do pra­zo de cin­co di­as da­do pe­lo Tri­bu­nal Su­pe­ri­or Elei­to­ral (TSE), o can­di­da­to Jair Bol­so­na­ro (PSL) for­ma­li­zou nes­ta quarta-​feira (24) sua de­fe­sa con­tra a de­nún­cia em que o PT pe­de a cas­sa­ção da can­di­da­tu­ra de extrema-​direita por su­pos­to cri­me elei­to­ral. Se­gun­do os ad­vo­ga­dos do ex-​capitão do Exér­ci­to, a re­pre­sen­ta­ção pe­tis­ta não apre­sen­ta qual­quer pro­va e se pres­ta a “cri­ar fa­to po­lí­ti­co in­ve­rí­di­co e, a par­tir daí, pro­du­zir ce­leu­ma mi­diá­ti­ca”.

Fa­bio Ro­dri­gues Pozzebom/​Agência Bra­sil


Bolsonaro nega participação em esquema de envio de mensagens pagas por empresários

O de­pu­ta­do do PSL é acu­sa­do de ter si­do be­ne­fi­ci­a­do pe­la uti­li­za­ção de me­ca­nis­mo de en­vio de men­sa­gens em mas­sa via What­sApp du­ran­te a cam­pa­nha. Se­gun­do re­por­ta­gem da Fo­lha de S.Paulo, o sis­te­ma foi cus­te­a­do por em­pre­sas de apoi­a­do­res do pre­si­den­ciá­vel e ti­nha co­mo ob­je­ti­vo dis­se­mi­nar con­teú­do ofen­si­vo con­tra o ad­ver­sá­rio de Bol­so­na­ro na cor­ri­da pre­si­den­ci­al, Fer­nan­do Had­dad (PT) – o que, se­gun­do a acu­sa­ção, con­fi­gu­ra abu­so de po­der econô­mi­co e uso in­de­vi­do de pla­ta­for­mas de co­mu­ni­ca­ção. Além da cas­sa­ção de man­da­to ele­ti­vo, na hi­pó­te­se de elei­ção de Bol­so­na­ro, o PT pe­de ao TSE que o de­pu­ta­do se­ja con­si­de­ra­do ine­le­gí­vel pe­los pró­xi­mos oi­to anos.

A de­fe­sa de Bol­so­na­ro pe­de que a ação se­ja ex­tin­ta por au­sên­cia de pro­vas e im­pro­ce­dên­cia da de­nún­cia. Se­gun­do a co­li­ga­ção “Bra­sil aci­ma de tu­do, Deus aci­ma de to­dos”, a cam­pa­nha de Had­dad age por in­con­for­mis­mo com a li­de­ran­ça do de­pu­ta­do, à fren­te do pe­tis­ta em pes­qui­sas de in­ten­ção de vo­to. Nes­se sen­ti­do, diz o gru­po do PSL, o ob­je­ti­vo dos pe­tis­tas é “de­ses­ta­bi­li­zar” a cam­pa­nha “cres­cen­te e aus­pi­ci­o­sa” do ad­ver­sá­rio.

“A de­nún­cia foi cons­truí­da es­pe­ci­al­men­te pa­ra des­cons­truir a ima­gem do can­di­da­to Jair Mes­si­as Bol­so­na­ro e ins­ta­lar o ca­os no pro­ces­so elei­to­ral 2018. [O ob­je­ti­vo é]” pre­pa­rar pre­vi­a­men­te ar­ma po­lí­ti­ca pa­ra cas­sar o can­di­da­to Jair Mes­si­as Bol­so­na­ro, ca­so ele ve­nha a ven­cer o se­gun­do tur­no das elei­ções”, diz rre­cho da de­fe­sa.

Os ad­vo­ga­dos de Bol­so­na­ro tam­bém ar­gu­men­tam que ele não pre­ci­sa de uma in­dús­tria de en­vio de men­sa­gens pa­ra con­quis­tar vo­tos, pois já tem apoio es­pon­tâ­neo no elei­to­ra­do bra­si­lei­ro – no pri­mei­ro tur­no, o de­pu­ta­do ob­te­ve 49,2 mi­lhões de vo­tos (46,03% dos vo­tos vá­li­dos), en­quan­to Had­dad al­can­çou 31,3 mi­lhões (29,28 dos vá­li­dos). Eles men­ci­o­nam a re­de de apoio que o can­di­da­to pos­sui na in­ter­net e di­zem que is­so se tra­duz em nú­me­ros: 7,8 mi­lhões de se­gui­do­res no Fa­ce­bo­ok, 5,2 mi­lhões no Ins­ta­gram e 1,8 mi­lhão no Twit­ter.

“Os can­di­da­tos réus não po­dem ser ata­ca­dos des­ta ma­nei­ra, sem pro­vas, acu­sa­dos de ir­re­gu­la­ri­da­des que não pra­ti­ca­ram, es­pe­ci­al­men­te por ter es­ta ação em­ba­sa­men­to pu­ra­men­te cal­ca­do na ‘fa­ke news’ in­ven­ta­da pe­la au­to­ra”, acres­cen­ta a de­fe­sa.

A ação

Cou­be ao mi­nis­tro Jor­ge Mus­si re­la­tar a re­pre­sen­ta­ção do PT con­tra Bol­so­na­ro. O ma­gis­tra­do ad­mi­tiu e deu an­da­men­to à de­nún­cia na úl­ti­ma sexta-​feira (19), mas aca­tou par­ci­al­men­te as de­man­das do par­ti­do. Mus­si ne­gou os pe­di­dos de di­li­gên­cia, co­mo bus­ca e apre­en­são e que­bra de si­gi­los (ban­cá­rio, te­lefô­ni­co etc). Se­gun­do Jor­ge Mus­si, li­mi­na­res não de­vem ser ex­pe­di­das an­tes que a ou­tra par­te se­ja ou­vi­da, além do que a de­nún­cia foi apre­sen­ta­da ape­nas com ba­se na re­por­ta­gem­da Fo­lha.

“Ob­ser­vo que to­da a ar­gu­men­ta­ção de­sen­vol­vi­da pe­la au­to­ra [cam­pa­nha do PT] es­tá las­tre­a­da em ma­té­ri­as jor­na­lís­ti­cas, cu­jos ele­men­tos não os­ten­tam ap­ti­dão pa­ra, em prin­cí­pio, nes­ta fa­se pro­ces­su­al de cog­ni­ção su­má­ria, de­mons­trar a plau­si­bi­li­da­de da te­se em que se fun­dam os pe­di­dos e o pe­ri­go de se dar o even­tu­al pro­vi­men­to em mo­men­to pró­prio, no exa­me apro­fun­da­do que a re­gu­lar ins­tru­ção as­se­gu­ra­rá”, ano­ta o mi­nis­tro na de­ci­são.

A par­tir da aná­li­se da de­fe­sa, o mi­nis­tro po­de dar con­ti­nui­da­de à ação, de­ter­mi­nan­do oi­ti­vas e even­tu­al co­le­ta de pro­vas, ou mes­mo aca­tar in­te­gral­men­te os ar­gu­men­tos da cam­pa­nha de Bol­so­na­ro, op­tan­do as­sim pe­lo ar­qui­va­men­to. Não há pra­zo es­ti­pu­la­do pa­ra a con­clu­são das in­ves­ti­ga­ções. Ca­so Mus­si aca­te a de­nún­cia, ca­be­rá ao ple­ná­rio do TSE jul­gar o con­jun­to pro­ba­tó­rio da acu­sa­ção.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,