Pes­qui­sa Da­ta­fo­lha di­vul­ga­da nes­ta quinta-​feira (25) mos­tra que o pre­si­den­ciá­vel Fer­nan­do Had­dad (PT), que ten­ta se apro­xi­mar do nú­me­ro de vo­tos de­cla­ra­dos pa­ra Jair Bol­so­na­ro (PSL), con­se­guiu re­du­zir em seis pon­tos a di­fe­ren­ça que os se­pa­ram na cor­ri­da pre­si­den­ci­al, em re­la­ção à pes­qui­sa da se­ma­na pas­sa­da. Bol­so­na­ro ago­ra tem 56% das pre­fe­rên­ci­as, en­quan­to o pe­tis­ta al­can­çou 44%. No le­van­ta­men­to an­te­ri­or, di­vul­ga­do há uma se­ma­na, o pla­car era de 59% a 41%, ou se­ja, uma di­fe­ren­ça de 18 pon­tos per­cen­tu­ais en­tre os dois ago­ra é de 12 pon­tos.

Fa­mí­lia Bolsonaro/​Ricardo Stuc­kert


Bolsonaro já chegou a ter 18 pontos percentuais de vantagem sobre Haddad, na pesquisa Datafolha

Se­gun­do o Da­ta­fo­lha, Bol­so­na­ro tem ago­ra 48% dos vo­tos to­tais, quan­do são con­si­de­ra­dos os bran­cos, nu­los e in­de­ci­sos, en­quan­to Had­dad ob­te­ve 38%. Nes­se que­si­to, a pes­qui­sa an­te­ri­or, o can­di­da­to do PSL ti­nha 50% dos vá­li­dos, con­tra 35% do pe­tis­ta. O ins­ti­tu­to tam­bém me­diu a re­jei­ção dos can­di­da­tos com uma per­gun­ta de três al­ter­na­ti­vas (“E en­tre es­tes can­di­da­tos a pre­si­den­te, gos­ta­ria que vo­cê me dis­ses­se se vo­ta­ria com cer­te­za, tal­vez vo­tas­se ou não vo­ta­ria de jei­to ne­nhum em”:).

Os que dis­se­ram que vo­ta­ri­am “com cer­te­za” em Bol­so­na­ro so­ma­ram 46%, en­quan­to os que res­pon­de­ram “tal­vez vo­tas­se” foi de 9%. Os que res­pon­de­ram “não vo­ta­ria de jei­to ne­nhum” che­ga­ram a 44%, en­quan­to 2% não sou­be­ram res­pon­der. Os per­cen­tu­ais do le­van­ta­men­to an­te­ri­or fo­ram, res­pec­ti­va­men­te, 48%, 10%, 41% e 1%.

Em Fer­nan­do Had­dad, 37% dos en­tre­vis­ta­dos dis­se­ram que vo­ta­ri­am “com cer­te­za”. Ou­tros 9% res­pon­de­ram que “tal­vez vo­tas­sem” no pe­tis­ta, en­quan­to 52% dis­se­ram não vo­tar “de jei­to ne­nhum” ne­le. Não sou­be­ram res­pon­der so­ma­ram 2%.

Con­tra­ta­da pe­la TV Glo­bo e pe­lo jor­nal Fo­lha de S.Paulo, a pes­qui­sa foi re­a­li­za­da en­tre on­tem (quar­ta, 24) e ho­je (quin­ta, 25). Ao to­do, fo­ram en­tre­vis­ta­dos 9.173 elei­to­res em 341 mu­ni­cí­pi­os bra­si­lei­ros. Se­gun­do o Da­ta­fo­lha, a mar­gem de er­ro do le­van­ta­men­to é de dois pon­tos per­cen­tu­ais, pa­ra mais ou pa­ra me­nos, e o ní­vel de con­fi­an­ça com ba­se nes­sa mar­gem é de 95% – trata-​se da pro­ba­bi­li­da­de de os re­sul­ta­dos re­tra­ta­rem a re­a­li­da­de.

Veja mais detalhes:

So­bre o nú­me­ro dos can­di­da­tos, o Da­ta­fo­lha per­gun­tou: “Qual nú­me­ro vo­cê vai di­gi­tar na ur­na ele­trô­ni­ca pa­ra confirmar/​anu­lar seu vo­to pa­ra pre­si­den­te?”

Jair Bol­so­na­ro
Men­ções cor­re­tas – 94%
Não sa­be o nú­me­ro do can­di­da­to – 5%
Men­ções in­cor­re­tas – 1%

Fer­nan­do Had­dad
Men­ções cor­re­tas – 93%
Não sa­be o nú­me­ro do can­di­da­to – 6%
Men­ções in­cor­re­tas – 1%

A pesquisa também quis saber dos entrevistados o grau de decisão em relação ao próprio voto:

Jair Bol­so­na­ro
Es­tá to­tal­men­te de­ci­di­do – 94%
Seu vo­to ain­da po­de mu­dar – 6%

Fer­nan­do Had­dad
Es­tá to­tal­men­te de­ci­di­do – 91%
Seu vo­to ain­da po­de mu­dar – 9%

Mudança de tendência

Al­guns ele­men­tos da cor­ri­da elei­to­ral nos úl­ti­mos di­as po­dem ter in­ter­fe­ri­do nos nú­me­ros da pes­qui­sa, em­bo­ra não ha­ja com­pro­va­ção ci­en­tí­fi­ca que os vin­cu­le ao re­sul­ta­do da con­sul­ta. En­quan­to Had­dad con­se­guiu apoi­os im­por­tan­tes nes­ta se­ma­na, co­mo o do ex-​presidente do PSDB Al­ber­to Gold­man e o dos mais de 500 ju­ris­tas do Centro-​Oeste, Bol­so­na­ro se viu às vol­tas com a de­nún­cia de cri­me elei­to­ral em cur­so no Tri­bu­nal Su­pe­ri­or Elei­to­ral (TSE) e de­ci­sões ju­di­ci­ais que im­pe­dem a con­ti­nui­da­de de di­fu­são de con­teú­do con­tra o PT, via What­sApp, e de links e pá­gi­nas de no­tí­ci­as em pla­ta­for­mas co­mo Fa­ce­bo­ok e Twit­ter.

Bol­so­na­ro tem apos­ta­do nas re­des so­ci­ais pa­ra se co­mu­ni­car com seu elei­tor, uma vez que de­sis­tiu de eb­fren­tar Had­dad em de­ba­tes te­le­vi­si­vos. Ele ne­ga ter si­do be­ne­fi­ci­a­do pe­lo es­que­ma de en­vio em mas­sa de con­teú­do via What­sApp que, se­gun­do re­por­ta­gem do jor­nal Fo­lha de S.Paulo, foi con­ce­bi­do pa­ra ata­car o pe­tis­ta e, con­se­quen­te­men­te, be­ne­fi­ci­ar o de­pu­ta­do do PSL.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,