O de­pu­ta­do fe­de­ral e ca­pi­tão re­for­ma­do do Exér­ci­to Jair Bol­so­na­ro (PSL-​RJ) re­ce­beu nes­te do­min­go (28) o aval dos elei­to­res pa­ra to­mar pos­se, em 1º de ja­nei­ro, co­mo o 38º pre­si­den­te do país. Com 100% da apu­ra­ção con­cluí­da, Bol­so­na­ro so­mou 57.796.986 vo­tos, con­tra 47.038.963 do ex-​prefeito de São Pau­lo Fer­nan­do Had­dad (PT). Em ter­mos de vo­tos vá­li­dos, os per­cen­tu­ais de ca­da um são 55,13% e 44,87%, res­pec­ti­va­men­te.

Re­pro­du­ção


Eleitores lotam os arredores da casa de Bolsonaro para comemorar a vitória sobre Haddad

Le­van­do em con­ta os vo­tos to­tais, no en­tan­to, os nú­me­ros in­di­cam que Jair Bol­so­na­ro te­ve o vo­to de me­nos de 40% dos 147,3 mi­lhões de elei­to­res ap­tos. Mais de 21% se abs­ti­ve­ram de vo­tar. Vo­tos nu­los e bran­cos so­ma­ram, res­pec­ti­va­men­te, 7,4% e 2,1%. Ape­sar dis­so, Bol­so­na­ro su­pe­rou am­pla­men­te o ad­ver­sá­rio, es­pe­ci­al­men­te nas re­giões Sul e Su­des­te. Had­dad ven­ceu so­men­te nos no­ve es­ta­dos do Nor­des­te, no Pa­rá e em To­can­tins.

Pre­si­den­te elei­to, Bol­so­na­ro leu dis­cur­so em que as­su­miu o com­pro­mis­so de cum­prir a Cons­ti­tui­ção Fe­de­ral e di­mi­nuir o ta­ma­nho do Es­ta­do. “O go­ver­no da­rá um pas­so atrás, re­du­zin­do sua es­tru­tu­ra e a bu­ro­cra­cia, cor­tan­do des­per­dí­ci­os e pri­vi­lé­gi­os pa­ra que as pes­so­as pos­sam dar mui­tos pas­sos à fren­te”, anun­ci­ou (ve­ja abai­xo a ín­te­gra do dis­cur­so em ví­deo e tex­to).

Na­que­la que foi cer­ta­men­te a mais acir­ra­da e vi­o­len­ta cam­pa­nha pre­si­den­ci­al re­a­li­za­da no Bra­sil des­de a Cons­ti­tui­ção Fe­de­ral de 1988, Jair Bol­so­na­ro al­can­çou a vi­tó­ria com o apoio de se­to­res bas­tan­te he­te­ro­gê­ne­os da so­ci­e­da­de. En­tre eles, o agro­ne­gó­cio, a mai­or par­te das igre­jas evan­gé­li­cas, o mer­ca­do fi­nan­cei­ro, mo­vi­men­tos con­tra a cor­rup­ção e in­te­gran­tes das For­ças Ar­ma­das e das po­lí­ci­as ci­vil, fe­de­ral e mi­li­tar.

Juramento a Deus

“Fi­ze­mos uma cam­pa­nha co­mo de­ve­ria ser fei­ta”, dis­se Bol­so­na­ro na noi­te des­te do­min­go (28), pou­co de­pois de con­fir­ma­da a sua vi­tó­ria. Sen­ta­do di­an­te de uma me­sa com vá­ri­os li­vros e la­de­a­do pe­la ter­cei­ra es­po­sa, Mi­che­le, e por uma tra­du­to­ra de Li­bras, ele le­van­tou uma obra do in­glês Wins­ton Chur­chill pa­ra afir­mar que vai se ins­pi­rar no “exem­plo dos es­ta­dis­tas”.

Dis­se que foi bus­car na Bí­blia os “fun­da­men­tos” de sua pre­ga­ção elei­to­ral, que têm na “ver­da­de” o seu ei­xo cen­tral. Tam­bém cri­ti­cou o “ex­tre­mis­mo da es­quer­da”. Ain­da na me­sa, um exem­plar da Cons­ti­tui­ção Fe­de­ral e uma obra do fi­ló­so­fo Ola­vo de Car­va­lho, fi­ló­so­fo de extrema-​direita co­nhe­ci­do pe­la vi­ru­lên­cia com que in­ves­te con­tra os que pen­sam di­fe­ren­te de­le.

Em se­gui­da, en­quan­to uma mul­ti­dão co­me­mo­ra­va o re­sul­ta­do da elei­ção pre­si­den­ci­al em fren­te à sua re­si­dên­cia na Bar­ra da Ti­ju­ca, na ci­da­de do Rio de Ja­nei­ro (RJ), Jair Bol­so­na­ro, a fa­mí­lia e vá­ri­os po­lí­ti­cos fi­ze­ram uma ora­ção de agra­de­ci­men­to a Deus pe­la gra­ça al­can­ça­da. O se­na­dor Mag­no Mal­ta (PR-​ES), der­ro­ta­do no úl­ti­mo dia 7 na ten­ta­ti­va de se re­e­le­ger, foi en­car­re­ga­do de fa­zer a ora­ção.

So­men­te de­pois dis­so, leu o dis­cur­so ofi­ci­al de ce­le­bra­ção da vi­tó­ria, ini­ci­a­do por um fa­mo­so en­si­na­men­to bí­bli­co (“co­nhe­ce­reis a ver­da­de e a ver­da­de vos li­ber­ta­rá”). Agra­de­ceu as ora­ções con­tra a “ame­a­ça de se­guir­mos por um ca­mi­nho que não é o que os bra­si­lei­ros de­se­jam e me­re­cem”. Pro­me­teu de­fen­der a Cons­ti­tui­ção, a de­mo­cra­cia e a li­ber­da­de. E acres­cen­tou: “Is­so é uma pro­mes­sa não de um par­ti­do, não é a pa­la­vra de ho­mem, é um ju­ra­men­to a Deus”.

Pa­ra Bol­so­na­ro, “o que ocor­reu ho­je nas ur­nas não foi a vi­tó­ria de um par­ti­do, mas a ce­le­bra­ção de um país pe­la li­ber­da­de”. Além de pro­me­ter di­mi­nui o Es­ta­do bra­si­lei­ro, res­sal­tou o com­pro­mis­so com o trinô­mio “em­pre­go, ren­da e equi­lí­brio fis­cal”: “Que­bra­re­mos o ci­clo vi­ci­o­so do cres­ci­men­to da dí­vi­da, substituindo-​o pe­lo ci­clo vir­tu­o­so de me­no­res dé­fi­cits, dí­vi­da de­cres­cen­te e ju­ros mais bai­xos. Is­so es­ti­mu­la­rá os in­ves­ti­men­tos, o cres­ci­men­to e a con­se­quen­te ge­ra­ção de em­pre­gos. O dé­fi­cit pú­bli­co pri­má­rio pre­ci­sa ser eli­mi­na­do o mais rá­pi­do pos­sí­vel e con­ver­ti­do em su­pe­rá­vit, es­se é o nos­so pro­pó­si­to”.

Dis­se ain­da que o Bra­sil re­con­quis­ta­rá o “res­pei­to in­ter­na­ci­o­nal” e se li­vra­rá do “viés ide­o­ló­gi­co” na con­du­ção da po­lí­ti­ca ex­ter­na (ve­ja abai­xo a ín­te­gra do dis­cur­so).

Rejeição ao PT

De­pu­ta­do co­nhe­ci­do por seu per­fil de extrema-​direita, Jair Bol­so­na­ro con­quis­tou a vi­tó­ria ex­plo­ran­do a re­jei­ção con­tra o par­ti­do do seu ad­ver­sá­rio. Os er­ros econô­mi­cos co­me­ti­dos pe­lo PT no po­der e, so­bre­tu­do, o en­vol­vi­men­to do ex-​presidente Lu­la e de ou­tras fi­gu­ras im­por­tan­tes do pe­tis­mo com a cor­rup­ção fo­ram in­ten­sa­men­te ex­plo­ra­dos pe­lo de­pu­ta­do.

Sua com­pe­ten­te cam­pa­nha elei­to­ral tam­bém pro­cu­rou su­a­vi­zar atos e afir­ma­ções que sem­pre o le­va­ram a ser tra­ta­do co­mo al­guém que, en­quan­to con­gres­sis­ta, era ou en­ca­ra­do co­mo uma es­pé­cie de pi­a­da de mau gos­to – que, por­tan­to, não me­re­cia ser le­va­do mui­to a sé­rio – ou co­mo um pe­ri­go­so ra­di­cal de di­rei­ta. O ca­mi­nho pa­ra o po­der foi fa­ci­li­ta­do por dois epi­só­di­os: a ine­le­gi­bi­li­da­de do ex-​presidente Lu­la, que li­de­ra­va to­das as pes­qui­sas de in­ten­ção de vo­to mes­mo pre­so des­de 7 de abril, por im­po­si­ção da Ope­ra­ção La­va Ja­to; e o aten­ta­do a fa­ca que ele so­freu em Juiz de Fo­ra (MG), em 6 de se­tem­bro, que qua­se o le­vou à mor­te e, por efei­to co­la­te­ral, aca­bou por vitimizá-​lo a des­per­tar a com­pai­xão em par­ce­la do elei­to­ra­do.

In­gre­di­en­te de­ci­si­vo de sua es­ca­la­da pa­ra o Pa­lá­cio do Pla­nal­to foi o uso das re­des so­ci­ais pa­ra a co­mu­ni­ca­ção di­re­ta com a po­pu­la­ção. Com frequên­cia as re­des dos se­gui­do­res de Bol­so­na­ro fo­ram acu­sa­das de trans­mi­tir in­for­ma­ções fal­sas – as fa­mo­sas fa­ke news – so­bre ou­tros can­di­da­tos. Mes­mo elei­to, Bol­so­na­ro res­pon­de­rá a pro­ces­so no Tri­bu­nal Su­pe­ri­or Elei­to­ral (TSE), mo­vi­do pe­lo PT, com ba­se em re­por­ta­gem do jor­nal Fo­lha de S.Paulo. Se­gun­do a ma­té­ria as­si­na­da pe­la re­pór­ter es­pe­ci­al Pa­trí­cia Cam­pos Mel­lo, o de­pu­ta­do foi be­ne­fi­ci­a­do por um es­que­ma de di­fu­são mas­si­va de men­sa­gens via What­sApp, com con­teú­do con­trá­rio a Had­dad, ban­ca­do por em­pre­sá­ri­os. A lei ve­da as do­a­ções de em­pre­sas.

Mis­ti­fi­ca­do pe­los se­gui­do­res, que sin­to­ma­ti­ca­men­te ado­ram chamá-​lo de “mi­to”, Jair Bol­so­na­ro te­ve tra­je­tó­ria mar­ca­da por po­lê­mi­cas e con­fu­sões com seus pa­res no Par­la­men­to. Foi al­vo de di­ver­sos pro­ces­sos ju­di­ci­ais por que­bra de de­co­ro par­la­men­tar. Tam­bém foi réu no Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) por in­ci­ta­ção ao cri­me de es­tu­pro e in­jú­ria.

Pro­ble­mas com a Jus­ti­ça o per­se­guem des­de que foi acu­sa­do, ain­da na dé­ca­da de 1980, de ide­a­li­zar um pla­no pa­ra ex­plo­dir bom­ba em ins­ta­la­ções mi­li­ta­res co­mo for­ma de pro­tes­tar con­tra os bai­xos sol­dos. Fi­cou pre­so por 15 di­as, mas o Su­pe­ri­or Tri­bu­nal Mi­li­tar (STM) re­for­mou de­ci­são da Co­mis­são de No­ti­fi­ca­ção, que ha­via de­li­be­ra­do por una­ni­mi­da­de pe­la sua ex­pul­são do Exér­ci­to.

Qua­se to­dos os prin­ci­pais veí­cu­los da mí­dia in­ter­na­ci­o­nal – in­cluin­do pu­bli­ca­ções con­ser­va­do­ras co­mo o fran­cês Le Fi­ga­ro, a re­vis­ta in­gle­sa The Eco­no­mist e os dois prin­ci­pais jor­nais econô­mi­cos do mun­do, The Wall Stre­et Jour­nal e Fi­nan­ci­al Ti­mes – ma­ni­fes­ta­ram pre­o­cu­pa­ções com a pos­si­bi­li­da­de de as­cen­são de Bol­so­na­ro ao po­der. Além das idei­as ex­tre­mis­tas do ca­pi­tão, tais veí­cu­los te­mem o seu tem­pe­ra­men­to ex­plo­si­vo, a sua to­tal inex­pe­ri­ên­cia ad­mi­nis­tra­ti­va e a ina­bi­li­da­de pa­ra ad­mi­nis­trar con­fli­tos.

Assista na íntegra o pronunciamento da vitória

Íntegra do discurso da vitória de Bolsonaro:

Co­nhe­ce­reis a ver­da­de e a ver­da­de os li­ber­ta­rá. Nun­ca es­ti­ve so­zi­nho, sem­pre sen­ti a pre­sen­ça de Deus e a for­ça do po­vo bra­si­lei­ro, ora­ções de ho­mens, mu­lhe­res, cri­an­ças, fa­mí­li­as in­tei­ras, que di­an­te da ame­a­ça de se­guir­mos por um ca­mi­nho que não é o que os bra­si­lei­ros de­se­jam e me­re­cem, co­lo­ca­ram o Bra­sil aci­ma de tu­do. Fa­ço de vo­cês mi­nhas tes­te­mu­nhas de que es­se go­ver­no se­rá um de­fen­sor da Cons­ti­tui­ção, da de­mo­cra­cia e da li­ber­da­de. Is­so é uma pro­mes­sa não de um par­ti­do não é a pa­la­vra de ho­mem, é um ju­ra­men­to a Deus. A ver­da­de vai li­be­rar es­se gran­de país e vai nos trans­for­mar em uma gran­de na­ção. A ver­da­de foi o fa­rol que nos gui­ou até aqui e vai se­guir ilu­mi­nan­do nos­so ca­mi­nho.

O que ocor­reu ho­je nas ur­nas não foi a vi­tó­ria de um par­ti­do, mas a ce­le­bra­ção de um país pe­la li­ber­da­de. O com­pro­mis­so que as­su­mi­mos com os bra­si­lei­ros foi de fa­zer um go­ver­no de­cen­te, com­pro­me­ti­do ex­clu­si­va­men­te com o país e o nos­so po­vo e eu ga­ran­to que as­sim o se­rá. Nos­so go­ver­no se­rá for­ma­do por pes­so­as que te­nham o mes­mo pro­pó­si­to de ca­da um que me ou­ve nes­se mo­men­to, o pro­pó­si­to de trans­for­mar o Bra­sil em uma gran­de, li­vre e prós­pe­ra na­ção.

Po­dem ter cer­te­za de que nós tra­ba­lha­re­mos dia e noi­te pa­ra is­so. Li­ber­da­de é um prin­cí­pio fun­da­men­tal. Li­ber­da­de de ir e vir, an­dar nas ru­as em to­dos os lu­ga­res des­se país, li­ber­da­de de em­pre­en­der, li­ber­da­de po­lí­ti­ca e re­li­gi­o­sa, li­ber­da­de de fa­zer, for­mar e ter opi­nião, li­ber­da­de de es­co­lhas e ser res­pei­ta­do por elas. Es­se é um país de to­dos nós, bra­si­lei­ros na­tos ou de co­ra­ção. Um Bra­sil de di­ver­sas opi­niões, co­res e ori­en­ta­ções.

Co­mo de­fen­sor da li­ber­da­de, vou gui­ar um go­ver­no que de­fen­da, pro­te­ja os di­rei­tos do ci­da­dão que cum­pre seus de­ve­res e res­pei­ta as leis. Elas são pa­ra to­dos, as­sim se­rá o nos­so go­ver­no cons­ti­tu­ci­o­nal e de­mo­crá­ti­co: acre­di­to na ca­pa­ci­da­de do po­vo bra­si­lei­ro que tra­ba­lha de for­ma ho­nes­ta, de que po­de­mos jun­tos, go­ver­no e so­ci­e­da­de, cons­truir um fu­tu­ro me­lhor. Es­se fu­tu­ro de que fa­lo e acre­di­to pas­sa por um go­ver­no que crie con­di­ções pa­ra que to­dos cres­çam. Is­so sig­ni­fi­ca que o go­ver­no da­rá um pas­so atrás, re­du­zin­do sua es­tru­tu­ra e a bu­ro­cra­cia, cor­tan­do des­per­dí­ci­os e pri­vi­lé­gi­os pa­ra que as pes­so­as pos­sam dar mui­tos pas­sos à fren­te.

Nos­so go­ver­no vai que­brar pa­ra­dig­mas, va­mos con­fi­ar nas pes­so­as, va­mos des­bu­ro­cra­ti­zar, sim­pli­fi­car, des­bu­ro­cra­ti­zar e per­mi­tir que o ci­da­dão, o em­pre­en­de­dor, te­nha me­nos di­fi­cul­da­des pa­ra cri­ar e cons­truir o seu fu­tu­ro. Va­mos de­sa­mar­rar o Bra­sil.

Ou­tro pa­ra­dig­ma que va­mos que­brar: o go­ver­no res­pei­ta­rá de ver­da­de a fe­de­ra­ção, as pes­so­as vi­vem nos mu­ni­cí­pi­os, por­tan­to os re­cur­sos irão pa­ra os es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os. co­lo­ca­re­mos de pé a fe­de­ra­ção bra­si­lei­ra. Nes­se sen­ti­do, re­pe­ti­mos que pre­ci­sa­mos de mais Bra­sil e me­nos Bra­sí­lia. Mui­to do que es­ta­mos fun­dan­do no pre­sen­te tra­rá con­quis­tas no fu­tu­ro. As se­men­tes se­rão lan­ça­das e re­ga­das pa­ra que a pros­pe­ri­da­de se­ja o de­síg­nio dos bra­si­lei­ros do pre­sen­te e do fu­tu­ro.

Es­se não se­rá um go­ver­no de res­pos­ta ape­nas às ne­ces­si­da­des ime­di­a­tas, as re­for­mas que nos pro­po­mos são pa­ra cri­ar um no­vo fu­tu­ro pa­ra os bra­si­lei­ros. E quan­do di­go is­so fa­lo com uma mão vol­ta­da ao se­rin­guei­ro no co­ra­ção da sel­va amazô­ni­ca e a ou­tra pa­ra o em­pre­en­de­dor su­an­do pa­ra cri­ar e de­sen­vol­ver sua em­pre­sa. Por­que não exis­tem bra­si­lei­ros do sul e do nor­te, so­mos to­dos um só país, uma só na­ção, uma na­ção de­mo­crá­ti­ca.

O Es­ta­do de­mo­crá­ti­co de di­rei­to tem co­mo um dos seus pi­la­res o di­rei­to à pro­pri­e­da­de. Re­a­fir­ma­mos aqui o res­pei­to e a de­fe­sa des­se prin­cí­pio cons­ti­tu­ci­o­nal e fun­da­dor das prin­ci­pais na­ções de­mo­crá­ti­cas do mun­do. Em­pre­go, ren­da e equi­lí­brio fis­cal é o nos­so com­pro­mis­so pa­ra fi­car­mos mais pró­xi­mos de opor­tu­ni­da­des e tra­ba­lho pa­ra to­dos.

Que­bra­re­mos o ci­clo vi­ci­o­so do cres­ci­men­to da dí­vi­da, substituindo-​o pe­lo ci­clo vir­tu­o­so de me­no­res dé­fi­cits, dí­vi­da de­cres­cen­te e ju­ros mais bai­xos. Is­so es­ti­mu­la­rá os in­ves­ti­men­tos, o cres­ci­men­to e a con­se­quen­te ge­ra­ção de em­pre­gos. O dé­fi­cit pú­bli­co pri­má­rio pre­ci­sa ser eli­mi­na­do o mais rá­pi­do pos­sí­vel e con­ver­ti­do em su­pe­rá­vit, es­se é o nos­so pro­pó­si­to.

Aos jo­vens, pa­la­vra do fun­do do meu co­ra­ção: vo­cês têm vi­vi­do um pe­río­do de in­cer­te­za e es­tag­na­ção econô­mi­ca, vo­cês fo­ram e es­tão sen­do tes­ta­dos a pro­var sua ca­pa­ci­da­de de re­sis­tir. Pro­me­to que is­so vai mu­dar, es­sa é a nos­sa mis­são. Go­ver­na­re­mos com os olhos nas fu­tu­ras ge­ra­ções e não na pró­xi­ma elei­ção.

Li­ber­ta­re­mos o Bra­sil e o Ita­ma­raty das re­la­ções in­ter­na­ci­o­nais com viés ide­o­ló­gi­co a que fo­mos sub­me­ti­dos nos úl­ti­mos anos. O Bra­sil dei­xa­rá de es­tar apar­ta­do das na­ções mais de­sen­vol­vi­das, bus­ca­re­mos re­la­ções bi­la­te­rais com paí­ses que pos­sam agre­gar va­lor econô­mi­co e tec­no­ló­gi­co aos pro­du­tos bra­si­lei­ros. Re­cu­pe­ra­re­mos o res­pei­to in­ter­na­ci­o­nal pe­lo nos­so ama­do Bra­sil.

Du­ran­te a nos­sa ca­mi­nha­da de qua­tro anos pe­lo Bra­sil, uma fra­se se re­pe­tiu mui­tas ve­zes: ‘Bol­so­na­ro, vo­cê é a nos­sa es­pe­ran­ça’. Ca­da abra­ço, ca­da aper­to de mão, ca­da pa­la­vra ou ma­ni­fes­ta­ção de es­tí­mu­lo que re­ce­be­mos nes­sa ca­mi­nha­da for­ta­le­ce­ram o nos­so pro­pó­si­to de co­lo­car o Bra­sil no lu­gar que me­re­ce.

Nes­se pro­je­to que cons­truí­mos ca­bem to­dos aque­les que têm o mes­mo ob­je­ti­vo que o nos­so. Mes­mo no mo­men­to mais di­fí­cil des­sa ca­mi­nha­da, quan­do, por obra de Deus e da equi­pe mé­di­ca de Juiz de Fo­ra e do Al­bert Eins­tein, ga­nhei uma nos­sa cer­ti­dão de nas­ci­men­to, não per­de­mos a con­vic­ção de que jun­tos po­de­ría­mos che­gar à vi­tó­ria.

É com es­sa mes­ma con­vic­ção que afir­mo: ofe­re­ce­re­mos a vo­cês um go­ver­no de­cen­te, que tra­ba­lha­rá ver­da­dei­ra­men­te por to­dos os bra­si­lei­ros. So­mos um gran­de país e ago­ra va­mos, jun­tos, trans­for­mar es­se país em uma gran­de na­ção, uma na­ção li­vre, de­mo­crá­ti­ca e prós­pe­ra. Bra­sil aci­ma de tu­do e Deus aci­ma de to­dos.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,