Con­fir­ma­do nas pas­tas da Jus­ti­ça e da Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca, o fu­tu­ro su­per­mi­nis­tro Sér­gio Mo­ro con­ce­deu en­tre­vis­ta na tar­de de ho­je (6) em Cu­ri­ti­ba pa­ra fa­lar so­bre a de­ci­são de lar­gar a ma­gis­tra­tu­ra e o co­man­do da Ope­ra­ção La­va Ja­to, na 13ª Va­ra Fe­de­ral de Cu­ri­ti­ba, e ir pa­ra o go­ver­no do pre­si­den­te elei­to Jair Bol­so­na­ro (PSL).

Re­pro­du­ção


“Não posso pautar a minha vida com base na fantasia de um álibi falso de perseguição política”, diz Moro.

Du­ran­te a en­tre­vis­ta (ví­deo abai­xo), Mo­ro dis­se que o pro­ces­so do ex-​presidente Lu­la não te­ve qual­quer re­la­ção com a sua de­ci­são de ir pa­ra o go­ver­no. O juiz re­ce­beu mui­tas crí­ti­cas por ter acei­ta­do o con­vi­te de Bol­so­na­ro na úl­ti­ma quinta-​feira (1).

“Não pos­so pau­tar a mi­nha vi­da com ba­se na fan­ta­sia de um áli­bi fal­so de per­se­gui­ção po­lí­ti­ca”, dis­se Mo­ro.

O fu­tu­ro mi­nis­tro dis­se ain­da que “não exis­te a me­nor chan­ce de uti­li­za­ção do mi­nis­té­rio pa­ra per­se­gui­ção po­lí­ti­ca. Não foi fei­to is­so du­ran­te a La­va Ja­to”.

Se­gun­do o juiz, Lu­la foi pre­so por­que co­me­teu um cri­me e foi jul­ga­do por is­so. “O que hou­ve aqui é uma pes­soa que la­men­ta­vel­men­te co­me­teu um cri­me, es­se cri­me foi in­ves­ti­ga­do, pro­va­do e ela res­pon­de na jus­ti­ça por es­se cri­me”.

Veja a entrevista:

On­tem (se­gun­da, 5), a de­fe­sa de Lu­la en­trou com um pe­di­do de sol­tu­ra do ex-​presidente no Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), usan­do co­mo ba­se o fa­to de Mo­ro ter acei­ta­do o con­vi­te pa­ra ser mi­nis­tro da Jus­ti­ça. De acor­do com a de­fe­sa, Mo­ro foi par­ci­al ao lon­go da aná­li­se do pro­ces­so do tri­plex, que con­de­nou Lu­la a 12 anos de pri­são.

Ao acei­tar o con­vi­te do pre­si­den­te elei­to, po­rém, Mo­ro so­freu crí­ti­cas por par­te de ju­ris­tas e da so­ci­e­da­de ci­vil, prin­ci­pal­men­te por dar mu­ni­ções ao dis­cur­so de que su­as de­ci­sões fo­ram to­ma­das com ou­tras mo­ti­va­ções. Ele é cri­ti­ca­do, por exem­plo, por ter que­bra­do o si­gi­lo da de­la­ção de An­to­nio Pa­loc­ci, ex-​ministro da Fa­zen­da de Lu­la, uma se­ma­na an­tes do pri­mei­ro tur­no.

Convite

Mo­ro dis­se que o fu­tu­ro mi­nis­tro da Eco­no­mia Pau­lo Gue­des li­gou pa­ra ele no dia 23 de ou­tu­bro, uma se­ma­na an­tes do se­gun­do tur­no das elei­ções, pa­ra son­dar seu in­te­res­se em com­por o fu­tu­ro go­ver­no, em ca­so de vi­tó­ria do can­di­da­to do PSL. Se­gun­do o juiz, ele foi “sur­pre­en­di­do” pe­lo con­vi­te pa­ra co­man­dar o mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça.

Combate à corrupção

O fu­tu­ro mi­nis­tro dis­se que o Bra­sil ti­nha uma tra­di­ção de im­pu­ni­da­de, que vem sen­do que­bra­da gra­ças à Ope­ra­ção La­va Ja­to. Ao acei­tar o con­vi­te de Bol­so­na­ro, Mo­ro dis­se que quer im­plan­tar no go­ver­no fe­de­ral uma “for­te agen­da an­ti­cor­rup­ção” e que vai apro­vei­tar as 10 me­di­das con­tra cor­rup­ção, en­ca­mi­nha­das pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co.

“A ideia é apre­sen­tar uma sé­rie de pro­pos­tas le­gis­la­ti­vas pa­ra apri­mo­rar o qua­dro le­gal con­tra a cor­rup­ção e o cri­me or­ga­ni­za­do.”

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,