O se­na­dor Ro­ber­to Re­quião (MDB-​PR) apre­sen­tou à Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção e Jus­ti­ça (CCJ) do Se­na­do um pro­je­to que adi­ci­o­na, na lei que de­fi­ne o cri­me de or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa, a hi­pó­te­se de per­dão ju­di­ci­al a quem pe­de des­cul­pas. A pro­pos­ta (leia a ín­te­gra) é uma pro­vo­ca­ção ao juiz Ser­gio Mo­ro, con­vi­da­do pa­ra ser mi­nis­tro da Jus­ti­ça no go­ver­no de Jair Bol­so­na­ro (PSL).

Lu­la Marques/​AGPT


Projeto de Requião prevê alteração em lei para que perdão judicial possa ser concedido caso réu “demonstre arrependimento, confesse a prática do crime e apresente pedido público de perdão e de dispensa da pena”

Du­ran­te a pri­mei­ra en­tre­vis­ta co­le­ti­va após acei­tar o con­vi­te pa­ra ser mi­nis­tro, Mo­ro afir­mou que tem “gran­de ad­mi­ra­ção” por seu fu­tu­ro co­le­ga de Es­pla­na­da, o fu­tu­ro che­fe da Ca­sa Ci­vil, Onyx Lo­ren­zo­ni, lem­bran­do da atu­a­ção do de­pu­ta­do, re­e­lei­to pe­lo DEM do Rio Gran­de do Sul, co­mo re­la­tor do pro­je­to de lei que fi­cou co­nhe­ci­do co­mo “dez me­di­das con­tra a cor­rup­ção”. Onyx ad­mi­tiu, no ano pas­sa­do, ter re­ce­bi­do di­nhei­ro da em­pre­sa JBS via cai­xa dois pa­ra pa­gar con­tas de sua cam­pa­nha.

Se­gun­do o tex­to do pro­je­to de Re­quião, a lei 12.850/2013 pas­sa­ria a vi­go­rar com um ar­ti­go pre­ven­do que, a cri­té­rio do juiz, um per­dão ju­di­ci­al po­de ser con­ce­di­do em ca­so de cri­mes elei­to­rais, con­tra a ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca ou o sis­te­ma fi­nan­cei­ro na­ci­o­nal se o réu aten­der a três con­di­ções: “de­mons­tre ar­re­pen­di­men­to; con­fes­se a prá­ti­ca do cri­me; e apre­sen­te pe­di­do pú­bli­co de per­dão e de dis­pen­sa da pe­na”.

Re­quião com­ple­ta a pro­pos­ta com o pa­rá­gra­fo que pre­vê que, ca­so o réu se­ja no­me­a­do mi­nis­tro de es­ta­do, “o juí­zo do fei­to cri­mi­nal de­ter­mi­na­rá de ofí­cio o per­dão ju­di­ci­al”.

Na jus­ti­fi­ca­ti­va do pro­je­to, o se­na­dor afir­ma que, des­de 2014, Mo­ro fa­la so­bre o “ele­va­do po­ten­ci­al ofen­si­vo” do cai­xa dois, mas que, ao de­fen­der Onyx, fez “mais uma de su­as ino­va­do­ras in­ter­pre­ta­ções ex­ten­si­vas e he­te­ro­do­xas do di­rei­to”.

Iro­ni­zan­do, Re­quião pros­se­gue na jus­ti­fi­ca­ti­va, afir­man­do que o per­dão po­de ser es­ten­di­do a ou­tros fu­tu­ros co­le­gas de Es­pla­na­da. “Creio, ain­da, que as mes­mas van­ta­gens, pri­vi­lé­gi­os e prer­ro­ga­ti­vas ao per­dão de­vem ser es­ten­di­das aos cri­mes con­tra a ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca e con­tra o sis­te­ma fi­nan­cei­ro. E por quê? A ra­zão é sim­ples: pa­ra po­der es­ten­der o per­dão a Pau­lo Gue­des, fu­tu­ro mi­nis­tro da fa­zen­da”, com­ple­ta Re­quião, em alu­são à in­ves­ti­ga­ção con­tra Pau­lo Gue­des na ope­ra­ção Gre­en­fi­eld, aber­ta a pe­di­do do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral (MPF).

Onyx Lo­ren­zo­ni, ape­sar de ter con­fes­sa­do que usou di­nhei­ro da JBS que não foi de­cla­ra­do à Jus­ti­ça Elei­to­ral pa­ra pa­gar con­tas de cam­pa­nha, não é al­vo de pro­ce­di­men­tos aber­tos no Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF).

Ele era in­ves­ti­ga­do em um inqué­ri­to, que te­ve ar­qui­va­men­to de­ter­mi­na­do pe­lo mi­nis­tro Luiz Fux em ju­nho des­te ano. Lo­ren­zo­ni era in­ves­ti­ga­do por su­pos­ta do­a­ção da Ode­bre­cht, via cai­xa dois, du­ran­te a cam­pa­nha de 2006.

Quan­do ad­mi­tiu ter re­ce­bi­do di­nhei­ro da JBS, Lo­ren­zo­ni res­sal­tou que ja­mais re­ce­beu re­cur­sos da Ode­bre­cht e que o re­cur­so da JBS não vi­sa­va con­tra­par­ti­da, mas ape­nas o pa­ga­men­to de su­as con­tas de cam­pa­nha. “Não re­ce­bi di­nhei­ro da Ode­bre­cht. Aque­le di­nhei­ro é uma ten­ta­ti­va de ar­ma­ção e in­ti­mi­da­ção. Aque­le di­nhei­ro não re­ce­bi e vou pro­var que não re­ce­bi”, de­cla­rou à épo­ca.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,