O pre­si­den­te elei­to Jair Bol­so­na­ro afir­mou que, se fos­se o pre­si­den­te Mi­chel Te­mer, ve­ta­ria o re­a­jus­te de 16% so­bre o sa­lá­rio dos ma­gis­tra­dos e da Procuradoria-​Geral da Re­pú­bli­ca com ba­se na Lei de Res­pon­sa­bi­li­da­de Fis­cal (LRF). A afir­ma­ção foi fei­ta ho­je (10) em en­tre­vis­ta à Re­de Re­cord de Te­le­vi­são e a gra­va­ção foi pu­bli­ca­da nas re­des so­ci­ais de Bol­so­na­ro. Ques­ti­o­na­do pe­lo re­pór­ter, o fu­tu­ro pre­si­den­te dis­se que, se a de­ci­são es­ti­ves­se em su­as mãos, ve­ta­ria o au­men­to.

Reprodução/​Youtube


STF "é a classe que mais ganha no Brasil, a melhor aquinhoada", disse o presidente eleito

“Ago­ra, es­tá nas mãos do pre­si­den­te Te­mer, não sou o pre­si­den­te Te­mer, mas se fos­se, acho que vo­cê sa­be qual se­ria mi­nha de­ci­são. Não tem ou­tro ca­mi­nho, no meu en­ten­der, até pe­la ques­tão de dar exem­plo. Eu fa­lei an­tes da vo­ta­ção que é ino­por­tu­no, o mo­men­to não é es­se pa­ra dis­cu­tir es­se as­sun­to. O Bra­sil es­tá nu­ma si­tu­a­ção com­pli­ca­dís­si­ma, a gen­te não su­por­ta mais is­so aí, mas a de­ci­são não ca­be a mim. Es­tá nas mãos do Te­mer. Eu, por en­quan­to, sou ape­nas o pre­si­den­te elei­to”, dis­se.

Veja a entrevista em vídeo:

O presidente eleito Jair Bolsonaro disse que, se fosse o presidente Temer, vetaria o reajuste dos magistrados e da Procuradoria-Geral da República

Jair Bol­so­na­ro vol­tou a di­zer que o STF “é a clas­se que mais ga­nha no Bra­sil, a me­lhor aqui­nho­a­da”, e que o re­a­jus­te do sa­lá­rio di­fi­cul­ta o dis­cur­so a fa­vor da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia. “E com­pli­ca pra gen­te quan­do vo­cê fa­la em re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, on­de vo­cê vai ti­rar al­gu­ma coi­sa dos mais po­bres, vo­cê acei­tar um re­a­jus­te co­mo es­se”, afir­mou.

O pre­si­den­te elei­to des­car­tou que o Con­gres­so vo­te es­se ano uma emen­da cons­ti­tu­ci­o­nal pa­ra al­te­rar a Pre­vi­dên­cia, o que de­man­da­ria a sus­pen­são da in­ter­ven­ção fe­de­ral na se­gu­ran­ça pú­bli­ca do Rio de Ja­nei­ro.

Bol­so­na­ro ne­gou que vá usar a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia apre­sen­ta­da por Te­mer e res­sal­tou que re­ce­beu pro­pos­tas de mu­dan­ças na le­gis­la­ção in­fra­cons­ti­tu­ci­o­nal que já tra­mi­tam no Con­gres­so, mas que só de­ve apre­sen­tar uma pro­pos­ta quan­do as­su­mir o man­da­to.

“Se nós ban­car­mos uma pro­pos­ta des­sa e for­mos der­ro­ta­dos [es­te ano], vo­cê abre opor­tu­ni­da­de pa­ra a ve­lha po­lí­ti­ca vir pra ci­ma de nós. (…) Eu te­nho que co­me­çar o ano que vem com a nos­sa pro­pos­ta e con­ven­cer os de­pu­ta­dos e se­na­do­res a vo­tar a nos­sa pro­pos­ta. E tem que ser de for­ma pau­la­ti­na, não po­de que­rer re­sol­ver de uma ho­ra pa­ra ou­tra es­sas ques­tões”, dis­se.

Em ou­tro mo­men­to da en­tre­vis­ta, o pre­si­den­te elei­to dis­se que mu­dan­ças nas re­gras da apo­sen­ta­do­ria de­vem res­pei­tar os di­rei­tos ad­qui­ri­dos dos tra­ba­lha­do­res.

“Nós te­mos com­pro­mis­so, te­mos con­tra­to, as pes­so­as co­me­ça­ram a tra­ba­lhar lá atrás, ou já tra­ba­lha­ram, ti­nham um con­tra­to, e vo­cê tem que cumpri-​los, do con­trá­rio vo­cê per­de a sua cre­di­bi­li­da­de”, afir­mou.

So­bre a ques­tão fis­cal, afir­mou que ori­en­tou sua equi­pe econô­mi­ca pa­ra au­men­tar a ar­re­ca­da­ção sem ele­var im­pos­tos. Dis­se, ain­da, que vai bus­car mai­or aber­tu­ra co­mer­ci­al pa­ra o país co­mo for­ma de es­ti­mu­lar a eco­no­mia.

“A si­tu­a­ção é crí­ti­ca. Eu ape­lo a to­dos. Nós não que­re­mos que o Bra­sil se trans­for­me nu­ma Gré­cia [que en­fren­tou re­cen­te­men­te gra­ve cri­se econô­mi­ca]. E a ten­dên­cia, se na­da for fei­to, e não ti­ver­mos a co­la­bo­ra­ção de to­dos, sem ex­ce­ção, nós che­ga­re­mos a es­se pon­to”, afir­mou.

Balanço da transição

Na en­tre­vis­ta, o pre­si­den­te elei­to fez um ba­lan­ço dos pri­mei­ros di­as de tran­si­ção de go­ver­no e as vi­si­tas ins­ti­tu­ci­o­nais que re­a­li­zou na úl­ti­ma se­ma­na, co­mo o en­con­tro com o pre­si­den­te Te­mer, co­man­dan­tes mi­li­ta­res, o pre­si­den­te do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral, Di­as Tof­fo­li e uma so­le­ni­da­de no Con­gres­so Na­ci­o­nal, além da vi­si­ta na qual re­ce­beu em­bai­xa­do­res de vá­ri­os paí­ses.

Ao co­men­tar a in­di­ca­ção da de­pu­ta­da fe­de­ral Te­re­za Cris­ti­na (DEM-​MS) pa­ra o Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra, ele ob­ser­vou o fa­to de aten­der uma de­man­da da ban­ca­da do se­tor no Con­gres­so Na­ci­o­nal.

“Pe­la pri­mei­ra vez na his­tó­ria da Câ­ma­ra, ti­ve­mos uma mi­nis­tra in­di­ca­da pe­los par­la­men­ta­res do agro­ne­gó­cio e da agri­cul­tu­ra fa­mi­li­ar. Ge­ral­men­te, aque­le mi­nis­té­rio fi­ca­va com um par­ti­do e aten­dia ape­nas os seus fi­li­a­dos”, fi­na­li­zou.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,