Na con­tra­mão do pro­je­to es­co­la sem par­ti­do, o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral (MPF) na Pa­raí­ba, o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co do Tra­ba­lho (MPT), a De­fen­so­ria Pú­bli­ca da União (DPU), a De­fen­so­ria Pú­bli­ca da Pa­raí­ba e a Or­dem dos Ad­vo­ga­dos do Bra­sil – Sec­ci­o­nal Pa­raí­ba (OAB-​PB) for­mu­la­ram re­co­men­da­ção pa­ra que ins­ti­tui­ções de en­si­no es­ti­mu­lem o de­ba­te de idei­as em sa­la de au­la, tan­to em es­co­las quan­to em uni­ver­si­da­des pa­rai­ba­nas. A ideia é o res­pei­to ao plu­ra­lis­mo de idei­as e a pre­ser­va­ção da li­ber­da­de de ex­pres­são.

Agên­cia Bra­sil


Universidades públicas e privadas viraram palco de manifestações de norte a sul do Brasil, como mostra o registro na Universidade Federal do Rio de Janeiro

A re­co­men­da­ção foi mo­ti­va­da por de­nún­cia re­ce­bi­da pe­la Pro­cu­ra­do­ria Re­gi­o­nal dos Di­rei­tos do Ci­da­dão, ór­gão do MPF. Se­gun­do a as­ses­so­ria do MPF pa­rai­ba­no, tam­bém pe­sou na de­ci­são da re­co­men­da­ção re­cen­tes “afron­tas às ga­ran­ti­as pre­vis­tas na Cons­ti­tui­ção Fe­de­ral, no­ta­da­men­te à li­ber­da­de de ma­ni­fes­ta­ção do pen­sa­men­to e à li­ber­da­de de cá­te­dra, de­cor­ren­te ca­sos de agres­são e as­sé­dio mo­ral aos pro­fes­so­res pa­rai­ba­nos”. Tais epi­só­di­os fo­ram de­nun­ci­a­dos ao Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral.

Com a ini­ci­a­ti­va, as en­ti­da­des vi­sam as­se­gu­rar que es­co­las e uni­ver­si­da­des não in­ter­fi­ram na li­ber­da­de de cá­te­dra dos pro­fes­so­res e pes­qui­sa­do­res, ou­tro pre­cei­to cons­ti­tu­ci­o­nal. A par­tir da re­co­men­da­ção, as ins­ti­tui­ções de en­si­no de­vem pro­mo­ver me­di­das con­tra qual­quer for­ma de as­sé­dio mo­ral con­tra o cor­po do­cen­te, se­ja por par­te de ser­vi­do­res, es­tu­dan­tes, fa­mi­li­a­res ou res­pon­sá­veis e até dos pró­pri­os pro­fes­so­res.

En­tre as me­di­das a se­rem im­ple­men­ta­das es­tão a ado­ção de pro­gra­mas de pre­ven­ção ao as­sé­dio mo­ral e a re­a­li­za­ção de de­ba­tes e dis­cus­sões com pro­fes­so­res, alu­nos e co­mu­ni­da­de es­co­lar so­bre dis­po­si­ti­vos cons­ti­tu­ci­o­nais (ar­ti­go 205 e se­guin­tes), prin­ci­pal­men­te so­bre a im­por­tân­cia do plu­ra­lis­mo de idei­as, de con­cep­ções pe­da­gó­gi­cas e de li­ber­da­de de ma­ni­fes­ta­ção.

Tam­bém é re­co­men­da­do que es­co­las e uni­ver­si­da­des exi­bam car­ta­zes em qua­dros de avi­so e de­em pu­bli­ci­da­de ao Ob­ser­va­tó­rio de Vi­o­lên­cia por In­to­le­rân­cia, en­ti­da­de multi-​institucional cri­a­da pa­ra re­ce­ber e pro­mo­ver res­pos­ta con­tra ca­sos de LGB­TI­fo­bia, ra­cis­mo, vi­o­lên­cia con­tra a mu­lher e de­mais ofen­sas mo­ti­va­das por fun­da­men­ta­ção po­lí­ti­ca e/​ou in­to­le­rân­cia à di­ver­si­da­de, à li­ber­da­de de cá­te­dra ou pen­sa­men­to, bem co­mo con­tra a vi­o­lên­cia po­li­ci­al de­cor­ren­te de mo­ti­va­ção po­lí­ti­ca.

O des­cum­pri­men­to da re­co­men­da­ção re­sul­ta­rá na ado­ção de “me­di­das ca­bí­veis e ne­ces­sá­ri­as pa­ra que não ha­ja qual­quer for­ma de as­sé­dio mo­ral”, com pos­si­bi­li­da­de de pu­ni­ção na for­ma da lei. “Os ór­gãos re­co­men­dan­tes ain­da con­si­de­ram que a ten­ta­ti­va de im­pe­dir a abor­da­gem, a aná­li­se, a dis­cus­são ou o de­ba­te acer­ca de quais­quer con­cep­ções fi­lo­só­fi­cas, po­lí­ti­cas, re­li­gi­o­sas, ou mes­mo pe­da­gó­gi­cas (que não se con­fun­dem com pro­pa­gan­da político-​partidária), des­de que não con­fi­gu­rem con­du­tas ilí­ci­tas ou efe­ti­va in­ci­ta­ção ou apo­lo­gia a prá­ti­cas ile­gais, re­pre­sen­ta fla­gran­te vi­o­la­ção aos prin­cí­pi­os e nor­mas in­ter­na­ci­o­nais e cons­ti­tu­ci­o­nais”, acres­cen­ta a as­ses­so­ria do MPF-​PB.

Resposta

A re­co­men­da­ção vem na es­tei­ra da de­ci­são do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), unâ­ni­me, to­ma­da em 31 de ou­tu­bro a res­pei­to de in­ter­fe­rên­ci­as ju­di­ci­ais e po­li­ci­ais no am­bi­en­te aca­dê­mi­co. Os mi­nis­tros do STF con­fir­ma­ram a li­mi­nar que sus­pen­deu ações po­li­ci­ais em es­co­las de en­si­no su­pe­ri­or às vés­pe­ras do se­gun­do tur­no da elei­ção, em 28 de ou­tu­bro.

Da la­vra da mi­nis­tra Cár­men Lú­cia, a de­ci­são pre­li­mi­nar, ex­pe­di­da no sá­ba­do vés­pe­ra da vo­ta­ção (27), foi uma re­a­ção às de­ci­sões da Jus­ti­ça elei­to­ral que per­mi­ti­ram a for­ças de se­gu­ran­ça coi­bir ma­ni­fes­ta­ções de viés con­si­de­ra­do par­ti­dá­rio. Em al­guns ca­sos, os atos ti­nham na­tu­re­za político-​ideológica, sem in­fra­ção à le­gis­la­ção elei­to­ral.

Co­mo es­te si­te mos­trou no fi­nal de se­tem­bro, a pre­tex­to de fis­ca­li­za­ção elei­to­ral nas uni­ver­si­da­des pú­bli­cas, as ações po­li­ci­ais aca­ba­ram por con­fi­gu­rar cen­su­ra e aten­ta­do à li­ber­da­de de cá­te­dra, se­gun­do as­so­ci­a­ções de pro­fes­so­res Bra­sil afo­ra. Em cum­pri­men­to às de­ter­mi­na­ções da Jus­ti­ça elei­to­ral, po­li­ci­ais e se­gu­ran­ças das pró­pri­as uni­ver­si­da­des re­co­lhe­ram pan­fle­tos, ma­ni­fes­tos e ou­tros ma­te­ri­ais con­fec­ci­o­na­dos pe­la co­mu­ni­da­de aca­dê­mi­ca, que re­cla­ma de ame­a­ça à li­ber­da­de de ex­pres­são. Hou­ve ca­sos de fal­sos agen­tes re­a­li­zan­do ope­ra­ções con­tra a li­vre ma­ni­fes­ta­ção.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

, ,