O can­di­da­to do PT nas elei­ções des­te ano, Fer­nan­do Had­dad, tornou-​se réu por cor­rup­ção pas­si­va e la­va­gem de di­nhei­ro nes­ta segunda-​feira (19) em in­ves­ti­ga­ção re­la­ti­va à cam­pa­nha pa­ra pre­fei­to de São Pau­lo, em 2012, da qual saiu ven­ce­dor. O pe­tis­ta pas­sou à con­di­ção de réu de­pois que o juiz Le­o­nar­do Bar­rei­ros, da 5ª Va­ra Cri­mi­nal da Bar­ra Fun­da (SP), acei­tou os ter­mos da de­nún­cia fei­ta pe­lo pro­mo­tor do Gru­po Es­pe­ci­al de De­li­tos Econô­mi­cos (Ge­dec) Mar­ce­lo Men­dro­ni.

Ri­car­do Stuc­kert


Fernando Haddad, candidato do PT à presidência nas eleições 2018, tornou-se réu por corrupção passiva e lavagem de dinheiro

Além do pe­tis­ta, ou­tros cin­co in­ves­ti­ga­dos (lis­ta abai­xo) se tor­na­ram réus na mes­ma ação, en­tre eles o ex-​tesoureiro do PT João Vac­ca­ri Ne­to e o do­lei­ro Al­ber­to Yous­sef, um dos prin­ci­pais de­la­to­res da Ope­ra­ção La­va Ja­to – a de­nún­cia do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co con­tra Had­dad, aliás, te­ve iní­cio a par­tir de de­la­ções do pe­tro­lão. Eles res­pon­de­rão por cor­rup­ção e la­va­gem de di­nhei­ro. Já a te­se de for­ma­ção de qua­dri­lha, tam­bém apon­ta­da pe­los pro­mo­to­res, foi re­jei­ta­da pe­la Jus­ti­ça.

A de­nún­cia re­la­ta que en­tre abril e maio de 2013 Vac­ca­ri pe­diu ao em­prei­tei­ro Ri­car­do Ri­bei­ro Pes­soa, en­tão pre­si­den­te da em­prei­tei­ra UTC En­ge­nha­ria S/​A, o re­pas­se de R$ 3 mi­lhões. Tal va­lor se­ria usa­do pa­ra qui­tar dí­vi­da de cam­pa­nha do en­tão pre­fei­to de São Pau­lo recém-​eleito.

A dí­vi­da, con­ti­nua a de­nún­cia, ha­via si­do con­traí­da com uma grá­fi­ca do ex-​deputado es­ta­du­al do PT Fran­cis­co Car­los de Sou­za, co­nhe­ci­do co­mo Chi­cão. Ca­be­ria a Vac­ca­ri à fun­ção de re­pre­sen­tan­te de Had­dad no es­que­ma, se­gun­do o MP.

Had­dad tem di­to que ja­mais co­me­teu ir­re­gu­la­ri­da­des co­mo ges­tor pú­bli­co. Se­gun­do o ex-​prefeito, a de­nún­cia tem co­mo ba­se uma de­la­ção de al­guém que te­ve “in­te­res­ses con­tra­ri­a­dos”.

“Com o mes­mo de­poi­men­to, so­bre os mes­mos fa­tos, de um de­la­tor cu­ja nar­ra­ti­va já foi afas­ta­da pe­lo STF [Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral], o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co fez uma de­nún­cia de cai­xa 2, uma de­nún­cia de cor­rup­ção e uma de im­pro­bi­da­de. To­das sem pro­vas, fin­ca­das ape­nas na des­gas­ta­da pa­la­vra de Ri­car­do Pes­soa, que te­ve seus in­te­res­ses con­tra­ri­a­dos pe­lo en­tão pre­fei­to Fer­nan­do Had­dad. Trata-​se de abu­so que se­rá le­va­do aos tri­bu­nais”, diz no­ta di­vul­ga­da pe­lo pe­tis­ta.

Agenda

A de­nún­cia diz ain­da que Ri­car­do Pes­soa e Fer­nan­do Had­dad se reu­ni­ram mais de uma vez du­ran­te a cam­pa­nha elei­to­ral de 2012. Da agen­da do pe­tis­ta, já co­mo pre­fei­to, cons­ta que ele re­ce­beu o em­prei­tei­ro pes­so­al­men­te, em 28 de fe­ve­rei­ro de 2013. Uma con­ta­bi­li­da­de pa­ra­le­la de cam­pa­nha era man­ti­da en­tre Vac­ca­ri e Ri­car­do Pes­soa, a tí­tu­lo de pro­pi­na co­mo con­tra­par­ti­da por con­tra­tos da UTC En­ge­nha­ria com a Pe­tro­bras. A dí­vi­da al­can­çou R$ 15 mi­lhões, sem­pre se­gun­do a de­nún­cia.

“Ocor­re que a so­li­ci­ta­ção de R$ 3 mi­lhões te­ria si­do aten­di­da. Sen­do as­sim, Ri­car­do Pes­soa a pro­me­teu e ofe­re­ceu di­re­ta­men­te pa­ra João Vac­ca­ri Ne­to, e in­di­re­ta­men­te pa­ra Fer­nan­do Had­dad. Na sequên­cia, e de mo­do a vi­a­bi­li­zar o pa­ga­men­to, Ri­car­do Pes­soa e João Vac­ca­ri Ne­to tro­ca­ram in­for­ma­ções a res­pei­to dos nú­me­ros de te­le­fo­ne dos seus pre­pos­tos”, acres­cen­ta o MP.

Os réus:

Fer­nan­do Had­dad – cor­rup­ção pas­si­va e la­va­gem de di­nhei­ro
João Vac­ca­ri Ne­to – cor­rup­ção pas­si­va e la­va­gem de di­nhei­ro
Fran­cis­co Car­los de Sou­za – cor­rup­ção pas­si­va e la­va­gem de di­nhei­ro
Ri­car­do Pes­soa – cor­rup­ção ati­va
Wal­mir Pi­nhei­ro San­ta­na – cor­rup­ção ati­va
Al­ber­to Yous­sef – la­va­gem de di­nhei­ro

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

, ,