O Se­na­do con­cluiu nes­ta quarta-​feira (21), a vo­ta­ção do pro­je­to que fi­xa di­rei­tos e de­ve­res das par­tes nos ca­sos de res­ci­são de con­tra­tos de aqui­si­ção de imó­veis em re­gi­me de in­cor­po­ra­ção imo­bi­liá­ria ou lo­te­a­men­to (PLC 68/​2018). O tex­to apro­va­do man­tém a pre­vi­são de que as cons­tru­to­ras fi­quem com até 50% dos va­lo­res pa­gos pe­lo con­su­mi­dor em ca­so de de­sis­tên­cia da com­pra. O pro­je­to vol­ta­rá à Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos.

Jef­fer­son Rudy/​Agência Se­na­do


Autora de emendas de plenário, Simone troca ideias sobre a matéria com Randolfe e Armando Monteiro

O texto-​base ha­via si­do apro­va­do na terça-​feira (20) e as emen­das fo­ram vo­ta­das nes­ta quar­ta. As mu­dan­ças apro­va­das em Ple­ná­rio fo­ram as mes­mas aca­ta­das no re­la­tó­rio do se­na­dor Ar­man­do Mon­tei­ro (PTB-​PE) e apro­va­das há du­as se­ma­nas pe­la Co­mis­são de As­sun­tos Econô­mi­cos (CAE), acres­ci­das de uma mu­dan­ça de re­da­ção. No Ple­ná­rio, na vo­ta­ção sim­bó­li­ca, as al­te­ra­ções fo­ram re­jei­ta­das, mas a ve­ri­fi­ca­ção de quó­rum pe­di­da pe­la se­na­do­ra Si­mo­ne Te­bet (MDB-​MS) le­vou à apro­va­ção das emen­das, por 32 vo­tos a 23.

— Eu gos­ta­ria de dei­xar bem cla­ro que eu sou fa­vo­rá­vel a um pro­je­to que dê se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca às in­cor­po­ra­do­ras, às imo­bi­liá­ri­as, pa­ra que elas pos­sam in­ves­tir e vol­tar a ge­rar em­pre­go. Nós não te­mos dú­vi­da que o ra­mo da cons­tru­ção ci­vil é o que mais em­pre­ga no Bra­sil. O pro­ble­ma é que o pro­je­to, da for­ma co­mo veio da Câ­ma­ra, é in­cons­ti­tu­ci­o­nal, não ga­ran­te se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca —ar­gu­men­tou a se­na­do­ra, au­to­ra de vá­ri­as emen­das.

Pa­ra ela, as al­te­ra­ções aca­ta­das por Ar­man­do Mon­tei­ro re­pre­sen­tam uma for­ma de re­e­qui­li­brar o pro­je­to, evi­tan­do cláu­su­las abu­si­vas que po­de­ri­am ge­rar in­se­gu­ran­ça ao con­su­mi­dor e, con­se­quen­te­men­te, pre­ju­di­car as ven­das.

Emendas

Uma das emen­das de Si­mo­ne Te­bet apro­va­das obri­ga os con­tra­tos a apre­sen­ta­rem um quadro-​resumo com as con­di­ções das ne­go­ci­a­ções. Es­se qua­dro de­ve ter in­for­ma­ções co­mo pre­ço, ta­xa de cor­re­ta­gem, for­ma de pa­ga­men­to, ín­di­ce de cor­re­ção mo­ne­tá­ria, ta­xas de ju­ros e as con­sequên­ci­as da res­ci­são do con­tra­to. Com is­so, se­gun­do o re­la­tor, in­cor­po­ra­dor e com­pra­dor não mais po­de­rão ale­gar des­co­nhe­ci­men­to das prin­ci­pais obri­ga­ções con­tra­ta­das.

O re­la­tor tam­bém aco­lheu ou­tra su­ges­tão de Te­bet pa­ra a co­bran­ça da ta­xa de frui­ção re­la­ti­va à ocu­pa­ção do imó­vel. A emen­da fi­xa o ín­di­ce de 0,5% do va­lor atu­a­li­za­do do con­tra­to por mês. Atu­al­men­te, a Jus­ti­ça tem re­co­nhe­ci­do o di­rei­to de re­ten­ção do ven­de­dor em 1% do va­lor do imó­vel por mês, mes­ma per­cen­ta­gem pre­vis­ta no PLC. A ta­xa de frui­ção de­ve ser pa­ga a uma cons­tru­to­ra pe­lo usu­fru­to de um imó­vel que foi ocu­pa­do por um com­pra­dor ina­dim­plen­te. No ca­so do fim do con­tra­to de com­pra de lo­tes, a ta­xa se­rá de 0,75%.

Tam­bém foi apro­va­da uma emen­da que li­mi­ta a dí­vi­da to­tal aos va­lo­res já pa­gos pe­lo con­su­mi­dor que deu cau­sa à re­so­lu­ção do con­tra­to. A ideia é im­pe­dir que o com­pra­dor fi­que com sal­do ne­ga­ti­vo com a in­cor­po­ra­do­ra. Ou­tra emen­da apro­va­da foi uma al­te­ra­ção de re­da­ção apre­sen­ta­da du­ran­te a vo­ta­ção pe­lo se­na­dor Ro­me­ro Ju­cá (MDB-​RR) pa­ra dei­xar cla­ro que as mul­tas pre­vis­tas não se apli­cam a fi­nan­ci­a­men­tos da Cai­xa Econô­mi­ca, co­mo os do pro­gra­ma Mi­nha Ca­sa Mi­nha Vi­da.

Defesa do consumidor

O pro­je­to, do de­pu­ta­do Cel­so Rus­so­ma­no (PRB-​SP), ha­via si­do re­jei­ta­do pe­la CAE em ju­lho, mas um re­cur­so fez com que vol­tas­se pa­ra o Ple­ná­rio, on­de re­ce­beu no­vas emen­das. Com is­so, o pro­je­to foi ana­li­sa­do no­va­men­te pe­la co­mis­são, que apro­vou o re­la­tó­rio com as mu­dan­ças.

Os se­na­do­res fa­vo­rá­veis ao tex­to ale­gam que o pro­je­to atu­a­li­za as re­gras e dá se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca às cons­tru­to­ras e aos con­su­mi­do­res na ho­ra da ne­go­ci­a­ção. Por ou­tro la­do, vá­ri­os par­la­men­ta­res con­si­de­ram o tex­to fa­vo­rá­vel de­mais às em­pre­sas. Um dos pon­tos mais cri­ti­ca­dos é a per­mis­são pa­ra que as cons­tru­to­ras fi­quem com até 50% dos va­lo­res pa­gos pe­lo con­su­mi­dor em ca­so de de­sis­tên­cia da com­pra.

— Mui­tas cons­tru­to­ras, quan­do ven­dem o apar­ta­men­to na plan­ta e fa­zem o lan­ça­men­to, já sa­bem que o ci­da­dão que co­me­çou a pa­gar, ao che­gar o mo­men­to de re­ce­ber e fa­zer o fi­nan­ci­a­men­to na Cai­xa, não vai ter apro­va­do o fi­nan­ci­a­men­to, por­que o ci­da­dão não tem ren­da pa­ra tal. Num ma­to sem ca­chor­ro, o que faz o ci­da­dão? Per­de o seu imó­vel e ain­da é mul­ta­do em 50%, uma mul­ta ab­so­lu­ta­men­te al­ta — dis­se o se­na­dor Mag­no Mal­ta (PR-​ES).

A mul­ta de até 50% é pre­vis­ta no tex­to quan­do o em­pre­en­di­men­to ti­ver seu pa­trimô­nio se­pa­ra­do do da cons­tru­to­ra, me­ca­nis­mo cha­ma­do de pa­trimô­nio de afe­ta­ção. O sis­te­ma foi cri­a­do após a fa­lên­cia da En­col no anos 90. Pois, com o pa­trimô­nio afe­ta­do, as par­ce­las pa­gas pe­los com­pra­do­res não se mis­tu­ram ao pa­trimô­nio da in­cor­po­ra­do­ra ou cons­tru­to­ra e não po­de­rão fa­zer par­te da mas­sa fa­li­da ca­so a em­pre­sa en­fren­te di­fi­cul­da­des fi­nan­cei­ras. Pa­ra os de­mais ca­sos, ou se­ja, fo­ra do pa­trimô­nio de afe­ta­ção, a mul­ta pre­vis­ta pa­ra o con­su­mi­dor é de até 25%.

Se­na­do­res co­mo Ran­dol­fe Ro­dri­gues (Rede-​AP), Lí­di­ce da Ma­ta (PSB-​BA), Jo­sé Pi­men­tel (PT-​CE), Re­guf­fe (sem partido-​DF) e Ro­se de Frei­tas (Pode-​ES) dis­se­ram con­si­de­rar o pro­je­to pre­ju­di­ci­al ao con­su­mi­dor e de­cla­ra­ram vo­to fa­vo­rá­vel às emen­das co­mo for­ma de ate­nu­ar es­ses pre­juí­zos.

Empregos

O se­na­dor Ri­car­do Fer­ra­ço (PSDB-​ES), por sua vez, de­fen­deu o tex­to e ale­gou que o pro­je­to ini­be uma “de­for­ma­ção” da eco­no­mia bra­si­lei­ra. Ele lem­brou que, em 2016, hou­ve mais con­tra­tos de dis­tra­to do que con­tra­tos de com­pra e ven­da de imó­veis, o que le­vou à de­sor­ga­ni­za­ção de um dos seg­men­tos que mais ge­ra em­pre­gos no país.

— É ver­da­de que o se­na­dor Ar­man­do Mon­tei­ro in­cor­po­rou al­gu­mas emen­das, mas emen­das aces­só­ri­as, que não al­te­ram o es­co­po e o ob­je­ti­vo des­se pro­je­to. Vo­tar ‘sim’ [às emen­das] sig­ni­fi­ca sub­me­ter de no­vo es­te pro­je­to à Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos, é per­der tem­po, é não di­a­lo­gar com a ne­ces­sá­ria se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca pa­ra que o em­pre­en­de­dor bra­si­lei­ro pos­sa con­ti­nu­ar em­pre­en­den­do, con­ti­nu­ar pros­pe­ran­do, con­ti­nu­ar ge­ran­do em­pre­go — dis­se Fer­ra­ço. Com as mu­dan­ças, a ma­té­ria vol­ta à aná­li­se da Câ­ma­ra.

O que determina o PLC 68/2018

Em ca­so de ina­dim­ple­men­to do ven­de­dor
 — O atra­so de até 180 di­as pa­ra a en­tre­ga do imó­vel ven­di­do na plan­ta não ge­ra­rá ônus pa­ra a cons­tru­to­ra.— Se o atra­so na en­tre­ga das cha­ves for mai­or que 180 di­as, o com­pra­dor po­de­rá des­fa­zer o ne­gó­cio e te­rá di­rei­to a re­ce­ber tu­do o que pa­gou de vol­ta, além da mul­ta pre­vis­ta em con­tra­to, em até 60 di­as.
 — O com­pra­dor po­de op­tar por man­ter o con­tra­to no ca­so de atra­so, com di­rei­to a in­de­ni­za­ção de 1% do va­lor já pa­go.
 — É ve­da­da a cu­mu­la­ção de mul­ta mo­ra­tó­ria com a com­pen­sa­tó­ria em fa­vor do com­pra­dor.

Em ca­so de ina­dim­ple­men­to do com­pra­dor
 — O ina­dim­plen­te é pu­ni­do com mul­ta com­pen­sa­tó­ria de 25% do va­lor pa­go ou, se hou­ver pa­trimô­nio de afe­ta­ção, com mul­ta de até 50%.— O com­pra­dor per­de­rá in­te­gral­men­te os va­lo­res pa­gos a tí­tu­lo de co­mis­são de cor­re­ta­gem.
 — O com­pra­dor ina­dim­plen­te te­rá de ar­car com des­pe­sas de frui­ção do imó­vel, se já ti­ver si­do en­tre­gue.
 — Em ca­so de ar­re­pen­di­men­to, o com­pra­dor te­rá pra­zo de 7 di­as a par­tir da as­si­na­tu­ra do con­tra­to.
 — A res­ci­são do con­tra­to per­mi­ti­rá que o com­pra­dor te­nha de vol­ta o va­lor pa­go, de­cres­ci­do dos en­car­gos de­cor­ren­tes da ina­dim­plên­cia, após 180 di­as do dis­tra­to ou, se hou­ver pa­trimô­nio de afe­ta­ção, após 30 di­as da ob­ten­ção do “habite-​se” da cons­tru­ção.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,