O Mi­nis­té­rio Pú­bli­co do Tra­ba­lho em San­ta Ca­ta­ri­na quer que a Jus­ti­ça apli­que mul­tas pa­ra as lo­jas Ha­van que, so­ma­das, po­dem sig­ni­fi­car um des­fal­que de R$ 100 mi­lhões à em­pre­sa va­re­jis­ta. Com se­de no es­ta­do, o gru­po fez cam­pa­nha na cor­ri­da pre­si­den­ci­al pa­ra can­di­da­to ven­ce­dor, Jair Bol­so­na­ro (PSL), e é acu­sa­do de cons­tran­ger fun­ci­o­ná­ri­os a vo­tar no de­pu­ta­do, ameaçando-​os de de­mis­são em ca­so de der­ro­ta.

Di­vul­ga­ção


Luciano Hang promovia enquetes internas para saber como cada funcionário votaria

O MPT quer mul­tar a Ha­van em du­as fren­tes, com va­lo­res di­fe­ren­tes: ao me­nos R$ 25 mi­lhões, por da­no mo­ral co­le­ti­vo, por ale­ga­da in­ti­mi­da­ção de em­pre­ga­dos com vis­tas a fa­vo­re­cer Bol­so­na­ro; e R$ 5 mil a ca­da um dos cer­ca de 15 mil tra­ba­lha­do­res por da­no mo­ral in­di­vi­du­al. Com a so­ma das pu­ni­ções in­di­vi­du­ais (R$ 75 mi­lhões), a mul­ta po­de ser ele­va­da pa­ra al­go em tor­no de R$ 100 mi­lhões.

A ação ci­vil pú­bli­ca acu­sa o pro­pri­e­tá­rio da Ha­van, Lu­ci­a­no Hang, de pro­mo­ver cam­pa­nhas po­lí­ti­cas pró-​Bolsonaro. Se­gun­do a acu­sa­ção, Lu­ci­a­no da­va ca­rá­ter obri­ga­tó­rio à pre­sen­ça de seus em­pre­ga­dos nes­ses ”atos cí­vi­cos’ de viés pa­trió­ti­co e em “de­fe­sa da de­mo­cra­cia”.

A de­nún­cia re­la­ta ame­a­ças ex­plí­ci­tas aos fun­ci­o­ná­ri­os – dis­pen­sa em mas­sa, fe­cha­men­to de uni­da­des e fa­lên­cia – na hi­pó­te­se de o ad­ver­sá­rio de Bol­so­na­ro, Fer­nan­do Had­dad (PT), ser o ven­ce­dor da elei­ção pre­si­den­ci­al. A no­tí­cia

Ain­da se­gun­do o MPT, por mais de uma vez os em­pre­ga­dos fo­ram obri­ga­dos a res­pon­der en­que­tes in­ter­nas da Ha­van, por meio de ter­mi­nais de com­pu­ta­dor, com o ob­je­ti­vo de sa­ber co­mo ca­da um vo­ta­ria. As con­sul­tas im­po­si­ti­vas fo­ram fei­tas de­pois que os fun­ci­o­ná­ri­os já sa­bi­am da po­si­ção do em­pre­sá­rio em fa­vor de Bol­so­na­ro, ou se­ja, even­tu­ais vo­tos de­cla­ra­dos pa­ra Had­dad con­fron­ta­ri­am a es­co­lha do em­pre­ga­dor.

Histórico

Co­mo es­te si­te mos­trou em 5 de ou­tu­bro, a dois di­as das vo­ta­ções do pri­mei­ro tur­no, o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Elei­to­ral re­co­men­dou ao Tri­bu­nal Su­pe­ri­or Elei­to­ral (TSE) a con­de­na­ção de Lu­ci­a­no Hang por pro­pa­gan­da elei­to­ral ir­re­gu­lar em fa­vor de Bol­so­na­ro. In­di­vi­du­al­men­te, ele po­de ser mul­ta­do em até R$ 1 mi­lhão.

Em vídeo gravado em uma de suas unidades, Luciano ameaça deixar o país – e, consequentemente, demitir seus 15 mil funcionários – caso Bolsonaro não vença a eleição presidencial. O empresário conta que fez pesquisa de intenção de voto com os colaboradores da empresa e descobriu que 30% deles pretendem votar nulo ou branco.

Es­sa ação foi pro­pos­ta pe­la co­li­ga­ção de Ge­ral­do Alck­min (PSDB), quar­to lu­gar na cor­ri­da pre­si­den­ci­al. O tu­ca­no ale­gou que hou­ve abu­so de po­der econô­mi­co pe­lo uso da es­tru­tu­ra em­pre­sa­ri­al a ser­vi­ço de Bol­so­na­ro. O em­pre­sá­rio diz que não fez pro­pa­gan­da elei­to­ral, “mas me­ro exer­cí­cio do di­rei­to de ma­ni­fes­ta­ção”.

Os tra­ba­lha­do­res do se­tor pri­va­do po­dem de­nun­ci­ar co­a­ção em em­pre­sas aos Mi­nis­té­ri­os Pú­bli­cos do Tra­ba­lho (MPT) de sua re­gião. Já os ser­vi­do­res pú­bli­cos fe­de­rais po­dem pro­cu­rar o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral e os es­ta­du­ais ou mu­ni­ci­pais, o Es­ta­du­al.

Estratégia WhatsApp

Há pou­cos di­as do se­gun­do tur­no, re­por­ta­gem ex­clu­si­va do jor­nal Fo­lha de S.Paulo re­ve­lou es­que­ma de fi­nan­ci­a­men­to de em­pre­sas pa­ra com­par­ti­lhar men­sa­gens em mas­sa, via What­sApp con­tra o PT. O pre­si­den­te elei­to che­gou a pe­dir ex­clu­são do ma­te­ri­al dos ca­nais di­gi­tais, mas a de­man­da foi ne­ga­da pe­lo TSE.

No en­ten­di­men­to do mi­nis­tro Sér­gio Sil­vei­ra Ba­nhos, re­la­tor do ca­so, “não se ex­tra­em da ma­té­ria im­pug­na­da ele­men­tos su­fi­ci­en­tes que con­fi­gu­rem trans­gres­são ca­paz de de­se­qui­li­brar a dis­pu­ta elei­to­ral e en­se­jar de pla­no a sus­pen­são do con­teú­do im­pug­na­do”. Gra­ças à re­por­ta­gem, par­ti­dos co­mo o PT e o PDT con­se­gui­ram abrir pro­ces­so de cai­xa dois e abu­so de po­der econô­mi­co con­tra Bol­so­na­ro.

O TSE abriu in­ves­ti­ga­ção pa­ra apu­rar os fa­tos nar­ra­dos pe­lo jor­nal e que a Procuradoria-​Geral da Re­pú­bli­ca de­ter­mi­nou que a Po­lí­cia Fe­de­ral ins­tau­ras­se inqué­ri­to pa­ra apu­rar even­tu­al uti­li­za­ção de es­que­ma pro­fis­si­o­nal, por par­te das cam­pa­nhas de Bol­so­na­ro e de Had­dad com o pro­pó­si­to de pro­pa­gar fa­ke news. Em ra­zão dis­so, o tri­bu­nal en­ten­deu que é pre­ci­so re­ser­var a in­tan­gi­bi­li­da­de da li­ber­da­de de im­pren­sa.

Na re­por­ta­gem em ques­tão, a Fo­lha re­ve­lou um es­que­ma em que em­pre­sas te­ri­am com­pra­do pa­co­tes de dis­pa­ro em mas­sa de men­sa­gens con­tra o PT no apli­ca­ti­vo de men­sa­gens ins­tan­tâ­ne­as What­sApp. Os pa­co­tes, se­gun­do a ma­té­ria, che­ga­ram a R$ 12 mi­lhões e a prá­ti­ca con­fi­gu­ra cri­me elei­to­ral. Em­bo­ra a ma­té­ria não te­nha apre­sen­ta­do pro­vas con­tra­tu­ais, por exem­plo, vi­e­ram a pú­bli­co na épo­ca ví­de­os e atos pú­bli­cos de em­pre­sá­ri­os co­mo Lu­ci­a­no Hang pro­mo­ven­do ações nas re­des so­ci­ais em fa­vor do can­di­da­to do PSL.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

, ,