Ao me­nos 17 se­na­do­res, elei­tos e em exer­cí­cio, de­vem for­mar gru­po de opo­si­ção ao go­ver­no de Jair Bol­so­na­ro (PSL). Um dos lí­de­res do mo­vi­men­to, o se­na­dor Ran­dol­fe Ro­dri­gues (Rede-​AP) diz pre­fe­rir não cha­mar a ini­ci­a­ti­va de “blo­co”. O con­gres­sis­ta afir­mou ao Con­gres­so em Fo­co que não se­rá fei­ta “nem ade­são au­to­má­ti­ca, nem opo­si­ção sis­te­má­ti­ca”.

Mar­cos Oliveira/​Agência Se­na­do


Grupo dialogará com o governo como forma de manter a independência, diz Randolfe

Se­gun­do Ran­dol­fe, o gru­po di­a­lo­ga­rá com o go­ver­no co­mo for­ma de man­ter a in­de­pen­dên­cia. Pe­las con­tas do se­na­dor, a união in­clui­rá 5 con­gres­sis­tas da Re­de, 4 do PDT, 2 do PSB, 2 do PPS, 1 do PRP, 2 do PHS e ain­da o se­na­dor Re­guf­fe (sem partido-​DF). A cri­a­ção do gru­po foi ali­nha­da em reu­nião na noi­te des­ta quarta-​feira (21), co­mo es­te si­te adi­an­tou.

Ran­dol­fe e Re­guf­fe fo­ram in­cum­bi­dos de fa­zer um ma­ni­fes­to do gru­po. O do­cu­men­to de­ve ter co­mo nor­tes o com­ba­te à cor­rup­ção, a de­fe­sa do Es­ta­do de­mo­crá­ti­co de di­rei­to e, ain­da, o ri­gor com os gas­tos pú­bli­cos. Na se­ma­na que vem os dois con­gres­sis­tas de­vem apre­sen­tar o tex­to ao gru­po e divulgá-​lo no iní­cio de de­zem­bro.

O se­na­dor da Re­de afir­ma que a ideia é o mo­vi­men­to re­per­cu­tir não ape­nas no Se­na­do, mas tam­bém na Câ­ma­ra e na pró­pria so­ci­e­da­de. Se­gun­do ele, na Câ­ma­ra ou­tro gru­po se­me­lhan­te es­tá sen­do ar­ti­cu­la­do, não ne­ces­sa­ri­a­men­te com os mes­mos par­ti­dos.

Presidência do Senado

O gru­po de opo­si­ção for­ma­do nes­ta quar­ta ain­da não de­fi­niu quem de­ve apoi­ar pa­ra a pre­si­dên­cia da Ca­sa. “Nós ain­da não con­ver­sa­mos so­bre no­mes. Va­mos an­tes de­fi­nir qual de­ve ser o per­fil do pre­si­den­te, que man­te­nha o mí­ni­mo de in­de­pen­dên­cia e se­ja co­e­ren­te com o que saiu das ur­nas e das ru­as”, dis­se Ran­dol­fe.

Um dos no­mes co­gi­ta­dos pa­ra dis­pu­tar a pre­si­dên­cia da Ca­sa é o do se­na­dor, tam­bém do Ama­pá, Da­vi Al­co­lum­bre (DEM). Ran­dol­fe afir­ma que, se cons­truir uma re­de de apoio, o Da­vi tem chan­ces na dis­pu­ta. Ele pre­fe­riu, no en­tan­to, não de­cla­rar qual­quer apoio ao co­le­ga por en­quan­to.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,