A Po­lí­cia Fe­de­ral ras­tre­ou de­pó­si­tos de US$ 3 mi­lhões em con­tas ban­cá­ri­as na Suí­ça que, se­gun­do as in­ves­ti­ga­ções, fa­zem par­te de um acer­to de pro­pi­na com po­lí­ti­cos do MDB – en­tre eles o se­na­dor Re­nan Ca­lhei­ros – em tro­ca de con­tra­tos na Pe­tro­bras, in­for­ma O Glo­bo.

Edil­son Rodrigues/​Agência Se­na­do


Senador diz que nunca manteve ou se beneficiou de conta bancária no exterior

De acor­do com a PF, a pro­pi­na pas­sou por du­as con­tas con­tro­la­das pe­lo em­pre­sá­rio Wal­ter Fa­ria, do Gru­po Pe­tró­po­lis (Itai­pa­va). O re­la­tó­rio fi­nal da PF, as­si­na­do pe­lo de­le­ga­do Thi­a­go De­la­bary, traz de­ta­lhes so­bre a en­ge­nha­ria fi­nan­cei­ra mon­ta­da pa­ra pa­gar pro­pi­na ao MDB e atri­bui ao se­na­dor o cri­me de cor­rup­ção pas­si­va. Já o em­pre­sá­rio é acu­sa­do de la­va­gem de di­nhei­ro. Am­bos ne­gam en­vol­vi­men­to em ir­re­gu­la­ri­da­des.

O ma­te­ri­al foi en­vi­a­do no úl­ti­mo dia 12 pe­lo mi­nis­tro Ed­son Fa­chin, do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), à Pro­cu­ra­do­ria Ge­ral da Re­pú­bli­ca, que ana­li­sa se ofe­re­ce de­nún­cia. Se­gun­do O Glo­bo, a PF tam­bém apon­tou in­dí­ci­os de en­vol­vi­men­to do de­pu­ta­do Aní­bal Go­mes (DEM-​CE) e seu ex-​assessor Luís Car­los Ba­tis­ta Sá, além do ex-​ministro de Mi­nas e Ener­gia Si­las Ron­de­au. Já o se­na­dor Ja­der Bar­ba­lho (MDB-​PA), tam­bém ci­ta­do por de­la­to­res, foi ex­cluí­do por­que os in­ves­ti­ga­do­res não en­con­tra­ram ele­men­tos con­tra ele.

Navios-sonda

Con­for­me a Po­lí­cia Fe­de­ral, o MDB re­ce­bia “co­mis­são” por con­tra­tos fe­cha­dos pe­la Di­re­to­ria In­ter­na­ci­o­nal da Pe­tro­bras, sob con­tro­le do par­ti­do na fi­gu­ra de Nes­tor Cer­ve­ró. Em 2006, re­la­ta a re­por­ta­gem, Cer­ve­ró acer­tou com a Sam­sung He­avy In­dus­tri­es a com­pra de dois navios-​sonda pe­la Pe­tro­bras, no va­lor de US$ 1,2 bi­lhão, em tro­ca de pro­pi­na. Em sua de­la­ção, o ex-​diretor con­tou que acer­tou o re­pas­se de US$ 6 mi­lhões des­sas pro­pi­nas ao gru­po do MDB do Se­na­do.

Dois lo­bis­tas ad­mi­ti­ram par­ti­ci­pa­ção no ca­so – Jú­lio Ca­mar­go, um dos pri­mei­ros de­la­to­res da La­va Ja­to, e Jor­ge Luz, que ain­da ne­go­cia de­la­ção – ao con­fir­mar a ver­são de Cer­ve­ró de que re­pas­sa­ram o di­nhei­ro por meio da con­ta do em­pre­sá­rio Wal­ter Fa­ria.

Planilha

Se­gun­do O Glo­bo, a PF re­ce­beu do pró­prio em­pre­sá­rio e dos dois lo­bis­tas to­da a do­cu­men­ta­ção re­la­ci­o­na­da às trans­fe­rên­ci­as de cer­ca de US$ 3 mi­lhões às con­tas na Suí­ça. Pa­ra os in­ves­ti­ga­do­res, o do­no da cer­ve­ja­ria em­pres­ta­va as con­tas pa­ra do­lei­ros de­po­si­ta­rem re­cur­sos em tro­ca de re­ce­be­rem os va­lo­res em re­ais no Bra­sil. Não há uma pro­va ca­bal de que os eme­de­bis­tas te­nham, de fa­to, re­ce­bi­do o di­nhei­ro, res­sal­ta a re­por­ta­gem.

De acor­do com a re­por­ta­gem, os in­ves­ti­ga­do­res en­con­tra­ram do­cu­men­tos de con­tro­le dos pa­ga­men­tos aos po­lí­ti­cos em um HD na ca­sa de Ba­tis­ta Sá, apon­ta­do co­mo o or­ga­ni­za­dor da pro­pi­na. No HD, ha­via o com­pro­van­te de um dos de­pó­si­tos na Suí­ça fei­to por Jor­ge Luz e pla­ni­lhas com si­glas, co­di­no­mes e va­lo­res. No con­tro­le da di­vi­são de va­lo­res, a PF diz que Re­nan apa­re­ce co­mo RC, com va­lor de US$ 350 mil.

Falcatrua

O se­na­dor ala­go­a­no dis­se ao Glo­bo que “não vê Jor­ge Luz há mais de 20 anos, não co­nhe­ce seu fi­lho, não tem con­ta no ex­te­ri­or, não co­nhe­ce os do­na­tá­ri­os das con­tas e nun­ca te­ve ne­gó­ci­os com ele e com nin­guém”. Ele dis­se que “in­ves­ti­ga­ção ne­nhu­ma com­pro­va­rá sua par­ti­ci­pa­ção com qual­quer ti­po de fal­ca­trua, con­ta no ex­te­ri­or ou com o re­ce­bi­men­to de di­nhei­ro atra­vés de ter­cei­ros”.

Wal­ter Fa­ria clas­si­fi­cou a acu­sa­ção de “in­sus­ten­tá­vel”. “Não hou­ve por par­te de Wal­ter Fa­ria qual­quer ti­po de re­pas­se a po­lí­ti­cos ou agen­tes pú­bli­cos”, diz a no­ta. As de­fe­sas de Aní­bal Go­mes e de Ba­tis­ta Sá tam­bém re­fu­ta­ram as sus­pei­tas. Si­las Ron­de­au afir­ma que nun­ca re­ce­beu pro­pi­na.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,