O pre­si­den­te Mi­chel Te­mer san­ci­o­nou o re­a­jus­te de 16,38% con­ce­di­do pe­lo Con­gres­so a mi­nis­tros do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), que au­men­ta­rá a re­mu­ne­ra­ção dos ma­gis­tra­dos de R$ 33 mil pa­ra R$ 39 mil. O re­a­jus­te foi apro­va­do pe­lo Se­na­do em 7 de no­vem­bro e ten­de pro­vo­car um efei­to cas­ca­ta, já que tam­bém acar­re­ta au­men­to dos ser­vi­do­res pú­bli­cos que re­ce­bem ho­je o te­to do fun­ci­o­na­lis­mo, de­fi­ni­do pe­los ven­ci­men­tos dos mi­nis­tros.

An­to­nio Cruz/​Agência Bra­sil


Temer ignorou petição online com 2,7 milhões de pessoas pedindo veto ao reajuste

Na san­ção pre­si­den­ci­al, Te­mer tam­bém ava­li­za re­a­jus­te pa­ra os che­fes da Procuradoria-​Geral da Re­pú­bli­ca (PGR). Se­gun­do es­ti­ma­ti­va das con­sul­to­ri­as de or­ça­men­to da Câ­ma­ra e do Se­na­do, o im­pac­to do re­a­jus­te pa­ra a União ape­nas em 2019 se­rá de R$ 1,3 bi­lhão.

O re­a­jus­te, con­tu­do, vem acom­pa­nha­do do fim do auxílio-​moradia, co­mo es­ta­va acer­ta­do en­tre as au­to­ri­da­des dos três Po­de­res. O re­la­tor no STF de ações re­la­ti­vas ao be­ne­fí­cio, mi­nis­tro Luiz Fux, sus­pen­deu nes­ta segunda-​feira (26) a li­mi­nar que ga­ran­tia o pa­ga­men­to do au­xí­lio des­de 2014. Em um acor­do in­for­mal, Fux já ha­via afir­ma­do que con­di­ci­o­na­ria o fim do au­xí­lio ir­res­tri­to ao re­a­jus­te.

O au­xí­lio ir­res­tri­to foi es­ta­be­le­ci­do pe­la Lei Or­gâ­ni­ca da Ma­gis­tra­tu­ra (Lo­man) em 1979 e, em 1986, pas­sou a vi­go­rar a re­gra atu­al: ho­je, o be­ne­fí­cio de R$ 4,3 mil é con­ce­di­do quan­do não há imó­vel ofi­ci­al à dis­po­si­ção, mes­mo pa­ra ma­gis­tra­dos que pos­su­em imó­vel pró­prio na co­mar­ca ou cir­cuns­cri­ção ju­di­ciá­ria em que atu­am.

Fux afir­ma ain­da que o va­lor de pou­co mais de R$ 4 mil re­ais não é re­ce­bi­do em es­pé­cie por ne­nhum mi­nis­tro da Cor­te, já que to­dos pos­su­em imó­vel fun­ci­o­nal à dis­po­si­ção. Quem não o ocu­pa, por­tan­to, dis­pen­sou o be­ne­fí­cio.

Na ação ori­gi­ná­ria mo­vi­da con­tra a União, Fux afir­ma que o auxílio-​moradia “não con­fi­gu­ra van­ta­gem imo­ral ou mes­mo ofen­si­va ao sis­te­ma re­pu­bli­ca­no”. O re­a­jus­te de 16,38%, po­rém, cons­ti­tui um no­vo fa­to ju­rí­di­co e, por is­so, hou­ve a mu­dan­ça da pró­pria de­ci­são após qua­tro anos.

Ain­da de acor­do com Fux, “é de se re­co­nhe­cer, di­an­te do qua­dro de cri­se pro­fun­da pe­lo qual o Es­ta­do bra­si­lei­ro es­tá pas­san­do e a re­com­po­si­ção dos sub­sí­di­os, a im­pos­si­bi­li­da­de prá­ti­ca do pa­ga­men­to do auxílio-​moradia nos mol­des em que ini­ci­al­men­te fo­ra de­fe­ri­do aos ma­gis­tra­dos e às car­rei­ras ju­rí­di­cas”.

Reação

O fim do auxílio-​moradia se apli­ca tam­bém pa­ra de­fen­so­res pú­bli­cos, mem­bros do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co e de­mais car­rei­ras ju­rí­di­cas. A mu­dan­ça de­ve ser im­ple­men­ta­da em ja­nei­ro de 2019, quan­do o re­a­jus­te in­ci­dir na fo­lha de pa­ga­men­to dos ser­vi­do­res.

En­ti­da­des que re­pre­sen­tam os ma­gis­tra­dos se ma­ni­fes­ta­ram con­tra a me­di­da. Na úl­ti­ma sexta-​feira (23), a As­so­ci­a­ção dos Ma­gis­tra­dos Bra­si­lei­ros (AMB) afir­mou que os ju­di­ciá­ri­os fe­de­rais e es­ta­du­ais te­ri­am con­di­ções de man­ter os pa­ga­men­tos.

Além dis­so, a en­ti­da­de ale­ga que não in­ci­de im­pos­to so­bre o be­ne­fí­cio, en­quan­to há des­con­tos no re­a­jus­te de ven­ci­men­to. Is­so po­de­ria sig­ni­fi­car, na prá­ti­ca, per­da do po­der de com­pra dos ma­gis­tra­dos.

Abaixo-assinado

A no­tí­cia do re­a­jus­te re­vol­tou se­to­res da so­ci­e­da­de ci­vil organizada.Uma das ini­ci­a­ti­vas foi fei­ta pe­lo Par­ti­do No­vo, que con­cla­mou bra­si­lei­ros a as­si­nar uma pe­ti­ção di­gi­tal con­tra o re­a­jus­te. Até o iní­cio da noi­te des­ta segunda-​feira (26), mais de 2,7 mi­lhões de pes­so­as ha­vi­am as­si­na­do o abaixo-​assinado vir­tu­al, mas a me­ta era de três mi­lhões.

Pre­si­den­ciá­vel do No­vo e en­tu­si­as­ta da pe­ti­ção on­li­ne, o em­pre­sá­rio João Amo­e­do re­cla­mou da san­ção a des­pei­to do en­vol­vi­men­to dos ci­da­dãos con­tra o re­a­jus­te. “In­fe­liz­men­te, a po­pu­la­ção não foi ou­vi­da”, la­men­tou Amo­e­do.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,