Re­la­tor da Ope­ra­ção La­va Ja­to no Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), o mi­nis­tro Ed­son Fa­chin li­be­rou pa­ra jul­ga­men­to nes­ta terça-​feira (27) mais um pe­di­do de li­ber­da­de apre­sen­ta­do pe­la de­fe­sa do ex-​presidente Lu­la, pre­so des­de 7 de abril em Cu­ri­ti­ba (PR) e con­de­na­do por cor­rup­ção e la­va­gem de di­nhei­ro. O ca­so se­rá ana­li­sa­do pe­la Se­gun­da Tur­ma do STF e po­de ter de­ci­são anun­ci­a­da já no pró­xi­mo mês, an­tes do re­ces­so do Ju­di­ciá­rio a ser ini­ci­a­do em 20 de de­zem­bro, mas o pró­prio Fa­chin já jul­ga­men­to já na pró­xi­ma terça-​feira (4).

STF


Relator da Lava Jato, Fachin deu voto favorável a Lula quando do julgamento sobre direitos políticos do petista no TSE

Na ar­gu­men­ta­ção, a de­fe­sa de Lu­la ale­ga a par­ci­a­li­da­de do juiz fe­de­ral Sér­gio Mo­ro, res­pon­sá­vel pe­la La­va Ja­to em Cu­ri­ti­ba até 19 de no­vem­bro, quan­do dei­xou de ser ma­gis­tra­do pa­ra as­su­mir o Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça no go­ver­no Jair Bol­so­na­ro (PSL). Se­gun­do os ad­vo­ga­dos do pe­tis­ta, a sus­pei­ção re­si­de no pró­prio fa­to de que Mo­ro in­te­gra­rá a ges­tão do ad­ver­sá­rio do PT na elei­ções pre­si­den­ci­ais des­te ano (leia mais abai­xo).

Pre­si­den­te do co­le­gi­a­do, o mi­nis­tro Ri­car­do Lewan­dows­ki con­fir­mou ho­je (ter­ça, 27) que o ha­be­as cor­pus po­de ser apre­ci­a­do an­tes do re­ces­so de fim de ano. A de­fi­ni­ção do da­ta ain­da se­rá acer­ta­da com Ed­son Fa­chin. Além de Lewan­dows­ki e Fa­chin, a Se­gun­da Tur­ma é for­ma­da pe­los mi­nis­tros Cel­so de Mel­lo, Cár­men Lú­cia e Gil­mar Men­des. Tan­to Lewan­dows­ki quan­to Gil­mar Men­des têm con­cor­da­do em con­ce­der li­ber­da­de pa­ra pre­sos após con­de­na­ção em se­gun­da ins­tân­cia, co­mo é o ca­so de Lu­la.

Fa­chin pre­fe­riu não es­pe­rar a ma­ni­fes­ta­ção da Procuradoria-​Geral da Re­pú­bli­ca (PGR) so­bre o pe­di­do de li­ber­da­de. Na úl­ti­ma se­ma­na, o ma­gis­tra­do deu pra­zo de cin­co di­as pa­ra a for­ma­li­za­ção do po­si­ci­o­na­men­to, o que ain­da não acon­te­ceu.

O re­la­tor da La­va Ja­to dis­se ain­da que o re­la­tó­rio faz uma sín­te­se do pe­di­do de ha­be­as cor­pus e já reú­ne as in­for­ma­ções pres­ta­das pe­la de­fe­sa, de for­ma que o jul­ga­men­to po­de ser ace­le­ra­do. Até por­que, re­gis­tra Fa­chin, não há ne­ces­si­da­de de que o pa­re­cer se­ja li­do na ín­te­gra em ple­ná­rio.

Além do pra­zo da­do à PGR, Fa­chin já ha­via so­li­ci­ta­do ma­ni­fes­ta­ção do Su­pe­ri­or Tri­bu­nal de Jus­ti­ça (STJ), do Tri­bu­nal Re­gi­o­nal Fe­de­ral da 4ª Re­gião, que ele­vou a pe­na de Lu­la pa­ra mais de 12 anos de ca­deia, e da 13ª Va­ra Fe­de­ral de Cu­ri­ti­ba, an­tes che­fi­a­da pe­lo juiz Sér­gio Mo­ro. To­dos eles se co­lo­cam fa­vo­ra­vel­men­te à ma­nu­ten­ção da pri­são do pe­tis­ta por en­ten­de­rem que ela tem fun­da­men­to le­gal.

Nulidade presumida

Ao ale­gar a sus­pei­ção de Sér­gio Mo­ro, os ad­vo­ga­dos de Lu­la pe­dem que o STF de­cla­re a nu­li­da­de de to­dos os atos pro­ces­su­ais re­fe­ren­tes ao ca­so do trí­plex do Gua­ru­já (SP), em cu­jo en­re­do de ne­go­ci­a­ção Lu­la te­ve par­ti­ci­pa­ção, se­gun­do acu­sa­ção do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, pa­ra ob­ter di­nhei­ro de cor­rup­ção. Se­gun­do a de­nún­cia acei­ta por Mo­ro, o ex-​presidente usou sua in­fluên­cia jun­to ao go­ver­no fe­de­ral pa­ra be­ne­fi­ci­ar a OAS, em­prei­tei­ra que te­ria pro­mo­vi­do me­lho­ri­as no imó­vel com a in­ten­ção de pre­sen­te­ar Lu­la.

A nu­li­da­de, pe­de a de­fe­sa de Lu­la, de­ve ser de­cla­ra­da pa­ra “to­das as ações pe­nais pro­pos­tas em fa­ce de Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va que es­tão ou es­ti­ve­ram sob a con­du­ção do Juiz Fe­de­ral Sér­gio Fer­nan­do Mo­ro”. A even­tu­al apli­ca­ção da nu­li­da­de pro­ces­su­al se­ria es­ten­di­da com efei­to pa­ra ações pe­nais re­la­ti­vas ao ale­ga­do pa­ga­men­to de pro­pi­na da Ode­bre­cht pa­ra o pe­tis­ta, em ne­go­ci­a­ção que im­pli­cou a com­pra de um ter­re­no pa­ra abri­gar o Ins­ti­tu­to Lu­la em São Pau­lo. Tam­bém va­le­ria pa­ra o ca­so do sí­tio de Ati­baia, em que em­prei­tei­ras tam­bém te­ri­am em­pre­ga­do di­nhei­ro co­mo for­ma de pro­pi­na pa­ra Lu­la.

“Lu­la es­tá sen­do ví­ti­ma de ver­da­dei­ra ca­ça­da ju­di­ci­al en­ta­bu­la­da por um agen­te to­ga­do que se uti­li­zou in­de­vi­da­men­te de ex­pe­di­en­tes ju­rí­di­cos pa­ra per­se­guir po­li­ti­ca­men­te um ci­da­dão, bus­can­do nu­li­fi­car, uma a uma, su­as li­ber­da­des e seus di­rei­tos (law­fa­re). Es­te agen­te do Es­ta­do [Mo­ro] des­na­tu­rou o pri­ma­do li­be­ral do di­rei­to pe­nal do fa­to e o subs­ti­tuiu pe­lo ti­râ­ni­co di­rei­to pe­nal do au­tor; mes­mo an­tes de ini­ci­a­da a ação, o ro­tei­ro já es­ta­va es­cri­to e o des­fe­cho de­ter­mi­na­do – já se ti­nha o cul­pa­do e o ve­re­di­to – res­ta­va a bu­ro­crá­ti­ca en­ce­na­ção do pro­ces­so com apa­rên­cia de le­ga­li­da­de”, diz tre­cho do pe­di­do de li­ber­da­de.

“A His­tó­ria (em maiús­cu­lo) não aca­ba em 2018. Juí­zes jus­ti­cei­ros vêm e vão. O Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral per­ma­ne­ce. É pre­ci­so re­a­fir­mar, nes­te chi­a­ros­cu­ro de nos­sa jo­vem de­mo­cra­cia, o com­pro­mis­so com o Es­ta­do de Di­rei­to e com a ques­tão da li­ber­da­de”, acres­cen­ta o do­cu­men­to.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

, ,