O pre­si­den­te elei­to Jair Bol­so­na­ro (PSL) dis­se nes­te sá­ba­do (1) ain­da não ter de­ci­di­do quem co­man­da­rá o Mi­nis­té­rio do Meio Am­bi­en­te. Po­rém, o po­lí­ti­co adi­an­tou que vai aca­bar com a “for­ma xi­i­ta” co­mo or­ga­ni­za­ções co­mo o Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro do Meio Am­bi­en­te e dos Re­cur­sos Na­tu­rais Re­no­vá­veis (Iba­ma) e o Ins­ti­tu­to Chi­co Men­des de Con­ser­va­ção da Bi­o­di­ver­si­da­de (Icm­bio) “sa­em mul­tan­do”.

Ro­ve­na Rosa/​Agência Bra­sil


O presidente eleito, Jair Bolsonaro, participa na cidade de Guaratinguetá, no Vale do Paraíba, em São Paulo, da formatura de sargentos da Aeronáutica na Escola de Especialistas da Aeronáutica (EEAR)

Bol­so­na­ro afir­mou que ele mes­mo foi mul­ta­do pe­lo Iba­ma em cer­ca de R$ 10 mil em 2012. “Eu sou uma pro­va vi­va do des­ca­so, da par­ci­a­li­da­de e do pés­si­mo tra­ba­lho pres­ta­do por al­guns fis­cais do Iba­ma e Icm­bio. Is­so vai aca­bar”, dis­se. O pre­si­den­te elei­to dis­se que irá aca­bar com a po­lí­ti­ca equi­vo­ca­da “in­di­ge­nis­ta e am­bi­en­tal”.

As de­cla­ra­ções fo­ram fei­tas em Re­sen­de (RJ) on­de o pre­si­den­te elei­to par­ti­ci­pou da for­ma­tu­ra de alu­nos da Aca­de­mia Mi­li­tar das Agu­lhas Ne­gras (AMAN), mes­ma ins­ti­tui­ção em que ele pró­prio se for­mou nos anos 70.

Ele fa­lou ain­da so­bre as de­mar­ca­ções de ter­ras in­dí­ge­nas. Dis­se que­rer o bem-​estar dos ín­di­os integrando-​os à so­ci­e­da­de. “Eles têm as mes­mas ne­ces­si­da­des de nós […] o ín­dio quer mé­di­co, quer den­tis­ta, quer te­le­vi­são, in­ter­net, ele é igual­zi­nho a nós”, afir­mou.

Se­gun­do Bol­so­na­ro, o Bra­sil é o país que mais pre­ser­var o meio am­bi­en­te. “Eu fui, nas mi­nhas an­dan­ças, ao Acre e a Rondô­nia. Em tor­no de 20% des­sas áre­as ape­nas po­dem ser usa­dos em be­ne­fí­cio da po­pu­la­ção”, dis­se. Pa­ra ele, há po­li­ti­cas am­bi­en­tais que não atu­am em prol do Bra­sil, mas sim de ques­tões “ex­tra­ter­ri­to­ri­ais”.

Aumento a militares

Na AMAN, Bol­so­na­ro de­fen­deu a re­vo­ga­ção da Me­di­da Pro­vi­só­ria 2215/​2001 ou a vo­ta­ção das emen­das fei­tas ao tex­to. A MP nun­ca foi vo­ta­da e, en­tre ou­tras me­di­das, aca­bou com a pro­mo­ção au­to­má­ti­ca dos mi­li­ta­res que pas­sam pa­ra a re­ser­va.

O pre­si­den­te elei­to foi ques­ti­o­na­do so­bre se atu­a­ria pa­ra apro­va­ra Pro­pos­ta de Emen­da Cons­ti­tu­ci­o­nal que dá à União o de­ver de pa­gar par­te do sa­lá­rio de po­li­ci­ais mi­li­ta­res. “Um pre­si­den­te po­de mui­to, mas não po­de tu­do”, dis­se.

Bol­so­na­ro dis­se que re­co­nhe­ce o va­lor do tra­ba­lho des­ses pro­fis­si­o­nais, as­sim co­mo bom­bei­ros e guar­das mu­ni­ci­pais. Po­rém, dis­se que uma me­di­da co­mo es­sa se­ria in­cons­ti­tu­ci­o­nal, já que é de­ver dos es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os pa­gar tais ven­ci­men­tos.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,