Ao dis­cur­sar no En­con­tro Anu­al da In­dús­tria Quí­mi­ca, em São Pau­lo, nes­ta sexta-​feira (7), o pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-​RJ), de­cla­rou à pla­teia que não há pau­ta le­gis­la­ti­va ca­paz de ti­rar a pri­o­ri­da­de da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia. Vis­ta co­mo fun­da­men­tal pa­ra o equi­lí­brio das con­tas pú­bli­cas, a atu­a­li­za­ção do sis­te­ma pre­vi­den­ciá­rio não foi pos­sí­vel na ges­tão Mi­chel Te­mer (MDB) e é con­si­de­ra­do in­dis­pen­sá­vel pe­la equi­pe do pre­si­den­te elei­to Jair Bol­so­na­ro (PSL), mas figuras-​chave do pró­xi­mo go­ver­no não têm de­mons­tra­do sin­to­nia so­bre o te­ma – re­a­li­da­de que des­toa da se­gu­ran­ça ma­ni­fes­ta­da por Maia, ele mes­mo às vol­tas com dis­pu­tas pe­la pre­si­dên­cia da Câ­ma­ra.

Agên­cia Bra­sil


Maia: "Nada do que a gente possa discutir aqui, ou em qualquer ambiente, pode superar o tamanho do problema que nós temos no sistema previdenciário"

“Não ha­ve­rá ne­nhu­ma ou­tra agen­da nos pró­xi­mos do­ze me­ses – va­mos cha­mar as­sim pa­ra mos­trar a sua ur­gên­cia – que pos­sa su­pe­rar, ti­rar da pau­ta, a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia. Na­da do que a gen­te pos­sa dis­cu­tir aqui, ou em qual­quer am­bi­en­te, po­de su­pe­rar o ta­ma­nho do pro­ble­ma que nós te­mos no sis­te­ma pre­vi­den­ciá­rio bra­si­lei­ro, que to­dos co­nhe­cem”, dis­cur­sou o par­la­men­tar.

O pro­ble­ma, pa­ra o fu­tu­ro go­ver­no, é que pró­ce­res do PSL, do go­ver­no de tran­si­ção e da equi­pe econô­mi­ca de Bol­so­na­ro não con­se­guem se en­ten­der a res­pei­to do as­sun­to. O pró­prio pre­si­den­te elei­to, que che­gou até a con­si­de­rar a apro­va­ção da pro­pos­ta em fa­ti­as, não de­mons­tra ter de­ci­di­do o que fa­zer so­bre a re­for­ma a par­tir de 2019.

Na úl­ti­ma quarta-​feira (5), Bol­so­na­ro che­gou a de­cla­rar que as dis­cus­sões da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia no Con­gres­so co­me­ça­rão já nos seis pri­mei­ros me­ses do pró­xi­mo ano. Na vés­pe­ra, o ca­pi­tão da re­ser­va co­gi­tou a apre­sen­ta­ção de uma pro­pos­ta fa­ti­a­da aos par­la­men­ta­res – co­me­çan­do pe­la Câ­ma­ra de Maia, nos ter­mos da lei quan­do se tra­ta de pro­pos­ta de emen­da à Cons­ti­tui­ção, co­mo é o ca­so da re­for­ma pre­vi­den­ciá­ria.

A pre­ten­são da ho­ra pa­ra Bol­so­na­ro é o au­men­to de dois anos, “pa­ra to­do mun­do”, na ida­de mí­ni­ma pa­ra apo­sen­ta­do­ria, co­mo pon­ta­pé ini­ci­al das ne­go­ci­a­ções. Ele tam­bém quer a ma­nu­ten­ção da atu­al di­fe­ren­ça de ida­de en­tre ho­mens e mu­lhe­res no aces­so ao be­ne­fí­cio.

Co­or­de­na­dor do go­ver­no de tran­si­ção, o fu­tu­ro ministro-​chefe da Ca­sa Ci­vil, Onyx Lo­ren­zo­ni (DEM), au­men­tou o qua­dro de in­de­fi­ni­ção ao di­zer que a re­for­ma não sai­rá do pa­pel, ne­ces­sa­ri­a­men­te, em 2019. Se­gun­do Onyx, Bol­so­na­ro te­rá mais tem­po co­mo pre­si­den­te, e não pre­ci­sa­rá apro­var uma re­for­ma “no afo­ga­di­lho” – o go­ver­no Bol­so­na­ro não abri­rá mão de “apre­sen­tar o mo­de­lo apre­sen­ta­do pe­las nos­sas equi­pes téc­ni­cas pa­ra du­rar 30 anos”, ga­ran­te.

Onyx se re­fe­re à ideia do “su­per­mi­nis­tro” da Eco­no­mia, Pau­lo Gue­des – sua “su­per­pas­ta” reu­ni­rá Fa­zen­da, Pla­ne­ja­men­to e De­sen­vol­vi­men­to, In­dús­tria e Co­mér­cio Ex­te­ri­or. Ele pro­põe “a in­tro­du­ção de um sis­te­ma com con­tas in­di­vi­du­ais de ca­pi­ta­li­za­ção”, em mo­de­lo que re­for­ça­ria o pa­pel da pre­vi­dên­cia pri­va­da.

Bol­so­na­ro, no en­tan­to, de­sau­to­ri­zou Onyx no dia se­guin­te com a his­tó­ria da re­for­ma fa­ti­a­da pa­ra fa­ci­li­tar a apro­va­ção – que exi­gi­rá ade­são de três quin­tos do Con­gres­so, ou se­ja, ao me­nos 308 dos 513 de­pu­ta­dos e 49 dos 81 se­na­do­res. Dois di­as de­pois, o pre­si­den­te elei­to ar­re­ma­tou re­for­çou que a me­ta é apro­var o au­men­to da ida­de mí­ni­ma nos pri­mei­ros seis me­ses de go­ver­no, em­bo­ra os de­ta­lhes do pla­no ain­da não es­te­jam cla­ros.

Voo de galinha x voo de cruzeiro

Pau­lo Gue­des já tra­vou uma “con­ver­sa rís­pi­da” com se­na­do­res ao tra­tar da re­for­ma, deixando-​os “hor­ro­ri­za­dos”. O re­la­to foi fei­to pe­lo pre­si­den­te do Se­na­do, Eu­ní­cio Oli­vei­ra (MDB-​CE). Ago­ra, di­an­te da cer­te­za de que a ma­té­ria não se­rá vo­ta­da nes­te ano, o gu­ru econô­mi­co de Bol­so­na­ro já aler­tou os mem­bros da equi­pe de tran­si­ção so­bre os ris­cos de a ma­té­ria não ser apro­va­da já no pri­mei­ro ano de ges­tão.

Se­gun­do re­la­to do blog do jor­na­lis­ta Ger­son Ca­ma­rot­ti (G1), pa­ra ilus­trar a gra­vi­da­de da si­tu­a­ção, o fu­tu­ro mi­nis­tro che­ga a usar me­tá­fo­ra en­te o go­ver­no e du­as ae­ro­na­ves em ple­no voo: na hi­pó­te­se de apro­va­ção da re­for­ma, “voo de cru­zei­ro”; em ca­so de fra­cas­so, tur­bu­lên­cia e tra­je­tó­ria de que­da. Tra­du­zin­do, se­gun­do a vi­são de Pau­lo Gue­des: sem a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, o go­ver­no po­de até de­co­lar, mas não se sus­ten­ta em “céu de bri­ga­dei­ro”.

Não bas­tas­se o qua­dro de in­cer­te­za, no even­to em São Pau­lo Maia ain­da de­fen­deu os pro­je­tos que a Câ­ma­ra tem apro­va­do e que, pa­ra in­te­gran­tes da equi­pe de tran­si­ção, sig­ni­fi­cam uma “pauta-​bomba” pa­ra o pró­xi­mo go­ver­no por re­pre­sen­ta­rem au­men­to de gas­tos pú­bli­cos – um exem­plo é a pro­pos­ta que, apro­va­da na úl­ti­ma quarta-​feira (5), põe fim ás pu­ni­ções pa­ra mu­ni­cí­pi­os que ex­tra­po­la­rem te­to de gas­tos com pes­so­al.

“Es­tá se tra­tan­do da que­da de ar­re­ca­da­ção de mais de 10% de trans­fe­rên­ci­as e de in­cen­ti­vos fis­cais, que é exa­ta­men­te quan­do o go­ver­no to­ma uma de­ci­são e im­pac­ta as re­cei­tas dos mu­ní­ci­os. Os mu­ni­cí­pi­os, en­tão, não têm co­mo re­a­gir”, de­cla­rou o de­pu­ta­do após o even­to da in­dús­tria quí­mi­ca.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,