O go­ver­no do pre­si­den­te elei­to Jair Bol­so­na­ro (PSL) de­ve­rá ten­tar apro­var não uma, mas du­as re­for­mas da Pre­vi­dên­cia no ano que vem. A equi­pe econô­mi­ca pla­ne­ja ver uma me­di­da pa­li­a­ti­va em vi­gor no pri­mei­ro se­mes­tre, ape­nas pa­ra al­te­rar o sis­te­ma que vi­go­ra ho­je e, lo­go em se­gui­da, no se­gun­do se­mes­tre, apre­sen­tar a pro­pos­ta in­te­gral da equi­pe de Pau­lo Gue­des, fu­tu­ro mi­nis­tro da Eco­no­mia.

Fa­bio Ro­dri­gues Pozzebom/​Agência Bra­sil


Guedes com parlamentares da Comissão de Orçamento: equipe econômica dependerá do humor do Congresso

Es­ta se­gun­da re­for­ma pro­põe um no­vo mo­de­lo com a cri­a­ção de con­tas in­di­vi­du­ais de ca­pi­ta­li­za­ção e é pro­je­ta­da pe­lo go­ver­no Bol­so­na­ro pa­ra cri­ar a “Pre­vi­dên­cia do Fu­tu­ro”. O ob­je­ti­vo, se­gun­do o no­vo go­ver­no, é fa­zer o sis­te­ma se sus­ten­tar por ao me­nos 30 anos.

“Es­se mo­de­lo [a Pre­vi­dên­cia atu­al] cla­ra­men­te es­tá sem a mí­ni­ma con­di­ção de con­ti­nu­ar. A bom­ba fis­cal exis­te, o dé­fi­cit é cres­cen­te, en­tão nes­ses seis pri­mei­ros me­ses vai se tra­ba­lhar nis­so”, afir­mou ao Con­gres­so em Fo­co o de­pu­ta­do fe­de­ral Ro­gé­rio Ma­ri­nho (PSDB), in­di­ca­do por Gue­des na úl­ti­ma terça-​feira (11) pa­ra as­su­mir a Se­cre­ta­ria da Pre­vi­dên­cia.

Ain­da não se de­fi­niu co­mo se­rá a re­for­ma pro­vi­só­ria, do pri­mei­ro se­mes­tre. Bol­so­na­ro tem di­to que po­de­ria se pro­por ape­nas a re­du­ção da ida­de mí­ni­ma de apo­sen­ta­do­ri­as, mas a ques­tão não es­tá fe­cha­da. “Es­ta­mos de­fi­nin­do uma es­tra­té­gia”, diz Ma­ri­nho. O fu­tu­ro se­cre­tá­rio es­pe­ra que o pla­no es­te­ja pron­to no pra­zo de 10 a 15 di­as, an­tes da pos­se do pre­si­den­te elei­to.

No Congresso

Pa­ra Ma­ri­nho, en­fren­tar o pro­ble­ma fis­cal é uma ques­tão “ina­diá­vel” e tem de ser tra­ta­do co­mo pri­o­ri­da­de. “Se es­sa bom­ba não for de­sar­ma­da, e es­sa bom­ba es­tá no mo­de­lo atu­al de Pre­vi­dên­cia e Se­gu­ri­da­de, nós não te­re­mos con­di­ção de tra­zer qual­quer ou­tra pau­ta com tran­qui­li­da­de”, de­fen­de o tu­ca­no.

A apro­va­ção de uma pro­pos­ta de emen­da à Cons­ti­tui­ção (PEC) exi­ge o apoio de, ao me­nos 308, de­pu­ta­dos e 49 se­na­do­res em dois tur­nos de vo­ta­ção em ca­da ca­sa le­gis­la­ti­va. A re­for­ma da Pre­vi­dên­cia foi tra­ta­da co­mo pri­o­ri­da­de pe­lo pre­si­den­te Mi­chel Te­mer des­de o iní­cio de sua ges­tão, ain­da tem­po­rá­ria, em maio de 2016.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,