O fu­tu­ro mi­nis­tro da Eco­no­mia, Pau­lo Gue­des, dis­se nes­ta segunda-​feira (17) que pre­ten­de ho­ri­zon­ta­li­zar os im­pos­tos, aca­ban­do com isen­ções e sub­sí­di­os, cor­tan­do in­clu­si­ve ver­bas do Sis­te­ma S, que de­ve so­frer re­du­ção em tor­no de 30%, po­den­do che­gar a 50% dos re­pas­ses. “É a con­tri­bui­ção, co­mo va­mos pe­dir o sa­cri­fí­cio do ou­tro sem dar o nos­so?”, ques­ti­o­nou.

Fá­bio Ro­dri­gues Pozzebom/​Agência Bra­sil


“É a contribuição, como vamos pedir o sacrifício do outro sem dar o nosso?”, questiona o futuro ministro da Economia

Pau­lo Gue­des pa­ra uma pla­teia de em­pre­sá­ri­os na Fe­de­ra­ção das In­dús­tri­as do Es­ta­do do Rio de Ja­nei­ro (Fir­jan), no even­to En­cer­ra­men­to das Ati­vi­da­des 2018 e Pers­pec­ti­vas 2019. Tam­bém par­ti­ci­pa­ram do al­mo­ço o pre­fei­to do Rio Mar­ce­lo Cri­vel­la e o go­ver­na­dor elei­to do es­ta­do, Wil­son Wit­zel.

O fu­tu­ro mi­nis­tro dis­se que tam­bém é ne­ces­sá­rio fa­zer uma re­for­ma do Es­ta­do e ga­ran­tir um no­vo ei­xo de go­ver­na­bi­li­da­de, com a re­to­ma­da do pac­to fe­de­ra­ti­vo, e “cor­ri­gir a hi­per­tro­fia do go­ver­no fe­de­ral”. “Nós que­re­mos re­com­por o fe­de­ra­lis­mo, des­cen­tra­li­zar re­cur­sos pa­ra os es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os. Le­vem os re­cur­sos, le­vem as atri­bui­ções”.

Previdência

Gue­des dis­se que uma das pri­o­ri­da­des do no­vo go­ver­no é a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, que de­ve­rá in­cluir um sis­te­ma de ca­pi­ta­li­za­ção “pa­ra ga­ran­tir as ge­ra­ções fu­tu­ras”. Ele com­pa­rou o sis­te­ma atu­al, com­par­ti­lha­do, com um avião “pres­tes a cair” por cau­sa da “bom­ba de­mo­grá­fi­ca” que o país en­fren­ta com o en­ve­lhe­ci­men­to da po­pu­la­ção.

Se­gun­do o fu­tu­ro mi­nis­tro, é pre­ci­so fa­zer co­mo foi fei­to no Chi­le e tran­si­tar “na di­re­ção de um sis­te­ma de ca­pi­ta­li­za­ção”. “Pri­mei­ro va­mos ten­tar acer­tar es­se [sis­te­ma] que es­tá aí e de­pois a gen­te apro­fun­da e vai na li­ber­ta­ção das ge­ra­ções fu­tu­ras, com um sis­te­ma de ca­pi­ta­li­za­ção que de­mo­cra­ti­za o há­bi­to de pou­pan­ça, li­ber­ta as em­pre­sas dos en­car­gos tra­ba­lhis­tas. Vai ser um cho­que de cri­a­ção de no­vos em­pre­gos, dá a por­ta­bi­li­da­de, di­rei­to de in­ves­tir on­de qui­ser”.

Gue­des ex­pli­cou que, nes­se no­vo sis­te­ma, o Es­ta­do ga­ran­te o re­sul­ta­do, mas não ope­ra di­re­ta­men­te, agin­do co­mo co­or­de­na­dor e fis­cal. Com is­so, se­gun­do o fu­tu­ro mi­nis­tro, o país cria “uma enor­me in­dús­tria pre­vi­den­ciá­ria que vai bo­tar o Bra­sil pa­ra cres­cer 4%, 5% ao ano”. Gue­des dis­se que o no­vo sis­te­ma se­rá ape­nas pa­ra os jo­vens que in­gres­sa­rem no mer­ca­do de tra­ba­lho, as­sim co­mo o no­vo re­gi­me tra­ba­lhis­ta, on­de va­le a ne­go­ci­a­ção, que se­rá op­ta­ti­vo.

Classe política

O fu­tu­ro mi­nis­tro dis­se ser ne­ces­sá­ria a re­a­bi­li­ta­ção da clas­se po­lí­ti­ca, pa­ra que os elei­tos as­su­mam o pro­ta­go­nis­mo das ações. “Che­gar e ‘olha, va­mos des­vin­cu­lar, des­ca­rim­bar es­se di­nhei­ro’. Es­ses ob­je­ti­vos de­ci­di­dos há 30 anos já fo­ram atin­gi­dos? Se não fo­ram atin­gi­dos, pe­lo me­nos de­ci­dam. Vo­cês que­rem mais na de­fe­sa, na se­gu­ran­ça pú­bli­ca, mais na saú­de? Na edu­ca­ção? Sub­sí­di­os pa­ra de­si­gual­da­de re­gi­o­nal? Ve­nham aqui e as­su­mam a res­pon­sa­bi­li­da­de e o pro­ta­go­nis­mo”.

Se­gun­do Gue­des, atu­al­men­te o po­lí­ti­co tem uma vi­da “de­sa­gra­dá­vel” com mui­tos pri­vi­lé­gi­os e ne­nhu­ma atri­bui­ção. “Es­tá pa­re­ci­do com a no­bre­za fran­ce­sa, mas a gui­lho­ti­na aqui é mi­diá­ti­ca, ca­da ho­ra cai em um pes­co­ço. Uma clas­se que só tem pri­vi­lé­gi­os e não tem atri­bui­ções es­tá en­fra­que­ci­da. Eles já sa­bem que não tem mais o to­ma lá dá cá e vão ter que se rein­ven­tar”.

O fu­tu­ro mi­nis­tro dis­se que, se não for pos­sí­vel im­plan­tar as me­di­das que pre­ten­de por di­fi­cul­da­des po­lí­ti­cas ou fal­ta de apoio, ele dei­xa­rá o go­ver­no. “Quem ba­ter no mi­nis­tro da Eco­no­mia le­va mais? Não vai, por­que eu jo­go as cha­ves fo­ra an­tes”, dis­se se re­fe­rin­do à prá­ti­ca que, se­gun­do ele, é re­cor­ren­te no país, dos go­ver­na­do­res e pre­fei­tos irem pe­dir re­cur­sos di­re­ta­men­te aos mi­nis­tros, em vez de bus­ca­rem alo­car ver­bas no Or­ça­men­to.

Gue­des dis­se tam­bém que não vai in­ter­fe­rir nas atu­ais ne­go­ci­a­ções so­bre o me­ga­lei­lão do ex­ce­den­te do pe­tró­leo da ca­ma­da pré-​sal e que vai tra­tar da ces­são one­ro­sa no pró­xi­mo ano.

Firjan

A Fir­jan di­vul­gou, no iní­cio da noi­te des­ta segunda-​feira, no­ta a res­pei­to da de­cla­ra­ção do fu­tu­ro mi­nis­tro da eco­no­mia so­bre cor­tes de re­cur­sos no Sis­te­ma S. De acor­do com a no­ta, a pa­les­tra de Gue­des foi uma “opor­tu­ni­da­de de com­pre­en­der os de­sa­fi­os do país e da equi­pe econô­mi­ca ao lon­go dos pró­xi­mos qua­tro anos” e os co­men­tá­ri­os de Gue­des pre­ci­sam ser en­ca­ra­dos co­mo “par­te des­te de­sa­fio, o, em es­pe­ci­al de uma dis­cus­são mais am­pla so­bre o pa­pel das en­ti­da­des de re­pre­sen­ta­ção em­pre­sa­ri­al num ce­ná­rio de ne­ces­si­da­de de re­du­ção de cus­tos e res­ga­te da com­pe­ti­ti­vi­da­de do país”.

A en­ti­da­de diz que che­gou o mo­men­to de uma dis­cus­são “fran­ca e trans­pa­ren­te com o go­ver­no” e es­tá cla­ra a dis­po­si­ção do fu­tu­ro mi­nis­tro em di­a­lo­gar. “É evi­den­te que, co­mo par­te des­ta in­ter­lo­cu­ção, se­rá pos­sí­vel ex­por o pa­pel fun­da­men­tal de­sem­pe­nha­do pe­las en­ti­da­des que com­põem o Sis­te­ma S na for­ma­ção da mão de obra e na par­ce­ria em áre­as crí­ti­cas e ha­bi­tu­al­men­te de­sas­sis­ti­das co­mo saú­de e edu­ca­ção.”

A no­ta tam­bém diz que é im­por­tan­te que as li­de­ran­ças em­pre­sa­ri­ais se mos­trem sen­sí­veis e pa­ra ofe­re­cer sua con­tri­bui­ção pa­ra o mai­or de ajus­te das con­tas da União, mas que se­rá im­por­tan­te que o Go­ver­no es­te­ja aber­to a “ouvi-​las pa­ra com­pre­en­der, em to­da a sua di­men­são, o pa­pel so­ci­al ines­ti­má­vel das ins­ti­tui­ções que in­te­gram o Sis­te­ma S em to­do o Bra­sil”.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

, ,