Em uma men­sa­gem de Na­tal di­re­ci­o­na­da aos mi­li­tan­tes do PT que fa­zem vi­gí­lia em fren­te à se­de da Po­lí­cia Fe­de­ral em Cu­ri­ti­ba, o ex-​presidente Lu­la afir­mou que a mi­li­tân­cia não de­ve se im­pres­si­o­nar com “va­len­tões”. “Si­ga­mos for­tes. O ódio po­de es­tar na mo­da, mas não te­mam nem se im­pres­si­o­nem com es­sas pes­so­as po­san­do de va­len­tões”, dis­se. “O tem­po de­les vai pas­sar”, fi­na­li­zou.

Mar­ce­lo Camargo/​Agência Bra­sil


Lula está preso desde 7 de abril, em Curitiba, após ter sido condenado em 2ª Instância

A car­ta es­cri­ta por Lu­la foi li­da pe­lo ex-​prefeito de São Ber­nar­do do Cam­po Luiz Ma­ri­nho (PT-​SP) na noi­te de Na­tal, nes­ta terça-​feira (24). Cer­ca de 300 ma­ni­fes­tan­tes par­ti­ci­pa­vam da vi­gí­lia or­ga­ni­za­da pe­lo acam­pa­men­to “Lu­la Li­vre”, que con­tou com ceia de na­tal e can­to co­ral do clás­si­co “Noi­te Fe­liz”.

Lu­la la­men­tou não po­der pas­sar a da­ta com os fi­lhos e ne­tos, mas afir­mou aos in­te­gran­tes do acam­pa­men­to que eles têm si­do sua fa­mí­lia des­de que foi pre­so no âm­bi­to da Ope­ra­ção La­va Ja­to, em abril des­te ano. “Que­ro agra­de­cer a com­pa­nhia que têm me fei­to a ca­da dia, to­do o dia, du­ran­te es­sa pro­va­ção no frio do in­ver­no do Pa­ra­ná e no ca­lor que tem fei­to es­ses di­as”, dis­se.

Confira a íntegra da carta:

“Meus ami­gos e mi­nhas ami­gas,

O Na­tal é a épo­ca do ano em que lem­bra­mos com mais for­ça da vin­da de Je­sus, dos ide­ais de so­li­da­ri­e­da­de e bon­da­de cris­tãos. Nos apro­xi­ma­mos da fa­mí­lia e dos ami­gos, ce­le­bra­mos jun­tos, nos abra­ça­mos e reu­ni­mos for­ça pa­ra o ano se­guin­te.

Es­se Na­tal não po­de­rei es­tar jun­to fi­si­ca­men­te com a mi­nha fa­mí­lia, meus fi­lhos e ne­tos. Mas não es­tou so­zi­nho. Es­tou com vo­cês da vi­gí­lia, que tem si­do mi­nha fa­mí­lia, e com to­dos aque­les que vi­e­ram pas­sar es­se Na­tal jun­to de vo­cês.

Que­ro agra­de­cer a com­pa­nhia que tem me fei­to a ca­da dia, to­do o dia, du­ran­te es­sa pro­va­ção, no frio do in­ver­no do Pa­ra­ná ou no ca­lor que tem fei­to es­ses di­as.

Si­ga­mos for­tes. O ódio po­de es­tar na mo­da, mas não te­mam nem se im­pres­si­o­nem com es­sas pes­so­as po­san­do de va­len­tões. O tem­po de­les vai pas­sar e a ver­da­dei­ra men­sa­gem de Je­sus, um mar­ce­nei­ro que foi per­se­gui­do pe­los ven­di­lhões do tem­plo, pe­los sol­da­dos e pe­los pro­mo­to­res dos po­de­ro­sos, vai con­ti­nu­ar a eco­ar em ca­da Na­tal: uma men­sa­gem de amor, fra­ter­ni­da­de e es­pe­ran­ça.

A lu­ta por um mun­do me­lhor con­ti­nua.

Fe­liz Na­tal,

Lu­la”

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,