O mi­nis­tro da Eco­no­mia, Pau­lo Gue­des, afir­mou na tar­de des­ta quarta-​feira (2), após a so­le­ni­da­de trans­mis­são de car­go, que a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia é o pri­mei­ro e o mai­or de­sa­fio do go­ver­no do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro (PSL). Em seu dis­cur­so de cer­ca de uma ho­ra, Gue­des afir­mou que a “ex­pan­são con­tí­nua e inin­ter­rup­ta, por qua­tro dé­ca­das, dos gas­tos pú­bli­cos” foi o que “cor­rom­peu e fez o Bra­sil pa­rar de cres­cer”.

Val­ter Campanato/​Agência Bra­sil


O ministro da Economia, Paulo Guedes, discursa na solenidade de transmissão de cargo

O no­vo mi­nis­tro dis­se que a Pre­vi­dên­cia é a pri­mei­ra gran­de des­pe­sa da União e que, se a re­for­ma que ele pla­ne­ja for apro­va­da, o Bra­sil te­rá “dez anos de cres­ci­men­to sus­ten­tá­vel”. Se is­so não ocor­rer, ad­ver­tiu, se­rá pre­ci­so al­te­rar a Cons­ti­tui­ção pa­ra des­vin­cu­lar as re­cei­tas da União. Na prá­ti­ca, a me­di­da aca­ba com a ga­ran­tia de re­cur­sos mí­ni­mos pa­ra áre­as co­mo saú­de e edu­ca­ção.

“Es­sa pri­mei­ra gran­de des­pe­sa, que é a des­pe­sa da Pre­vi­dên­cia é o pri­mei­ro e mai­or de­sa­fio a ser en­fren­ta­do. Se for bem-​sucedido es­se en­fren­ta­men­to, a dois me­ses a nos­sa fren­te, te­mos dez anos de cres­ci­men­to sus­ten­tá­vel pe­la fren­te. Se não for, te­mos su­ges­tões tam­bém. Se is­so fa­lhar, te­mos uma PEC tam­bém. Por­que es­sas des­pe­sas vão se cho­car con­tra o te­to. E aí tem que es­co­lher, ou se­gu­ra o te­to, de­sin­de­xa, des­vin­cu­la e de­so­bri­ga to­das as des­pe­sas da União. Re­a­bi­li­ta a clas­se po­lí­ti­ca bra­si­lei­ra, tem que sair e fa­zer as es­co­lhas”, dis­cur­sou. “O ca­pi­tão (Bol­so­na­ro) po­de ser o ca­mi­nho pa­ra a re­a­bi­li­ta­ção da clas­se po­lí­ti­ca, as­su­min­do o Or­ça­men­to, os ônus e bô­nus”, pro­vo­cou.

Gue­des afir­mou que a Pre­vi­dên­cia é “fá­bri­ca de de­si­gual­da­des” e que aque­les que le­gis­lam e jul­gam têm mai­o­res apo­sen­ta­do­ri­as e o po­vo bra­si­lei­ro, as me­no­res. Pa­ra o no­vo mi­nis­tro, as re­for­mas se­rão a “pa­re­de” de sus­ten­ta­ção do te­to dos gas­tos pú­bli­cos.

Ao to­mar pos­se do su­per­mi­nis­té­rio da Eco­no­mia, que en­glo­ba as an­ti­gas pas­tas da Fa­zen­da, Pla­ne­ja­men­to e In­dús­tria e Co­mér­cio Ex­te­ri­or, ele res­sal­tou que, jun­to com as re­for­mas, a po­lí­ti­ca econô­mi­ca do go­ver­no se­rá ba­se­a­da em ou­tros dois pi­la­res: pri­va­ti­za­ções ace­le­ra­das e sim­pli­fi­ca­ção tri­bu­tá­ria.

“Não pos­so abrir a eco­no­mia. Vo­cê amar­ra uma bo­la de fer­ro na per­na di­rei­ta, os ju­ros al­tos, uma na per­na es­quer­da, car­ga tri­bu­tá­ria e um pi­a­no nas cos­tas, os en­car­gos tra­ba­lhis­tas e diz: cor­re que o chi­nês vai te pe­gar. Não é ra­zoá­vel. Não tem na­da de su­per­mi­nis­té­ri­os. É só can­tar a mes­ma mú­si­ca e daí eu ter cha­ma­do os Chi­ca­go Ol­di­es, por­que eles co­nhe­cem es­sa can­ção”, de­cla­rou. “O Bra­sil dei­xa­rá de ser o pa­raí­so do ren­tis­ta e o in­fer­no dos em­pre­en­de­do­res”, pro­me­teu.

Em seu dis­cur­so, Gue­des tam­bém fez crí­ti­cas aos ban­cos pú­bli­cos, de­fen­deu a “rá­pi­da de­ses­ta­ti­za­ção” e vol­tou a ci­tar “vou­chers” pa­ra edu­ca­ção, mas não apro­fun­dou o te­ma. “Es­sa in­sis­tên­cia no Es­ta­do co­mo mo­tor de cres­ci­men­to pro­du­ziu es­sa ex­pan­são de gas­tos pú­bli­cos, cor­rom­pen­do a po­lí­ti­ca e es­tag­nan­do a eco­no­mia. São dois fi­lhos bas­tar­dos do mes­mo fenô­me­no. O Bra­sil pa­rou de cres­cer pe­lo ex­ces­so de gas­tos”, cri­ti­cou.

Ele tam­bém de­fen­deu uma re­vi­são na dis­tri­bui­ção dos re­cur­sos en­tre es­ta­dos, mu­ni­cí­pi­os e União. “Nós va­mos da di­re­ção da li­be­ral de­mo­cra­cia. Nós va­mos des­cen­tra­li­zar os re­cur­sos pa­ra es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os”, afir­mou. Gue­des dis­se que a clas­se po­lí­ti­ca pre­ci­sa re­as­su­mir o con­tro­le do Or­ça­men­to.

Se­gun­do o jor­nal Fo­lha de S. Pau­lo, a equi­pe de Gue­des já tem pron­ta uma me­di­da pro­vi­só­ria (MP) que re­vê re­gras da Pre­vi­dên­cia. A me­di­da fa­rá ajus­tes nas re­gras e a ex­pec­ta­ti­va é de que ge­re uma eco­no­mia de R$ 50 bi­lhões em dez anos.

De acor­do com a re­por­ta­gem do jor­nal, se­rão fei­tos ajus­tes co­mo a im­po­si­ção de re­gras mais ri­go­ro­sas pa­ra li­be­rar be­ne­fí­ci­os da Pre­vi­dên­cia ru­ral e no­vas nor­mas pa­ra re­a­ver re­cur­sos li­be­ra­dos por de­ci­sões ju­di­ci­ais e que mais tar­de são can­ce­la­dos no jul­ga­men­to fi­nal da cau­sa.

Com a MP, Gue­des ga­ran­te que as mu­dan­ças pas­sem a va­ler as­sim que a me­di­da for di­vul­ga­da no Diá­rio Ofi­ci­al da União (DOU) por pe­lo me­nos 120 di­as, pra­zo fi­nal pa­ra que o tex­to se­ja apro­va­do ou re­jei­ta­do pe­lo Con­gres­so.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,