O pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro dis­se que a pro­pos­ta de re­for­ma da Pre­vi­dên­cia em dis­cus­são no go­ver­no pre­vê a ida­de mí­ni­ma de 62 anos pa­ra os ho­mens e 57 anos pa­ra as mu­lhe­res com au­men­to gra­da­ti­vo. Se­gun­do Bol­so­na­ro, se­ria mais um ano a par­tir da pro­mul­ga­ção e ou­tro em 2022, mas com di­fe­ren­ças de ida­de mí­ni­ma de acor­do com a ca­te­go­ria pro­fis­si­o­nal e a ex­pec­ta­ti­va de vi­da.

Mar­cos Corrêa/​Agência Bra­sil


Presidente Jair Bolsonaro se reuniu nesta quinta com o Conselho de Governo no Palácio do Planalto

Se­gun­do Bol­so­na­ro, o fu­tu­ro pre­si­den­te ava­li­a­ria a ne­ces­si­da­de de no­vos ajus­tes no sis­te­ma pre­vi­den­ciá­rio. “Quan­do vo­cê co­lo­ca tu­do de uma vez só no pa­co­te, vo­cê po­de er­rar, e nós não que­re­mos er­rar”, dis­se em en­tre­vis­ta ao SBT, a pri­mei­ra após ter to­ma­do pos­se.

O pre­si­den­te in­di­cou que as me­di­das vi­sam prin­ci­pal­men­te a pre­vi­dên­cia dos ser­vi­do­res pú­bli­cos. “O que mais pe­sa no or­ça­men­to é a ques­tão da pre­vi­dên­cia pú­bli­ca, que te­rá mai­or aten­ção da nos­sa par­te. Va­mos bus­car tam­bém eli­mi­nar pri­vi­lé­gi­os”, afir­mou o pre­si­den­te, que des­car­tou au­men­tar a alí­quo­ta de con­tri­bui­ção pre­vi­den­ciá­ria dos ser­vi­do­res, ho­je em 11%.

Diferenciação

Bol­so­na­ro dis­se que a re­for­ma não vai es­ta­be­le­cer re­gras úni­cas pa­ra to­dos os se­to­res e to­das as ca­te­go­ri­as pro­fis­si­o­nais. Ci­tou a ex­pec­ta­ti­va de vi­da no Pi­auí, que é 69 anos, ar­gu­men­tan­do que se­ria “um pou­co for­te es­ta­be­le­cer a ida­de mí­ni­ma de 65 anos”, co­mo pre­via o tex­to da re­for­ma en­vi­a­do ao Con­gres­so pe­lo go­ver­no do ex-​presidente Mi­chel Te­mer.

A di­fe­ren­ci­a­ção vi­sa, con­for­me Bol­so­na­ro, fa­ci­li­tar a apro­va­ção no Con­gres­so, mas tam­bém evi­tar “in­jus­ti­ça com aque­les que têm ex­pec­ta­ti­va de vi­da me­nor”. O pre­si­den­te vol­tou a di­zer que po­de­rá apro­vei­tar a pro­pos­ta já em tra­mi­ta­ção na Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos, com al­guns ajus­tes.

“O que que­re­mos é apro­vei­tar a re­for­ma que já es­tá na Câ­ma­ra, que co­me­çou com o se­nhor Mi­chel Te­mer. A boa re­for­ma é aque­la que pas­sa na Câ­ma­ra e no Se­na­do, não aque­la que es­tá na mi­nha ca­be­ça ou na [ca­be­ça] da equi­pe econô­mi­ca”, afir­mou.

Bol­so­na­ro ar­gu­men­tou que a re­for­ma é ne­ces­sá­ria pa­ra im­pe­dir que o país “em mais dois ou três anos en­tre em co­lap­so”, a exem­plo do que ocor­reu com a Gré­cia. “Ago­ra to­dos te­rão de con­tri­buir um pou­co pa­ra que ela se­ja apro­va­da. Eu acre­di­to que o Par­la­men­to não vai fal­tar ao Bra­sil”, dis­se.

Justiça do Trabalho

Se­gun­do o pre­si­den­te, o go­ver­no po­de­rá pro­por a ex­tin­ção da Jus­ti­ça do Tra­ba­lho, trans­fe­rin­do pa­ra a Jus­ti­ça co­mum as ações tra­ba­lhis­tas. “Qual país do mun­do que tem? Tem que ser Jus­ti­ça co­mum e tem que ter a su­cum­bên­cia – quem en­trou na Jus­ti­ça e per­deu tem de pa­gar”, ar­gu­men­tou.

Bol­so­na­ro dis­se que, an­tes da re­for­ma tra­ba­lhis­ta, ha­via 4 mi­lhões de ações tra­ba­lhis­tas em tra­mi­ta­ção. “Nin­guém aguen­ta is­so. Nós te­mos mais ações tra­ba­lhis­tas que o mun­do in­tei­ro. Al­go es­tá er­ra­do, é o ex­ces­so de pro­te­ção”, afir­mou.

O pre­si­den­te vol­tou a cri­ti­car o ex­ces­so de en­car­gos tra­ba­lhis­tas, que aca­bam one­ran­do a mão de obra no país. Bol­so­na­ro afir­mou que não vai me­xer em di­rei­tos tra­ba­lhis­tas pre­vis­tos na Cons­ti­tui­ção, mas que vai apro­fun­dar a re­for­ma tra­ba­lhis­ta. “O Bra­sil é um país de di­rei­tos em ex­ces­so, mas fal­ta em­pre­go. Nos Es­ta­dos Uni­dos, não têm qua­se di­rei­to tra­ba­lhis­ta. Não adi­an­ta vo­cê ter di­rei­tos e não ter em­pre­go”, afir­mou.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,