Ho­ras após a re­ve­la­ção de dois me­mo­ran­dos que sus­pen­di­am to­dos os pro­ces­sos li­ga­dos à re­for­ma agrá­ria no Bra­sil se­rem re­ve­la­dos pe­la or­ga­ni­za­ção não-​governamental Re­pór­ter Bra­sil, o Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Co­lo­ni­za­ção e Re­for­ma Agrá­ria (In­cra) re­cu­ou.

Agên­cia Bra­sil


Após dois memorandos que suspendiam reforma agrária, o presidente substituto do Incra emitiu novo memorando para avisar superintendências de que "não há determinação do Governo Federal de suspender as ações das políticas de reforma agrária e de ordenamento fundiário"

Em no­vo me­mo­ran­do, en­vi­a­do pou­co após as 22h de on­tem (ter­ça, 8) pa­ra to­das as su­pe­rin­ten­dên­ci­as do ór­gão, o pre­si­den­te subs­ti­tu­to do In­cra, Fran­cis­co Jo­sé Nas­ci­men­to, avi­sa que “não há de­ter­mi­na­ção do Go­ver­no Fe­de­ral de sus­pen­der as ações das po­lí­ti­cas de re­for­ma agrá­ria e de or­de­na­men­to fun­diá­rio”.

A de­ter­mi­na­ção pa­ra que as su­pe­rin­ten­dên­ci­as en­vi­em ain­da ho­je um le­van­ta­men­to de to­dos os imó­veis que po­dem ser des­ti­na­dos pa­ra a re­for­ma agrá­ria.

Há qua­se três anos, pro­ces­so re­la­ci­o­na­dos à re­for­ma agrá­ria fo­ram pa­ra­li­sa­dos por mais de um ano, por de­ter­mi­na­ção do Tri­bu­nal de Con­tas da União (TCU). Uma me­di­da cau­te­lar que ha­via si­do emi­ti­da pe­lo pró­prio ór­gão, em abril 2016, obri­ga­va o In­cra a sus­pen­der os pro­ces­sos de se­le­ção de can­di­da­tos ao Pro­gra­ma Na­ci­o­nal de Re­for­ma Agrá­ria (PNRA) e de as­sen­ta­men­to de be­ne­fi­ciá­ri­os já se­le­ci­o­na­dos.

A me­di­da vi­go­rou por qua­se um ano e meio, en­quan­to o TCU apu­ra­va sus­pei­tas de ir­re­gu­la­ri­da­des em ca­das­tros de be­ne­fi­ciá­ri­os.

Memorandos

Os pri­mei­ros me­mo­ran­dos que pa­ra­li­sa­vam os pro­ces­sos de com­pra e ob­ten­ção de ter­ras pa­ra cri­ar as­sen­ta­men­tos ru­rais ti­nham si­do en­vi­a­dos no dia 3 de ja­nei­ro, sob a jus­ti­fi­ca­ti­va de aguar­dar co­mo se­rá a no­va es­tru­tu­ra do In­cra. O pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro (PSL), re­a­lo­cou o ins­ti­tu­to pa­ra o Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra - an­tes, o ór­gão era par­te da es­tru­tu­ra da Ca­sa Ci­vil.

Ser­vi­do­res do In­cra ou­vi­dos pe­la Re­pór­ter Bra­sil afir­mam que a sen­sa­ção é de que o no­vo go­ver­no es­tá “per­di­do”. As or­dens e con­tra­or­dens dos me­mo­ran­dos nos úl­ti­mos di­as dei­xa­ram fun­ci­o­ná­ri­os atô­ni­tos.

Pa­ra os ser­vi­do­res, a or­dem de pa­ra­li­sar a re­for­ma agrá­ria te­ria par­ti­do do no­vo se­cre­tá­rio es­pe­ci­al de Re­gu­la­ção Fun­diá­ria do Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra, o ru­ra­lis­ta Luiz Antô­nio Nabhan Gar­cia. Des­de a dé­ca­da de 1990, Nabhan pro­ta­go­ni­za em­ba­tes com o Mo­vi­men­to dos Sem Ter­ra (MST), prin­ci­pal mo­vi­men­to so­ci­al que rei­vin­di­ca a re­dis­tri­bui­ção de ter­ras im­pro­du­ti­vas no país.

À épo­ca, du­ran­te as dis­pu­tas por ter­ras em São Pau­lo, Nabhan foi acu­sa­do por um fa­zen­dei­ro de or­ga­ni­zar mi­lí­ci­as na re­gião, o que lhe ren­deu uma con­vo­ca­ção pa­ra pres­tar es­cla­re­ci­men­tos à Co­mis­são Par­la­men­tar Mis­ta de Inqué­ri­to da Ter­ra.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,