Se­guin­do pa­re­cer da Advocacia-​Geral da União (AGU), a su­pe­rin­ten­dên­cia do Iba­ma no Rio de Ja­nei­ro anu­lou a mul­ta de R$ 10 mil apli­ca­da ao pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro (PSL) em 2012 por pes­ca ir­re­gu­lar em An­gra dos Reis (RJ). Com a de­ci­são, Bol­so­na­ro te­rá seu no­me re­ti­ra­do do ca­das­tro de pes­so­as fí­si­cas e ju­rí­di­cas que têm dí­vi­da ati­va com a União, e o pro­ces­so vol­ta­rá à es­ta­ca ze­ro.

Iba­ma


Mesmo com foto feita por fiscais do Ibama, Bolsonaro alega inocência e diz que estava no aeroporto Santos Dumont naquele momento

Se­gun­do a Fo­lha de S.Paulo, o ato é de 20 de de­zem­bro de 2018, ain­da da ges­tão Mi­chel Te­mer. A AGU con­cluiu que o pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca não te­ve am­plo di­rei­to de de­fe­sa nem res­guar­da­da a ga­ran­tia do con­tra­di­tó­rio. A equi­pe de co­bran­ça da Procuradoria-​Geral Fe­de­ral do ór­gão en­ca­mi­nhou o pro­ces­so pa­ra o Iba­ma do Rio pa­ra no­vo jul­ga­men­to.

mé­ri­to da au­tu­a­ção em fla­gran­te de Bol­so­na­ro ain­da não foi de­ci­di­do. A mul­ta es­tá tem­po­ra­ri­a­men­te sus­pen­sa e ago­ra po­de­rá ser re­dis­cu­ti­da. O pro­cu­ra­dor fe­de­ral Fe­li­pe Fos­si Ma­cha­do, da AGU, con­si­de­rou que as de­ci­sões da pri­mei­ra e da se­gun­da ins­tân­cia do Iba­ma “não ana­li­sam os ar­gu­men­tos das pe­ças de­fen­si­vas [de Bol­so­na­ro] e não fun­da­men­tam os res­pec­ti­vos in­de­fe­ri­men­tos”.

Ligação para ministro petista

Bol­so­na­ro foi fla­gra­do em 25 de ja­nei­ro de 2012 em um bo­te in­flá­vel den­tro da Es­ta­ção Eco­ló­gi­ca de Ta­moi­os, área pro­te­gi­da que não per­mi­te a pre­sen­ça hu­ma­na, em An­gra dos Reis. Em de­zem­bro, já elei­to pre­si­den­te, Bol­so­na­ro dis­se que pa­ga­ria a mul­ta, mas que a “par­ci­a­li­da­de” de fis­cais do Iba­ma iria aca­bar. “Vou pa­gar es­sa mul­ta? Vou. Mas eu sou uma pro­va vi­va do des­ca­so, da par­ci­a­li­da­de e do pés­si­mo tra­ba­lho pres­ta­do por al­guns fis­cais do Iba­ma e ICM­Bio. Is­so vai aca­bar”.

De acor­do com os agen­tes que o fla­gra­ram, Bol­so­na­ro se ne­gou a mos­trar do­cu­men­tos e li­gou pa­ra o en­tão mi­nis­tro da Pes­ca, Luiz Sér­gio (PT), ain­da no go­ver­no Dil­ma, pa­ra se li­vrar da au­tu­a­ção. O pe­di­do não foi aten­di­do.

Mes­mo fo­to­gra­fa­do du­ran­te o fla­gran­te, o pre­si­den­te ale­ga que es­ta­va de­co­lan­do no ae­ro­por­to San­tos Du­mont na ho­ra da au­tu­a­ção. Se­gun­do a Fo­lha, Bol­so­na­ro ci­ta na jus­ti­fi­ca­ti­va a da­ta do au­to de in­fra­ção, 6 de mar­ço de 2012, e não o dia da ocor­rên­cia, 25 de ja­nei­ro. O lap­so de tem­po ocor­reu por­que o en­tão de­pu­ta­do se re­cu­sou a apre­sen­tar do­cu­men­tos.

Bol­so­na­ro foi no­ti­fi­ca­do so­bre a mul­ta em 6 de ou­tu­bro de 2014 e ti­nha, a par­tir daí o pra­zo de cin­co di­as úteis pa­ra pa­gar. Co­mo não fez o pa­ga­men­to, seu no­me foi ins­cri­to no Ca­das­tro In­for­ma­ti­vo de Cré­di­tos não Qui­ta­dos do Se­tor Pú­bli­co Fe­de­ral (Ca­din) em 16 de mar­ço de 2015.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,