O se­na­dor Re­nan Ca­lhei­ros (MDB-​AL) usou a grá­fi­ca do Se­na­do pa­ra im­pri­mir um li­vro com 489 pá­gi­nas em que de­fen­de sua bi­o­gra­fia e apre­sen­ta “re­fle­xões que a gran­de mí­dia não vê ou pre­fe­re não ver”. A pu­bli­ca­ção foi dis­tri­buí­da nos ga­bi­ne­tes dos se­na­do­res e de­pu­ta­dos e a par­la­men­ta­res elei­tos que as­su­mi­rão em 1º de fe­ve­rei­ro. Em­bo­ra ne­gue pu­bli­ca­men­te que se­rá can­di­da­to à pre­si­dên­cia da Ca­sa, car­go que já ocu­pou por três ve­zes, Re­nan ar­ti­cu­la nos bas­ti­do­res a sua can­di­da­tu­ra.

Aman­da Almeida/​O Glo­bo


Renan é retratado como "senador moderno" e vítima de perseguições em livro impresso pelo Senado que ele mesmo assina

“Nes­te li­vro vo­cê irá se de­pa­rar, aqui e ali, com fa­tos, re­la­tos e re­fle­xões que a gran­de mí­dia não vê ou pre­fe­re não ver. Coloco-​as à dis­po­si­ção e ao juí­zo do lei­tor. Es­pe­ro que o aju­de a com­pre­en­der de­ci­sões e ati­tu­des que to­mei e as con­sequên­ci­as de­las ad­vin­das”, diz o se­na­dor na in­tro­du­ção de De­mo­cra­cia Di­gi­tal. “Sirva-​se do li­vro. Leia-​o nas fé­ri­as e bom pro­vei­to”, su­ge­re na apre­sen­ta­ção.

"Tradição"

O Con­gres­so em Fo­co te­ve aces­so a tre­chos da pu­bli­ca­ção, cu­ja exis­tên­cia foi re­ve­la­da pe­lo si­te Poder360. Se­gun­do a as­ses­so­ria do se­na­dor, a im­pres­são de um li­vro anu­al é es­pé­cie “tra­di­ção” de Re­nan. Ne­nhum atin­giu, po­rém, es­sa quan­ti­da­de de pá­gi­nas. De acor­do com o ga­bi­ne­te, a pu­bli­ca­ção re­tra­ta a “fa­se tui­tei­ra” do se­na­dor.

Os se­na­do­res têm uma co­ta de uso da grá­fi­ca do Se­na­do pa­ra pu­bli­ca­ções li­ga­das às su­as ati­vi­da­des par­la­men­ta­res. Pro­cu­ra­do, o Se­na­do não in­for­mou se per­ma­ne­ce o va­lor de R$ 8,5 mil que vi­go­ra­va em 2014, con­for­me re­gis­tro em pá­gi­na an­ti­ga da Ca­sa. Até o mo­men­to, já fo­ram im­pres­sos 2 mil exem­pla­res do li­vro. Re­nan diz que vai man­dar im­pri­mir ou­tros 2 mil, em uma se­gun­da edi­ção, pois fi­cou in­sa­tis­fei­to com al­guns pon­tos da obra. O eme­de­bis­ta ale­ga que, por ter eco­no­mi­za­do nos gas­tos an­te­ri­or­men­te, o cré­di­to na grá­fi­ca do Se­na­do da­va di­rei­to a ro­dar até 4 mil exem­pla­res.

O li­vro reú­ne pro­je­tos de lei, a ín­te­gra de dis­cur­sos do se­na­dor, pos­ta­gens nas re­des so­ci­ais – nas quais o ex-​procurador-​geral da Re­pú­bli­ca Ro­dri­go Ja­not, au­tor de acu­sa­ções con­tra ele, é um dos prin­ci­pais al­vos –, além de en­tre­vis­tas da­das à im­pren­sa. Re­nan tam­bém fa­la de sua ex­pe­ri­ên­cia nas re­des e faz pro­pa­gan­da de su­as pá­gi­nas.

Papel perante a história

O eme­de­bis­ta, que re­nun­ci­ou à pre­si­dên­cia do Se­na­do em 2007 em meio a um bom­bar­deio de de­nún­ci­as, fi­lo­so­fa ao di­zer que pre­ten­de com­par­ti­lhar com os co­le­gas, ve­te­ra­nos e no­va­tos, sua ex­pe­ri­ên­cia em qua­tro dé­ca­das na po­lí­ti­ca. “Nes­ta al­tu­ra da vi­da, en­ten­do que meu pa­pel pe­ran­te a his­tó­ria e à luz da ex­pe­ri­ên­cia des­ses úl­ti­mos 40 anos é aju­dar a co­nec­tar o mun­do abs­tra­to e ra­re­fei­to do li­mi­te dos Po­de­res com a con­cre­tu­de da vi­da e mos­trar o es­for­ço per­ma­nen­te pa­ra fa­zer a mi­nha par­te”, es­cre­ve.

O li­vro tam­bém re­pro­duz ima­gens ins­pi­ra­das em xi­lo­gra­vu­ras e o cor­del de um po­e­ta ala­go­a­no que apre­sen­ta Re­nan co­mo um “se­na­dor mo­der­no” que vi­rou al­vo de “ata­ques e per­se­gui­ções” por cau­sa de sua atu­a­ção po­lí­ti­ca. “Tal­vez a mi­nha mai­or con­tri­bui­ção foi ter um olhar li­vre, le­ve e sol­to pa­ra não me ren­der aos cli­chês das cir­cuns­tân­ci­as”, afir­ma o ex-​presidente do Se­na­do. Ele afir­ma que pre­ser­va su­as ori­gens e sua “se­de de co­nhe­cer a re­a­li­da­de”.

Re­nan tam­bém faz um aná­li­se do atu­al e do no­vo Con­gres­so. Se­gun­do ele, a le­gis­la­tu­ra que se en­cer­ra foi “de­mo­li­da pe­las ur­nas”. “A pa­la­vra de or­dem des­ses tem­pos é rein­ven­ção. É re­co­me­çar a par­tir de um no­vo pa­ta­mar. A po­lí­ti­ca exi­ge de nós es­se exer­cí­cio diá­rio e co­ti­di­a­no. Te­mos que en­ten­der, di­ge­rir e me­ta­bo­li­zar as men­sa­gens e li­ções dei­xa­das pe­la elei­ção de 2018”, ava­lia.

Cuidado com ciladas

Al­vo de 13 in­ves­ti­ga­ções no Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral, a mai­o­ria da La­va Ja­to, o ex-​presidente do Se­na­do tam­bém dá con­se­lho aos co­le­gas que es­tão che­gan­do e aos ve­te­ra­nos que não têm in­ti­mi­da­de com o mun­do di­gi­tal pa­ra que não cai­am em “ci­la­das”. “O gran­de de­sa­fio é en­ten­der es­se po­de­ro­so e ins­ti­gan­te ins­tru­men­tal (re­des so­ci­ais), evi­tar su­as ar­ma­di­lhas, neu­tra­li­zar su­as ci­la­das, in­tri­gas, men­ti­ras e co­lo­car to­do o seu imen­so po­ten­ci­al po­si­ti­vo de co­nhe­ci­men­to e opi­nião a ser­vi­ço da de­mo­cra­cia bra­si­lei­ra, do for­ta­le­ci­men­to das ins­ti­tui­ções e do equi­lí­brio en­tre os Po­de­res”.

Mes­mo com as ne­ga­ti­vas pú­bli­cas, Re­nan ar­ti­cu­la nos bas­ti­do­res sua can­di­da­tu­ra à pre­si­dên­cia do Se­na­do. Co­mo mos­trou o Con­gres­so em Fo­co nes­ta ma­nhã, o se­na­dor se mo­ve nos bas­ti­do­res pa­ra que o pre­si­den­te do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), Di­as Tof­fo­li, man­te­nha a vo­ta­ção se­cre­ta pa­ra o co­man­do da Ca­sa. O de­se­jo do eme­de­bis­ta de­ve ser aten­di­do.

Tof­fo­li de­ci­diu nes­ta tar­de ne­gar pe­di­do do de­pu­ta­do elei­to Kim Ka­ta­gui­ri (DEM-​SP) pa­ra que a vo­ta­ção na Câ­ma­ra fos­se aber­ta. A ten­dên­cia é que o mes­mo en­ten­di­men­to se­ja apli­ca­do em re­la­ção à elei­ção no Se­na­do.

Pressão por votação secreta

Se­gun­do fon­tes ou­vi­das pe­lo Con­gres­so em Fo­co em con­di­ção de ano­ni­ma­to, o ala­go­a­no es­tá em Bra­sí­lia e tem fei­to for­te pres­são - in­clu­si­ve por meio de ter­cei­ros - pa­ra que Tof­fo­li re­ve­ja a po­si­ção do mi­nis­tro Mar­co Au­ré­lio, que de­ter­mi­nou a aber­tu­ra da vo­ta­ção. Nes­se ca­so, to­dos sa­be­rão co­mo ca­da se­na­dor vo­tou.

A ava­li­a­ção é de que, ca­so a vo­ta­ção se­ja fe­cha­da, pe­lo me­nos ou­tros seis se­na­do­res po­de­rão ne­go­ci­ar apoio a Re­nan por bai­xo dos pa­nos. Já a vo­ta­ção aber­ta, por es­se mes­mo ra­ci­o­cí­nio, cri­a­rá cons­tran­gi­men­tos a apoi­a­do­res do ex-​presidente do Se­na­do e po­de­rá ti­rar vo­tos de­le. O eme­de­bis­ta é al­vo de 13 inqué­ri­tos no Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), qua­se to­dos re­la­ci­o­na­dos às in­ves­ti­ga­ções da Ope­ra­ção La­va Ja­to.

Re­nan já tem pe­lo me­nos cin­co ad­ver­sá­ri­os na cor­ri­da pe­la pre­si­dên­cia do Se­na­do: Tas­so Je­reis­sa­ti (PSDB-​CE), Da­vi Al­co­lum­bre (DEM-​AP), Ma­jor Olím­pio (PSL-​SP), Al­va­ro Di­as (Podemos-​PR) e Es­pe­ri­dião Amin (PP-​SC). Tam­bém cor­re por fo­ra o no­me da se­na­do­ra Si­mo­ne Te­bet (MDB-​MS), que não for­ma­li­zou sua can­di­da­tu­ra ao car­go, mas é vis­ta co­mo can­di­da­ta com­pe­ti­ti­va en­tre di­ver­sos co­le­gas.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,