De­pois de anun­ci­ar a “des­pe­ti­za­ção” da ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca, com a exo­ne­ra­ção em mas­sa de mais de 300 ser­vi­do­res da Ca­sa Ci­vil, o mi­nis­tro Onyx Lo­ren­zo­ni man­te­ve na pas­ta dois as­ses­so­res li­ga­dos ao ex-​presidente da Câ­ma­ra Edu­ar­do Cu­nha (MDB-​RJ), ex-​deputado cas­sa­do pre­so pre­ven­ti­va­men­te em Cu­ri­ti­ba e con­de­na­do na Ope­ra­ção La­va Ja­to. A in­for­ma­ção é do jor­nal O Glo­bo.

Jo­sé Cruz/​Agência Bra­sil


Cunha está preso desde outubro de 2016 em Curitiba, acusado de crimes atribuídos pela Operação Lava Jato

Os ad­vo­ga­dos Fe­li­pe Cas­ca­es Bres­ci­a­ni e Erick Vi­di­gal têm atu­a­ção des­ta­ca­da no iní­cio do go­ver­no Bol­so­na­ro. Bres­ci­a­ni já ad­vo­gou pa­ra Cu­nha e Vi­di­gal es­cre­veu um ar­ti­go de­fen­den­do o ex-​deputado se­ma­nas an­tes de ser no­me­a­do. Pro­cu­ra­da pa­ra ex­pli­car os mo­ti­vos da ma­nu­ten­ção dos dois as­ses­so­res, a as­ses­so­ria de im­pren­sa da Ca­sa Ci­vil não re­tor­nou o con­ta­to do jor­nal.

De acor­do com O Glo­bo, os dois fo­ram in­di­ca­dos ao go­ver­no por Cu­nha. Bres­ci­a­ni foi o res­pon­sá­vel fi­nal por um pa­re­cer do go­ver­no a res­pei­to do in­dul­to a pre­sos, en­vi­a­do ao Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) pe­lo pró­prio pre­si­den­te na úl­ti­ma terça-​feira. Ele já par­ti­ci­pou de reu­niões com mi­nis­tros e Bol­so­na­ro pa­ra dis­cu­tir as­sun­tos co­mo o Es­ta­tu­to do De­sar­ma­men­to. Vi­di­gal tam­bém já des­pa­chou com o pre­si­den­te.

Onyx anun­ci­ou no dia se­guin­te à pos­se de Bol­so­na­ro a exo­ne­ra­ção de 320 ser­vi­do­res em car­gos de con­fi­an­ça e em fun­ções com gra­ti­fi­ca­ções na Ca­sa Ci­vil pa­ra aca­bar com a in­fluên­cia do PT na má­qui­na pú­bli­ca. Se­gun­do ele, a in­ten­ção era ti­rar a in­fluên­cia do PT no go­ver­no, ape­sar de o par­ti­do es­tar fo­ra da pre­si­dên­cia des­de 2016, quan­do Dil­ma Rous­seff foi cas­sa­da em pro­ces­so de im­pe­a­ch­ment. Nos úl­ti­mos dois anos e se­te me­ses, o pre­si­den­te foi Mi­chel Te­mer, do mes­mo MDB de Cu­nha.

Certo ajuste

O mi­nis­tro da Ca­sa Ci­vil dis­se, na oca­sião, que pou­pa­ria fun­ci­o­ná­ri­os da Sub­che­fia de As­sun­tos Ju­rí­di­cos por­que já tra­ba­lha com es­sa equi­pe des­de no­vem­bro, na tran­si­ção, e já ti­nha “um cer­to ajus­te” nes­sa es­tru­tu­ra.

Bres­ci­a­ni e Vi­di­gal fo­ram no­me­a­dos me­nos de uma se­ma­na após o afas­ta­men­to de pro­vi­só­rio de Dil­ma, con­ta O Glo­bo. Na épo­ca, Cu­nha já es­ta­va afas­ta­do da pre­si­dên­cia da Câ­ma­ra, acu­sa­do de vá­ri­os cri­mes. O pri­mei­ro ad­vo­gou pa­ra o ex-​deputado em pro­ces­sos na Jus­ti­ça. O se­gun­do es­cre­veu um ar­ti­go in­ti­tu­la­do “Usu­fruir de pa­raí­sos fis­cais não é cri­me”, em que de­fen­de o ex-​presidente da Câ­ma­ra, um mês an­tes de ser no­me­a­do pa­ra o car­go.

De acor­do com a re­por­ta­gem, Vi­di­gal as­ses­so­rou o ad­vo­ga­do Gus­ta­vo Ro­cha no Con­se­lho Na­ci­o­nal do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co. Ro­cha tam­bém foi in­di­ca­do por Cu­nha pa­ra a sub­che­fia de As­sun­tos Ju­rí­di­cos da Ca­sa Ci­vil no go­ver­no de Mi­chel Te­mer.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,