O Psol anun­ci­ou, no iní­cio da tar­de des­ta quinta-​feira (10) que en­tra­rá com uma re­pre­sen­ta­ção con­tra a no­me­a­ção de Antô­nio Ros­sell Mou­rão, fi­lho do vice-​presidente da Re­pú­bli­ca, Ha­mil­ton Mou­rão (PRTB), a as­ses­sor es­pe­ci­al da pre­si­dên­cia do Ban­co do Bra­sil.

Re­pro­du­ção


Um dia depois da posse do novo presidente do BB, filho de Hamilton Mourão foi nomeado assessor da presidência do banco

Em no­ta, o pre­si­den­te do Psol, Ju­li­a­no Me­dei­ros, afir­ma que a no­me­a­ção fe­re prin­cí­pi­os que de­vem ori­en­tar a ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca e de­ve­ria ser re­vo­ga­da. A pro­mo­ção do fi­lho de Mou­rão veio à pú­bli­co na úl­ti­ma terça-​feira (8). Co­mo no­vo as­ses­sor es­pe­ci­al de Ru­bem No­va­es, pre­si­den­te do ban­co, o sa­lá­rio do fi­lho do vice-​presidente tri­pli­ca­rá.

Co­mo as­ses­sor da área da Di­re­to­ria de Agro­ne­gó­cio do BB, Antô­nio Mou­rão re­ce­bia en­tre R$ 12 e R$ 14 mil por mês. Seu sa­lá­rio no no­vo car­go se­rá de R$ 36,4 mil men­sais. An­to­nio Mou­rão é fun­ci­o­ná­rio de car­rei­ra do ban­co, on­de tra­ba­lha há 18 anos.

A re­pre­sen­ta­ção tem co­mo ba­se o de­cre­to de 2010, que ve­da o ne­po­tis­mo na ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca fe­de­ral. O ar­ti­go ter­cei­ro do de­cre­to proí­be “no­me­a­ções, con­tra­ta­ções ou de­sig­na­ções de fa­mi­li­a­res de Mi­nis­tro de Es­ta­do, fa­mi­li­ar da má­xi­ma au­to­ri­da­de ad­mi­nis­tra­ti­va cor­res­pon­den­te ou, ain­da, fa­mi­li­ar de ocu­pan­te de car­go em co­mis­são ou fun­ção de con­fi­an­ça de di­re­ção, che­fia ou as­ses­so­ra­men­to” des­de es­tá­gi­os - sal­vo pre­ce­di­do de pro­ces­so se­le­ti­vo isonô­mi­co - até car­gos co­mis­si­o­na­dos ou de con­fi­an­ça.

Mou­rão saiu em de­fe­sa do fi­lho, em en­tre­vis­ta ao jor­nal O Es­ta­do de S. Pau­lo , e dis­se que a pro­mo­ção se deu por “mé­ri­to” e que An­to­nio Mou­rão ti­nha si­do “du­ra­men­te per­se­gui­do an­te­ri­or­men­te” por ser seu fi­lho.

Ho­je, re­por­ta­gem do jor­nal Ga­ze­ta do Po­vo mos­tra que o fi­lho do vice-​presidente, na re­a­li­da­de, foi pro­mo­vi­do oi­to ve­zes du­ran­te a ges­tão pe­tis­ta. As cons­tan­tes as­cen­sões in­ter­nas de Antô­nio ao lon­go de 18 anos de Ban­co do Bra­sil con­tra­di­zem a jus­ti­fi­ca­ti­va do vice-​presidente de que ele ha­via si­do pre­te­ri­do nas ges­tões pe­tis­tas por ser seu fi­lho e que, só ago­ra, es­ta­va sen­do va­lo­ri­za­do.

Em en­tre­vis­ta à re­vis­ta Pi­auí on­tem (quar­ta, 9), Mou­rão dis­se que não dei­xou seu fi­lho de­sis­tir da pro­mo­ção. “Eu dis­se pra ele: ‘Não, meu fi­lho, is­so aí é mé­ri­to seu e aca­bou, pô’”, dis­se.

Comissão de Ética

A Co­mis­são de Éti­ca Pú­bli­ca (CEP), pa­ra on­de a re­pre­sen­ta­ção do Psol se­rá en­vi­a­da, tam­bém foi um dos re­cu­os da ges­tão Bol­so­na­ro e sua equi­pe mi­nis­te­ri­al nos dez pri­mei­ros di­as de go­ver­no.

Pa­ra fa­zer o que cha­mou de “des­pe­ti­za­ção” de sua pas­ta, o mi­nis­tro da Ca­sa Ci­vil, Onyx Lo­ren­zo­ni, exo­ne­rou mais de 300 fun­ci­o­ná­ri­os. A ação de Onyx re­sul­tou em um ofí­cio, en­vi­a­do no dia 4 de ja­nei­ro pe­lo pre­si­den­te da CEP, Luiz Na­var­ro, ao secretário-​executivo da pas­ta. Na­var­ro aler­tou que as exo­ne­ra­ções ti­nham pa­ra­li­sa­do o tra­ba­lho da Co­mis­são, que te­ve 16 de seus 17 fun­ci­o­ná­ri­os des­li­ga­dos.

Na terça-​feira (8), Na­var­ro se reu­niu com Abraham Wein­traub, secretário-​executivo da Ca­sa Ci­vil. Em no­ta à im­pren­sa após a reu­nião, a CEP anun­ci­ou que o go­ver­no re­cu­ou das exo­ne­ra­ção e o ser­vi­do­res se­rão man­ti­dos na co­mis­são.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,