O pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro de­fen­deu nes­te sá­ba­do (12) a apro­va­ção de um pro­je­to de lei em tra­mi­ta­ção no Se­na­do que en­du­re­ce a lei an­ti­ter­ro­ris­mo san­ci­o­na­da com ve­tos pe­la ex-​presidente Dil­ma Rous­seff em 2016. A pro­pos­ta en­fren­ta a opo­si­ção de par­ti­dos de es­quer­da e de mo­vi­men­tos so­ci­ais, que ale­gam que as mu­dan­ças coí­bem o di­rei­to à li­vre ma­ni­fes­ta­ção.

Jo­sé Cruz/​Agência Bra­sil


Loja de revenda de motocicletas foi atacada na madrugada da última segunda-feira (7) em Fortaleza

Bol­so­na­ro re­to­mou ao as­sun­to, que já ha­via abor­da­do du­ran­te a cam­pa­nha elei­to­ral, ao co­men­tar a on­da de ata­ques cri­mi­no­sos que apa­vo­ra o Ce­a­rá des­de o iní­cio do ano. “Ao cri­mi­no­so não in­te­res­sa o par­ti­do des­se ou da­que­le go­ver­na­dor. Ho­je ele age no Ce­a­rá, ama­nhã em SP, RS ou GO. Su­as ações, co­mo in­cen­di­ar, ex­plo­dir… bens pú­bli­cos ou pri­va­dos, de­vem ser ti­pi­fi­ca­dos co­mo TERRORISMO. O PLS 272/​2016 do Sen La­si­er Mar­tins é lou­vá­vel”, es­cre­veu o pre­si­den­te no Twit­ter.

A pro­pos­ta clas­si­fi­ca co­mo ter­ro­ris­mo o ato de in­cen­di­ar, de­pre­dar, sa­que­ar, des­truir ou ex­plo­dir mei­os de trans­por­te ou qual­quer bem pú­bli­co ou pri­va­do, além de de in­ter­fe­rir, sa­bo­tar ou da­ni­fi­car sis­te­mas de in­for­má­ti­ca ou ban­cos de da­dos. A pe­na es­ti­pu­la­da pa­ra es­sas con­du­tas vai de 12 a 30 anos de re­clu­são.

Leque ampliado

A lei em vi­gor clas­si­fi­ca co­mo ter­ro­ris­mo a prá­ti­ca de atos in­di­vi­du­ais ou co­le­ti­vos “por ra­zões de xe­no­fo­bia, dis­cri­mi­na­ção ou pre­con­cei­to de ra­ça, cor, et­nia e re­li­gião”, com a fi­na­li­da­de de pro­vo­car ter­ror so­ci­al ou ge­ne­ra­li­za­do. O pro­je­to de La­si­er, re­la­ta­do pe­lo se­na­dor Mag­no Mal­ta (PR-​ES) na Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção e Jus­ti­ça (CCJ), in­clui en­tre os atos ter­ro­ris­tas aque­les pra­ti­ca­dos por “mo­ti­va­ções po­lí­ti­cas, ide­o­ló­gi­cas, so­ci­ais” e en­qua­dra quem “co­a­gir au­to­ri­da­de do po­der pú­bli­co a ado­tar de­ter­mi­na­da con­du­ta.”

Pres­si­o­na­da pe­lo PT e por mo­vi­men­tos so­ci­ais e sin­di­cais, Dil­ma ve­tou es­ses itens da lei an­ti­ter­ro­ris­mo apro­va­da pe­lo Con­gres­so em 2016 em meio à or­ga­ni­za­ção dos Jo­gos Olím­pi­cos no Rio de Ja­nei­ro. Na­que­le ano, a Po­lí­cia Fe­de­ral pren­deu um gru­po de bra­si­lei­ros sus­pei­tos de pla­ne­jar aten­ta­do du­ran­te a Olim­pía­da.

MST e MTST

Os opo­si­to­res ale­gam que o pro­je­to de­fen­di­do por Bol­so­na­ro tem a fi­na­li­da­de po­lí­ti­ca de cri­mi­na­li­zar or­ga­ni­za­ções co­mo o Mo­vi­men­to dos Tra­ba­lha­do­res Ru­rais sem Ter­ra (MST), o Mo­vi­men­to dos Tra­ba­lha­do­res sem Te­to (MTST) e en­ti­da­des que reú­nem qui­lom­bo­las e in­dí­ge­nas, en­tre ou­tras.

La­si­er diz que os mo­vi­men­tos so­ci­ais con­ti­nu­a­rão a ter o di­rei­to à li­vre ma­ni­fes­ta­ção. O al­vo, se­gun­do ele, é ou­tro. “Que se­ja ad­mi­ti­do co­mo con­du­ta ter­ro­ris­ta in­cen­di­ar, de­pre­dar, sa­que­ar, des­truir ou ex­plo­dir mei­os de trans­por­te ou qual­quer bem pú­bli­co ou pri­va­do”, de­fen­de o au­tor do pro­je­to.

Na ava­li­a­ção do se­na­dor, ao ve­tar es­ses itens quan­do san­ci­o­nou a Lei 13.260/16, Dil­ma tor­nou a le­gis­la­ção “par­ci­al­men­te inó­cua”. En­tre ou­tros pon­tos, a ex-​presidente ve­tou o tre­cho que tra­ta­va da “apo­lo­gia ao ter­ro­ris­mo” por­que, se­gun­do ela, não tra­zia “pa­râ­me­tros pre­ci­sos ca­pa­zes de ga­ran­tir o exer­cí­cio do di­rei­to à li­ber­da­de de ex­pres­são”.

Censura

Pa­ra os crí­ti­cos da pro­pos­ta, pro­tes­tos co­mo os de ju­nho de 2013, que ti­ve­ram epi­só­di­os de de­pre­da­ção de pa­trimô­nio pú­bli­co e pri­va­do, po­de­ri­am ser clas­si­fi­ca­dos co­mo ter­ro­ris­tas se a mu­dan­ça pro­pos­ta por La­si­er e Bol­so­na­ro es­ti­ves­se em vi­gor.

Os opo­si­to­res do pro­je­to afir­mam, ain­da, que até ma­ni­fes­ta­ções nas re­des so­ci­ais po­de­rão ser en­qua­dra­das nes­se ti­po de cri­me, pois há pre­vi­são de pu­ni­ção pa­ra quem “re­com­pen­sa ou lou­va pes­soa, gru­po, or­ga­ni­za­ção ou as­so­ci­a­ção pe­la prá­ti­ca de ter­ro­ris­mo.”

“É um ato de cen­su­ra, de com­ba­te ao di­rei­to de ir e vir e à li­ber­da­de de ma­ni­fes­ta­ção, con­cei­tu­a­do na Cons­ti­tui­ção”, clas­si­fi­ca o se­na­dor Ran­dol­fe Ro­dri­gues (Rede-​AP), au­tor de um re­la­tó­rio pa­ra­le­lo (cha­ma­do de vo­to em se­pa­ra­do) que pro­põe a re­jei­ção do pro­je­to na CCJ. “Em ci­ma des­se tex­to, po­dem pren­der mi­li­tan­tes de mo­vi­men­tos es­tu­dan­tis, mo­vi­men­tos sin­di­cais, es­ta­mos cri­mi­na­li­zan­do o MST”, acres­cen­ta o se­na­dor Lind­bergh Fa­ri­as (PT-​RJ).

Genérico

Em au­di­ên­cia na Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção e Jus­ti­ça em de­zem­bro, o juiz Mar­ce­lo Se­mer, da As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Ju­ris­tas pe­la De­mo­cra­cia (ABJD), con­si­de­rou a pro­pos­ta des­pro­por­ci­o­nal na de­fi­ni­ção das pe­na­li­da­des. No ca­so do cri­me de “apo­lo­gia ao ter­ro­ris­mo”, por exem­plo, o pe­río­do pre­vis­to pa­ra re­clu­são sal­ta de três me­ses pa­ra qua­tro anos. O ju­ris­ta tam­bém con­si­de­ra va­ga a con­cei­tu­a­ção das con­du­tas en­qua­dra­das.

“É uma coi­sa mui­to ge­né­ri­ca. Ve­ja, apo­lo­gia é lou­var um ter­ro­ris­ta. Eu não sei o que se­ria ‘lou­var’. De re­pen­te, se [al­guém] faz uma ma­ni­fes­ta­ção fa­vo­rá­vel a uma rei­vin­di­ca­ção, se­rá que es­tá ‘lou­van­do’ um ter­ro­ris­ta? Ima­gi­na is­so nas re­des so­ci­ais, com com­par­ti­lha­men­tos e cur­ti­ções [de posts]”, cri­ti­cou. “O que es­sa al­te­ra­ção pre­ten­de fa­zer não é com­ba­ter o ter­ro­ris­mo. É cri­ar o ter­ro­ris­ta. É ten­tar cri­ar um pro­ble­ma que a gen­te não tem. É com­ple­ta­men­te sem sen­ti­do is­so”, com­ple­tou.

Facções contrariadas

Ba­lan­ço di­vul­ga­do pe­la Se­cre­ta­ria de Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca e De­fe­sa do Ce­a­rá in­for­ma que 319 pes­so­as fo­ram pre­sas até as 17h des­sa sexta-​feira por sus­pei­ta ou fla­gran­te em par­ti­ci­pa­ção nos ata­ques re­gis­tra­dos no es­ta­do des­de o úl­ti­mo dia 2, pro­mo­vi­dos por fac­ções cri­mi­no­sas.

Nes­sa ma­dru­ga­da, cri­mi­no­sos der­ru­ba­ram uma tor­re de trans­mis­são de ener­gia e ex­plo­di­ram uma con­ces­si­o­ná­ria de veí­cu­los na re­gião me­tro­po­li­ta­na de For­ta­le­za. Em seu 11º dia con­se­cu­ti­vo, a on­da de vi­o­lên­cia no Ce­a­rá já re­gis­trou 194 ata­ques em 43 mu­ni­cí­pi­os. Até o mo­men­to, se­gun­do o Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça, 35 in­te­gran­tes de fac­ções cri­mi­no­sas fo­ram trans­fe­ri­dos pa­ra pre­sí­di­os fe­de­rais.

As ações co­me­ça­ram de­pois de o go­ver­na­dor re­e­lei­to Ca­mi­lo San­ta­na (PT) cri­ar a Se­cre­ta­ria de Ad­mi­nis­tra­ção Pe­ni­ten­ciá­ria e ini­ci­ar uma sé­rie de ações pa­ra com­ba­ter o cri­me den­tro dos pre­sí­di­os. Fo­ram apre­en­di­dos ce­lu­la­res, dro­gas e ar­mas em ce­las. O go­ver­no anun­ci­ou que não di­vi­di­rá mais os pre­sos con­for­me a fac­ção cri­mi­no­sa.

O mi­nis­tro da Jus­ti­ça e Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca, Sér­gio Mo­ro, aten­deu a pe­di­do do go­ver­na­dor e au­to­ri­zou o en­vio de 406 agen­tes da For­ça Na­ci­o­nal pa­ra re­for­çar a se­gu­ran­ça no es­ta­do. A vi­o­lên­cia afas­tou tu­ris­tas do es­ta­do e com­pro­me­te a vi­da da po­pu­la­ção com o cli­ma de pâ­ni­co, in­ter­rup­ções no trans­por­te pú­bli­co e fe­cha­men­to do co­mér­cio.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

, ,