Con­ce­di­do do ano pas­sa­do pe­lo go­ver­no do ex-​presidente Mi­chel Te­mer, o úl­ti­mo Re­fis per­do­ou um to­tal de R$ 47,4 bi­lhões em dí­vi­das de 131 em­pre­sas, se­gun­do o jor­nal O Es­ta­do de S. Pau­lo.

An­to­nio Cruz/​Agência Bra­sil


Temer concedeu Refis generoso de olho em apoio à reforma da Previdência, diz jornal

O ba­lan­ço fi­nal do pro­gra­ma, se­gun­do o jor­nal, mos­tra que es­ta foi a mai­or anis­tia às dí­vi­das nos úl­ti­mos 10 anos. O úl­ti­mo Re­fis com per­dão su­pe­ri­or foi o de 2008, o cha­ma­do Re­fis da Cri­se (que vi­sa­va au­xi­li­ar as em­pre­sas após a cri­se in­ter­na­ci­o­nal), que che­gou a R$ 60,9 bi­lhões.

Além de per­do­ar R$ 47,4 bi­lhões, o go­ver­no Te­mer per­mi­tiu o par­ce­la­men­to do res­tan­te da dí­vi­da - R$ 59,5 bi­lhões - em até 175 pres­ta­ções.

De acor­do com o Es­ta­dão, Te­mer cri­ou con­di­ções mais fa­vo­rá­veis aos con­tri­buin­tes de­ve­do­res de­vi­do à pres­são de par­la­men­ta­res - mui­tos de­les tam­bém em dí­vi­da com o Fis­co -, em bus­ca de apoio pa­ra apro­var a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia. O Re­fis foi mais ge­ne­ro­so, mas a re­for­ma não saiu do pa­pel na ges­tão Te­mer.

Ain­da se­gun­do o jor­nal, o Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro não pre­ten­de mais lan­çar pro­gra­mas de par­ce­la­men­to de dé­bi­tos tri­bu­tá­ri­os. O Se­cre­tá­rio Es­pe­ci­al da Re­cei­ta Fe­de­ral, Mar­cos Cin­tra, “es­tá à fren­te da ela­bo­ra­ção de um pro­gra­ma de com­ba­te ao de­ve­dor con­tu­maz”, afir­ma o Es­ta­dão.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,