O pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro (PSL), afir­mou, du­ran­te dis­cur­so no Fó­rum Econô­mi­co Mun­di­al em Da­vos, na Suí­ça, que pre­ten­de “abrir a eco­no­mia” do Bra­sil. Bol­so­na­ro fez um rá­pi­do dis­cur­so e não deu de­ta­lhes so­bre as re­for­mas da Pre­vi­dên­cia e tri­bu­tá­ria, que afir­mou pre­ten­der fa­zer quan­do ques­ti­o­na­do quais se­ri­am os pas­sos con­cre­tos pa­ra me­lho­rar a eco­no­mia na­ci­o­nal. O pre­si­den­te afir­mou que quer o Bra­sil co­mo um dos 50 me­lho­res des­ti­nos pa­ra in­ves­tir.

Ja­son Alden/​Bloomberg/​Getty Ima­ges


Bolsonaro opta por discurso vago em Davos; trabalho de Guedes seria mais fácil se houvesse compromisso mais explícito com reforma da Previdência

Em sua pri­mei­ra vi­a­gem in­ter­na­ci­o­nal, Bol­so­na­ro apos­tou em um dis­cur­so cur­to e não en­trou em de­ta­lhes so­bre su­as pro­pos­tas pa­ra “abrir a eco­no­mia”. Ques­ti­o­na­do pe­lo pre­si­den­te do Fó­rum de Da­vos, Klaus Schwab, so­bre quais se­ri­am su­as pro­pos­tas con­cre­tas pa­ra a eco­no­mia, Bol­so­na­ro ci­tou as re­for­mas da Pre­vi­dên­cia e tri­bu­tá­ria, pa­ra “ti­rar o pe­so” da car­ga de im­pos­tos, mas não es­pe­ci­fi­cou ne­nhum dos te­mas.

Bol­so­na­ro tam­bém afir­mou que a pre­ser­va­ção do meio am­bi­en­te e o de­sen­vol­vi­men­to econô­mi­co “são in­ter­de­pen­den­tes e in­dis­so­ciá­veis”. Se­gun­do ele, ape­nas 9% do so­lo na­ci­o­nal é des­ti­na­do à agri­cul­tu­ra e 20% à agro­pe­cuá­ria. “Nos­sa mis­são ago­ra é avan­çar na com­pa­ti­bi­li­za­ção en­tre a pre­ser­va­ção do meio am­bi­en­te e da bi­o­di­ver­si­da­de com o ne­ces­sá­rio de­sen­vol­vi­men­to econô­mi­co”, afir­mou no dis­cur­so.

Quan­do ques­ti­o­na­do por Schwab so­bre os pla­nos so­bre cres­ci­men­to econô­mi­co e sus­ten­ta­bi­li­da­de - um dos prin­ci­pais te­ma de des­te ano em Da­vos -, Bol­so­na­ro tam­bém foi ge­né­ri­co ao res­pon­der que “o que pu­der­mos aper­fei­ço­ar, o fa­re­mos”.

Bol­so­na­ro en­fa­ti­zou ain­da e es­co­lha de mi­nis­tros con­si­de­ra­dos téc­ni­cos. Ques­ti­o­na­do so­bre com­ba­te à cor­rup­ção, Bol­so­na­ro dis­se que o mi­nis­tro da Jus­ti­ça, Ser­gio Mo­ro, tem uma mis­são e te­rá “to­dos os mei­os pa­ra com­ba­te à cor­rup­ção e cri­me or­ga­ni­za­do”.

O pre­si­den­te tam­bém re­pe­tiu o tom de sua cam­pa­nha ao fa­lar so­bre “ti­rar viés ide­o­ló­gi­co” de pon­tos co­mo re­la­ção do Bra­sil com ou­tros paí­ses, es­pe­ci­al­men­te com os in­te­gran­tes do Mer­co­sul, e na eco­no­mia.

Os mi­nis­tros Mo­ro, Pau­lo Gue­des (Eco­no­mia) e Er­nes­to Araú­jo (Re­la­ções Ex­te­ri­o­res) acom­pa­nham Bol­so­na­ro no Fó­rum Econô­mi­co.

Leia a íntegra do discurso de Bolsonaro em Davos:

Agra­de­ço, an­tes de mais na­da, o con­vi­te pa­ra par­ti­ci­par des­te fó­rum e a opor­tu­ni­da­de de fa­lar a um pú­bli­co tão dis­tin­to.

Agra­de­ço tam­bém a hon­ra de me di­ri­gir aos se­nho­res já na aber­tu­ra des­ta ses­são ple­ná­ria.

Es­ta é a pri­mei­ra vi­a­gem in­ter­na­ci­o­nal que re­a­li­zo após mi­nha elei­ção, pro­va da im­por­tân­cia que atri­buo às pau­tas que es­te fó­rum tem pro­mo­vi­do e pri­o­ri­za­do.

Es­ta vi­a­gem tam­bém é pa­ra mim uma gran­de opor­tu­ni­da­de de mos­trar pa­ra o mun­do o mo­men­to úni­co em que vi­ve­mos em meu país e pa­ra apre­sen­tar a to­dos o no­vo Bra­sil que es­ta­mos cons­truin­do.

Nas elei­ções, gas­tan­do me­nos de 1 mi­lhão de dó­la­res e com 8 se­gun­dos de tem­po de te­le­vi­são, sen­do in­jus­ta­men­te ata­ca­do a to­do tem­po, con­se­gui­mos a vi­tó­ria.

As­su­mi o Bra­sil em uma pro­fun­da cri­se éti­ca, mo­ral e econô­mi­ca. Te­mos o com­pro­mis­so de mu­dar nos­sa his­tó­ria.

Pe­la pri­mei­ra vez no Bra­sil um pre­si­den­te mon­tou uma equi­pe de mi­nis­tros qua­li­fi­ca­dos. Hon­ran­do o com­pro­mis­so de cam­pa­nha, não acei­tan­do in­ge­rên­ci­as político-​partidárias que, no pas­sa­do, ape­nas ge­ra­ram ine­fi­ci­ên­cia do Es­ta­do e cor­rup­ção.

Go­za­mos de cre­di­bi­li­da­de pa­ra fa­zer as re­for­mas de que pre­ci­sa­mos e que o mun­do es­pe­ra de nós.
Aqui en­tre nós, meu mi­nis­tro da Jus­ti­ça e Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca, Sér­gio Mo­ro, o ho­mem cer­to pa­ra o com­ba­te à cor­rup­ção e o com­ba­te à la­va­gem de di­nhei­ro.

Va­mos in­ves­tir pe­sa­do na se­gu­ran­ça pa­ra que vo­cês nos vi­si­tem com su­as fa­mí­li­as, pois so­mos um dos pri­mei­ros paí­ses em be­le­zas na­tu­rais, mas não es­ta­mos en­tre os 40 des­ti­nos tu­rís­ti­cos mais vi­si­ta­dos do mun­do. Co­nhe­çam a nos­sa Amazô­nia, nos­sas prai­as, nos­sas ci­da­des e nos­so Pan­ta­nal. O Bra­sil é um pa­raí­so, mas ain­da é pou­co co­nhe­ci­do!

So­mos o país que mais pre­ser­va o meio am­bi­en­te. Ne­nhum ou­tro país do mun­do tem tan­tas flo­res­tas co­mo nós. A agri­cul­tu­ra se faz pre­sen­te em ape­nas 9% do nos­so ter­ri­tó­rio e cres­ce gra­ças a sua tec­no­lo­gia e à com­pe­tên­cia do pro­du­tor ru­ral. Me­nos de 20% do nos­so so­lo é de­di­ca­do à pe­cuá­ria.

Es­sas com­mo­di­ti­es, em gran­de par­te, ga­ran­tem su­pe­rá­vit em nos­sa ba­lan­ça co­mer­ci­al e ali­men­tam boa par­te do mun­do.

Nos­sa mis­são ago­ra é avan­çar na com­pa­ti­bi­li­za­ção en­tre a pre­ser­va­ção do meio am­bi­en­te e da bi­o­di­ver­si­da­de com o ne­ces­sá­rio de­sen­vol­vi­men­to econô­mi­co, lem­bran­do que são in­ter­de­pen­den­tes e in­dis­so­ciá­veis.

Os se­to­res que nos cri­ti­cam têm, na ver­da­de, mui­to o que apren­der co­nos­co.

Que­re­mos go­ver­nar pe­lo exem­plo e que o mun­do res­ta­be­le­ça a con­fi­an­ça que sem­pre te­ve em nós.

Va­mos di­mi­nuir a car­ga tri­bu­tá­ria, sim­pli­fi­car as nor­mas, fa­ci­li­tan­do a vi­da de quem de­se­ja pro­du­zir, em­pre­en­der, in­ves­tir e ge­rar em­pre­gos.

Tra­ba­lha­re­mos pe­la es­ta­bi­li­da­de ma­cro­e­conô­mi­ca, res­pei­tan­do os con­tra­tos, pri­va­ti­zan­do e equi­li­bran­do as con­tas pú­bli­cas.

O Bra­sil ain­da é uma eco­no­mia re­la­ti­va­men­te fe­cha­da ao co­mér­cio in­ter­na­ci­o­nal, e mu­dar es­sa con­di­ção é um dos mai­o­res com­pro­mis­sos des­te Go­ver­no.

Te­nham cer­te­za de que, até o fi­nal do meu man­da­to, nos­sa equi­pe econô­mi­ca, li­de­ra­da pe­lo mi­nis­tro Pau­lo Gue­des, nos co­lo­ca­rá no ran­king dos 50 me­lho­res paí­ses pa­ra se fa­zer ne­gó­ci­os.

Nos­sas re­la­ções in­ter­na­ci­o­nais se­rão di­na­mi­za­das pe­lo mi­nis­tro Er­nes­to Araú­jo, im­ple­men­tan­do uma po­lí­ti­ca na qual o viés ide­o­ló­gi­co dei­xa­rá de exis­tir.

Pa­ra is­so, bus­ca­re­mos in­te­grar o Bra­sil ao mun­do, por meio da in­cor­po­ra­ção das me­lho­res prá­ti­cas in­ter­na­ci­o­nais, co­mo aque­las que são ado­ta­das e pro­mo­vi­das pe­la OCDE.

Bus­ca­re­mos in­te­grar o Bra­sil ao mun­do tam­bém por meio de uma de­fe­sa ati­va da re­for­ma da OMC, com a fi­na­li­da­de de eli­mi­nar prá­ti­cas des­le­ais de co­mér­cio e ga­ran­tir se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca das tro­cas co­mer­ci­ais in­ter­na­ci­o­nais.

Va­mos res­ga­tar nos­sos va­lo­res e abrir nos­sa eco­no­mia.

Va­mos de­fen­der a fa­mí­lia e os ver­da­dei­ros di­rei­tos hu­ma­nos; pro­te­ger o di­rei­to à vi­da e à pro­pri­e­da­de pri­va­da e pro­mo­ver uma edu­ca­ção que pre­pa­re nos­sa ju­ven­tu­de pa­ra os de­sa­fi­os da quar­ta re­vo­lu­ção in­dus­tri­al, bus­can­do, pe­lo co­nhe­ci­men­to, re­du­zir a po­bre­za e a mi­sé­ria.

Es­ta­mos aqui por­que que­re­mos, além de apro­fun­dar nos­sos la­ços de ami­za­de, apro­fun­dar nos­sas re­la­ções co­mer­ci­ais.

Te­mos a mai­or bi­o­di­ver­si­da­de do mun­do e nos­sas ri­que­zas mi­ne­rais são abun­dan­tes. Que­re­mos par­cei­ros com tec­no­lo­gia pa­ra que es­se ca­sa­men­to se tra­du­za em pro­gres­so e de­sen­vol­vi­men­to pa­ra to­dos.

Nos­sas ações, te­nham cer­te­za, os atrai­rão pa­ra gran­des ne­gó­ci­os, não só pa­ra o bem do Bra­sil, mas tam­bém pa­ra o de to­do o mun­do.

Es­ta­mos de bra­ços aber­tos. Que­ro mais que um Bra­sil gran­de, que­ro um mun­do de paz, li­ber­da­de e de­mo­cra­cia.

Ten­do co­mo le­ma “Deus aci­ma de tu­do”, acre­di­to que nos­sas re­la­ções tra­rão in­fin­dá­veis pro­gres­sos pa­ra to­dos.

Mui­to obri­ga­do.

,