O de­sem­bar­ga­dor de plan­tão do Tri­bu­nal Re­gi­o­nal Fe­de­ral da 4ª Re­gião (TRF-​4), Le­an­dro Paul­sen, ne­gou no iní­cio des­ta ma­nhã (30) ha­be­as cor­pus ao ex-​presidente Lu­la pa­ra com­pa­re­cer ao ve­ló­rio de seu ir­mão, Ge­ni­val Iná­cio da Sil­va, o Va­vá. Paul­sen con­fir­mou a de­ci­são da juí­za Ca­ro­li­na Leb­bos, da Va­ra de Exe­cu­ções Pe­nais de Cu­ri­ti­ba, que ve­tou a saí­da de Lu­la pa­ra o ve­ló­rio, em São Pau­lo.

Pau­lo Lopes/​Futura Press/​Estadão Con­teú­do


Presidente queria ir a velório do irmão, morto aos 79 anos em decorrência de um câncer

Em no­ta o PT cri­ti­cou a po­si­ção da Jus­ti­ça e da Po­lí­cia Fe­de­ral. “Nem mes­mo du­ran­te a Di­ta­du­ra – quan­do Lu­la foi pre­so po­lí­ti­co – ele foi im­pe­di­do de tal di­rei­to e ve­lou sua mãe, Do­na Lin­du”, diz o par­ti­do. Os pe­tis­tas tam­bém cri­ti­ca­ram o mi­nis­tro da Jus­ti­ça e Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca, Sér­gio Mo­ro, res­pon­sá­vel co­mo juiz pe­la con­de­na­ção do ex-​presidente.

“Usur­par o di­rei­to de um ci­da­dão de ve­lar e en­ter­rar um en­te que­ri­do po­de ser con­si­de­ra­da uma das ati­tu­des mais cruéis. Mas no Bra­sil de Sér­gio Mo­ro e da La­va Ja­to, tu­do va­le quan­do se pre­ten­de per­se­guir uma pes­soa. Nes­se ca­so, o Lu­la”, afir­ma o tex­to, pu­bli­ca­do após a Po­lí­cia Fe­de­ral di­zer que não ti­nha con­di­ções de es­col­tar o ex-​presidente.

Ir­mão mais pró­xi­mo de Lu­la, Va­vá mor­reu aos 79 anos, ví­ti­ma de cân­cer. Ele foi res­pon­sá­vel pe­lo in­gres­so do lí­der pe­tis­ta no mo­vi­men­to sin­di­cal.

A Lei de Exe­cu­ções Pe­nais (LEP) de­ter­mi­na que con­de­na­dos na si­tu­a­ção de Lu­la “po­de­rão ob­ter per­mis­são pa­ra sair do es­ta­be­le­ci­men­to, me­di­an­te es­col­ta” em ca­so de “fa­le­ci­men­to ou do­en­ça gra­ve do côn­ju­ge, com­pa­nhei­ra, as­cen­den­te, des­cen­den­te ou ir­mão”.

O de­sem­bar­ga­dor Le­an­dro Paul­sen se­guiu o en­ten­di­men­to a pro­cu­ra­do­ra fe­de­ral Car­mem Eli­sa Hes­sel, que tam­bém apre­sen­tou ar­gu­men­tos con­tra a saí­da de Lu­la. Tan­to a Po­lí­cia Fe­de­ral quan­to pro­cu­ra­do­res da La­va Ja­to ha­vi­am su­ge­ri­do o in­de­fe­ri­men­to do pe­di­do da de­fe­sa do ex-​presidente por ris­co de fu­ga ou de ma­ni­fes­ta­ções que pu­des­sem fe­rir a in­te­gri­da­de do pe­tis­ta e de ou­tras pes­so­as pre­sen­tes na ce­rimô­nia do en­ter­ro.

A PF tam­bém ale­gou fal­ta de efe­ti­vo po­li­ci­al e de he­li­cóp­te­ros de­vi­do ao des­lo­ca­men­to de ae­ro­na­ves pa­ra Bru­ma­di­nho, em Mi­nas Ge­rais.

O ex-​presidente es­tá pre­so há qua­se dez me­ses na se­de da PF em Cu­ri­ti­ba, de­vi­do à con­de­na­ção em se­gun­da ins­tân­cia no pro­ces­so do trí­plex do Gua­ru­já.

Veja a nota do PT:

“Usur­par o di­rei­to de um ci­da­dão de ve­lar e en­ter­rar um en­te que­ri­do po­de ser con­si­de­ra­da uma das ati­tu­des mais cruéis. Mas no Bra­sil de Sér­gio Mo­roe da La­va Ja­to, tu­do va­le quan­do se pre­ten­de per­se­guir uma pes­soa. Nes­se ca­so, o Lu­la.

Proi­bi­ram vi­si­ta mé­di­ca, vi­si­tas de ami­gos, ad­vo­ga­dos, as­ses­so­ria es­pi­ri­tu­al, proi­bi­ram até en­tre­vis­tas, mas des­sa vez, a (in) Jus­ti­ça bra­si­lei­ra che­gou a seu li­mi­te. De­pois de vá­ri­as ho­ras de empurra-​empurra – com um qua­se cla­ro ob­je­ti­vo de fa­zer per­der o ob­je­to do pe­di­do da de­fe­sa (en­ter­rar o ir­mão) – a Po­lí­cia Fe­de­ral ne­gou a Lu­la o di­rei­to de ve­lar seu ir­mão mais ve­lho, mor­to por um cân­cer.

O ab­sur­do che­gou nas re­des so­ci­ais, que le­va­ram a hash­tag #Li­be­rem­Lu­la aos as­sun­tos mais dis­cu­ti­dos no Twit­ter. Tam­bém in­dig­nou ju­ris­tas, li­de­ran­ças e bra­si­lei­ras e bra­si­lei­ros que têm o mí­ni­mo de hu­ma­ni­da­de e res­pei­to às leis e aos di­rei­tos hu­ma­nos. Va­le lem­brar que, nem mes­mo du­ran­te a Di­ta­du­ra – quan­do Lu­la foi pre­so po­lí­ti­co – ele foi im­pe­di­do de tal di­rei­to e ve­lou sua mãe, Do­na Lin­du.”

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,