pós reu­nião com os mi­nis­tros de Mi­nas e Ener­gia, Ben­to Al­bu­quer­que, e do Meio Am­bi­en­te, Ri­car­do Sal­les, o pre­si­den­te da Va­le, Fa­bio Sch­varts­man, anun­ci­ou nes­sa terça-​feira (29) que a em­pre­sa vai aca­bar com dez bar­ra­gens, co­mo a que se rom­peu em Bru­ma­di­nho, nos ar­re­do­res de Be­lo Ho­ri­zon­te (MG). Se­gun­do ele, es­sas bar­ra­gens se­rão des­co­mis­si­o­na­das. To­das lo­ca­li­za­das em Mi­nas Ge­rais.

Val­ter Campanato/​Agência Bra­sil


O presidente da Vale, Fabio Schvartsman, fala à imprensa sobre acabar com dez barragens semelhantes à de Brumadinho

“É a res­pos­ta ca­bal e à al­tu­ra da enor­me tra­gé­dia que ti­ve­mos em Bru­ma­di­nho. Es­te pla­no foi pro­du­zi­do três a qua­tro di­as após o aci­den­te”, res­sal­tou o exe­cu­ti­vo.

Sch­varts­man afir­mou que des­co­mis­si­o­nar sig­ni­fi­ca pre­pa­rar a bar­ra­gem pa­ra que ela se­ja in­te­gra­da à na­tu­re­za. “A de­ci­são da com­pa­nhia é que não po­de­mos mais con­vi­ver com es­se ti­po de bar­ra­gem. To­ma­mos a de­ci­são de aca­bar com to­das as bar­ra­gens a mon­tan­te”, dis­se o exe­cu­ti­vo em Bra­sí­lia.

O pre­si­den­te da Va­le dis­se que o pro­je­to pa­ra des­co­mis­si­o­nar as bar­ra­gens es­tá pron­to e se­rá le­va­do pa­ra os ór­gãos fe­de­rais e es­ta­du­ais em 45 di­as. Se­gun­do ele, o pra­zo pa­ra exe­cu­tar as ações é de no mí­ni­mo um ano e no má­xi­mo 3 anos. Os tra­ba­lhos de­vem ter iní­cio dois me­ses após a ex­pe­di­ção das li­cen­ças. A Va­le es­ti­ma que se­rão apli­ca­dos cer­ca de R$ 5 bi­lhões pa­ra efe­ti­var o pla­no.

Sch­varts­man dis­se que “não te­ve qual­quer ti­po de pres­são” por par­te do go­ver­no fe­de­ral pa­ra in­ter­vir na di­re­ção da Va­le. De acor­do com ele, a reu­nião de ho­je com os mi­nis­tros Cos­ta e Li­ma e Sal­les foi “ab­so­lu­ta­men­te téc­ni­ca”.

“Es­se pla­no foi ho­je apre­sen­ta­do aos mi­nis­tros de Mi­nas e Ener­gia e Meio Am­bi­en­te, as­sim co­mo foi apre­sen­ta­do à da­ta de on­tem ao go­ver­na­dor Ro­meu Ze­ma [de Mi­nas Ge­rais].” De acor­do com o exe­cu­ti­vo, a de­ci­são se­rá pu­bli­ca­da por meio de co­mu­ni­ca­do pa­ra in­for­mar o mer­ca­do fi­nan­cei­ro.

Impacto

A me­di­da vai re­du­zir a pro­du­ção em 40 mi­lhões de mi­né­rio de fer­ro e 10 to­ne­la­das de pe­lo­tas por ano, o que re­pre­sen­ta 10% da pro­du­ção da em­pre­sa ao ano.

“A de­ci­são da com­pa­nhia é que, de­pois que es­se de­sas­tre acon­te­ceu, não po­de­mos mais con­vi­ver com es­se ti­po de bar­ra­gem, to­ma­mos a de­ci­são de eli­mi­nar com to­das as bar­ra­gens a mon­tan­te, des­co­mis­si­o­nan­do to­das elas com efei­to ime­di­a­to. Pa­ra tan­to se­rá ne­ces­sá­rio pa­ra­li­sar as ope­ra­ções de mi­ne­ra­ção em to­dos os sí­ti­os que es­tão nas pro­xi­mi­da­des des­sas bar­ra­gens”, dis­se o pre­si­den­te da Va­le.

A de­ci­são tam­bém foi co­mu­ni­ca­da ao go­ver­na­dor de Mi­nas Ge­rais, Ro­meu Ze­ma, on­tem (28).

O re­jei­to das bar­ra­gens a se­rem des­co­mis­si­o­na­das po­de­rá ser con­ve­ti­do em ou­tros ma­te­ri­ais, co­mo ti­jo­los, ou en­ter­ra­do. “To­das as 19 já es­tão de­sa­ti­va­das. As des­co­mis­si­o­na­das dei­xam de ser bar­ra­gens ou são es­va­zi­a­das ou in­te­gra­das ao meio am­bi­en­te”, afir­mou Sch­varts­man. “Is­so re­pre­sen­ta um es­for­ço iné­di­to de uma em­pre­sa no sen­ti­do de dar uma res­pos­ta ca­bal à al­tu­ra da tra­gé­dia de Bru­ma­di­nho”, acres­cen­tou.

O pre­si­den­te da Va­le dis­se ain­da que a em­pre­sa fir­mou o com­pro­mis­so de in­cor­po­rar os cer­ca de 5 mil tra­ba­lha­do­res que se­rão afe­ta­dos com a re­du­ção da ope­ra­ção, em ra­zão do des­co­mis­si­o­na­men­to das bar­ra­gens.

Sch­varts­man dis­se que des­de a tra­gé­dia em Ma­ri­a­na, a com­pa­nhia ha­via de­ci­di­do de­sa­ti­var es­se ti­po de bar­ra­gem. Do to­tal de 19 bar­ra­gens em Mi­nas Ge­rais, no­ve já fo­ram des­co­mis­si­o­na­das, is­to é, ti­ve­ram su­as ati­vi­da­des en­cer­ra­das, dei­xan­do de ser­vir co­mo bar­ra­gens.

Se­rão con­tra­ta­das em­pre­sas de en­ge­nha­ria es­pe­ci­a­li­za­das nes­se ti­po de pro­ce­di­men­to. Du­ran­te o des­co­mis­si­o­na­men­to das bar­ra­gens, a ope­ra­ção da com­pa­nhia se­rá pa­ra­li­sa­da. A em­pre­sa co­mu­ni­ca­rá a de­ci­são ao mer­ca­do ain­da na noi­te des­ta terça-​feira.

“A úni­ca ma­nei­ra de fa­zer o des­co­mis­si­o­na­men­to é pa­rar a ope­ra­ção. A Va­le to­mou es­pon­ta­ne­a­men­te a de­ci­são de pa­rar to­das as ope­ra­ções. A ra­zão pe­la qual te­mos que pa­rar as ope­ra­ções é pa­ra ace­le­rar o des­co­mis­si­o­na­men­to, se fi­zer­mos is­so co­ma ope­ra­ção em an­da­men­to há enor­mes ris­cos de des­mo­ro­na­men­to”, dis­se Sch­varts­man.

Se­gun­do o pre­si­den­te, a ati­vi­da­de da com­pa­nhia nas mi­nas ocor­re­rá sem o uso de bar­ra­gens a mon­tan­tes. Se­rão uti­li­za­das ape­nas bar­ra­gens con­ven­ci­o­nais e um pro­ce­di­men­to de ex­tra­ção de fer­ro a se­co, ad­qui­ri­do pe­la em­pre­sa pou­co an­tes do rom­pi­men­to da bar­ra­gem em Bru­ma­di­nho.

De acor­do com o pre­si­den­te da Va­le, o tra­ba­lho de re­cu­pe­ra­ção de Bru­ma­di­nho te­rá iní­cio lo­go após o tra­ba­lho de re­mo­ção das ví­ti­mas. “Em pri­mei­ro lu­gar, es­ta­mos fo­ca­dos no aten­di­men­to as fa­mí­li­as das ví­ti­mas e no res­ga­te den­tro das pos­si­bi­li­da­des das pes­so­as vi­ti­ma­das pe­la enor­me tra­gé­dia”, afir­mou.

Pressão

Ques­ti­o­na­do por jor­na­lis­tas se a de­ci­são de des­co­mis­si­o­nar as bar­ra­gens se­ria uma res­pos­ta à pres­são do go­ver­no jun­to a di­re­to­ria da em­pre­sa, Flá­vio Sch­varts­man dis­se que apre­sen­tou o pla­no “que pre­ten­de pra­ti­car”.

“Em ne­nhum mo­men­to ou­vi fa­lar de in­ter­ven­ção ou de pres­são so­bre o con­se­lho. Que­ro re­gis­trar que as reu­niões fo­ram ab­so­lu­ta­men­te téc­ni­cas e não hou­ve qual­quer ti­po de pres­são. A Va­le apre­sen­tou ao go­ver­no o pla­no que pre­ten­de pra­ti­car, co­mo ele tem im­pac­to de to­da a na­tu­re­za é ne­ces­sá­rio que o go­ver­no to­mas­se co­nhe­ci­men­to”, afir­mou.

Após o rom­pi­men­to da bar­ra­gem, cir­cu­lou a in­for­ma­ção de que o go­ver­no fe­de­ral, aci­o­nis­ta da em­pre­sa, pu­des­se agir pa­ra mu­dar a di­re­to­ria. Mais ce­do, o mi­nis­tro da Ca­sa Ci­vil, Onyx Lo­ren­zo­ni, dis­se em en­tre­vis­ta co­le­ti­va no Pa­lá­cio do Pla­nal­to que “não há con­di­ção” de o go­ver­no in­ter­vir pa­ra mu­dar a di­re­to­ria da mi­ne­ra­do­ra.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

, ,