O ven­ce­dor da dis­pu­ta mais acir­ra­da da his­tó­ria do Se­na­do é um ho­mem pou­co pro­pen­so a fa­zer de­cla­ra­ções pú­bli­cas, mas mui­to ati­vo nas ar­ti­cu­la­ções po­lí­ti­cas. De­pois de qua­tro anos de man­da­to lon­ge dos ho­lo­fo­tes, Da­vi Al­co­lum­bre (DEM-​AP) é ago­ra o che­fe do Con­gres­so, o ter­cei­ro na li­nha da su­ces­são pre­si­den­ci­al, o se­na­dor que der­ro­tou o MDB, par­ti­do que pre­si­diu a Ca­sa em 30 dos 34 anos da no­va Re­pú­bli­ca. Se­rá lem­bra­do da­qui em di­an­te co­mo o par­la­men­tar que impôs a Re­nan Ca­lhei­ros (MDB-​AL), que pos­tu­la­va a pre­si­dên­cia pe­la quin­ta vez, sua mai­or der­ro­ta elei­to­ral.

Fá­bio Ro­dri­gues Pozzebom/​Agência Bra­sil


Davi, ao centro, comemora sua eleição com aliados de vários partidos

“Da­vi não é Da­vi. Da­vi é Go­li­as. É o no­vo pre­si­den­te do Se­na­do e eu re­ti­ro mi­nha can­di­da­tu­ra”, dis­se o se­na­dor ala­go­a­no em tom de pro­tes­to, ao sair da dis­pu­ta na tar­de des­te sá­ba­do (2), quan­do per­ce­beu que se­ria der­ro­ta­do mes­mo com a vo­ta­ção se­cre­ta pe­la qual tan­to lu­tou.

Na pre­si­dên­cia em exer­cí­cio do Se­na­do, por ter si­do o úni­co re­ma­nes­cen­te da Me­sa Di­re­to­ra an­te­ri­or em meio de man­da­to, Al­co­lum­bre usou o mi­cro­fo­ne nes­sa sex­ta (1º) por mais tem­po do que em to­dos os seus qua­tro anos an­te­ri­o­res na Ca­sa. Des­de fe­ve­rei­ro de 2015, dis­cur­sou ape­nas se­te ve­zes, con­for­me os re­gis­tros ofi­ci­ais. Em três opor­tu­ni­da­des pa­ra de­fen­der o im­pe­a­ch­ment da en­tão pre­si­den­te Dil­ma.

Seu úl­ti­mo pro­nun­ci­a­men­to até sex­ta ha­via si­do fei­to em 19 de fe­ve­rei­ro de 2018, há qua­se um ano. Na oca­sião, ho­me­na­ge­ou Ma­ca­pá, ca­pi­tal de seu es­ta­do. Em 2017, ele se­quer fez uso da tri­bu­na. Foi tam­bém o úni­co dos no­ve can­di­da­tos a pre­si­den­te do Se­na­do que evi­tou a im­pren­sa. In­ves­tiu seu tem­po nas con­ver­sas com seus elei­to­res – os no­vos e os re­ma­nes­cen­tes se­na­do­res. Vá­ri­os es­tre­an­tes se com­por­ta­ram co­mo ve­te­ra­nos ao de­fen­der sua can­di­da­tu­ra em ple­ná­rio.

Rejeição a Renan

Du­ran­te a cam­pa­nha à pre­si­dên­cia do Se­na­do, Al­co­lum­bre en­fren­tou um pro­ble­ma ex­tra. Sua as­pi­ra­ção se cho­ca­va com o fa­to de o DEM, uma ban­ca­da re­la­ti­va­men­te pe­que­na, pos­suir três mi­nis­tros (Ca­sa Ci­vil, Saú­de e Agri­cul­tu­ra) e a pre­si­dên­cia da Câ­ma­ra. “Que­rem o Se­na­do tam­bém?”, es­tra­nham vá­ri­os se­na­do­res. Mas ele se ali­men­tou de um sen­ti­men­to que é mais for­te em uma ins­ti­tui­ção for­te­men­te re­no­va­da: o de ab­so­lu­ta re­jei­ção a Re­nan, vis­to co­mo ex­pres­são mais odi­o­sa da “ve­lha po­lí­ti­ca”. O re­ceio era que uma quin­ta pas­sa­gem do ala­go­a­no pe­la pre­si­dên­cia do Se­na­do com­pro­me­tes­se a ima­gem de to­dos os se­na­do­res.

Daí por­que os par­la­men­ta­res anti-​Renan, ini­ci­al­men­te dis­tri­buí­dos em di­ver­sas can­di­da­tu­ras, há se­ma­nas não pa­ra­ram de se reu­nir. O pla­no era to­do mun­do se jun­tar no se­gun­do tur­no con­tra o ad­ver­sá­rio co­mum. Com a de­sis­tên­cia de Re­nan e os 42 vo­tos que re­ce­beu – um a mais que o exi­gi­do pa­ra ven­cer no pri­mei­ro tur­no – a fa­tu­ra foi li­qui­da­da an­tes.

Nes­sa sex­ta, Al­co­lum­bre fi­cou im­pas­sí­vel aos pro­tes­tos dos co­le­gas que o acu­sa­vam de usar in­de­vi­da­men­te da ca­dei­ra pa­ra fa­vo­re­cer sua can­di­da­tu­ra. De­pois de sus­pen­der a tu­mul­tu­a­da ses­são, não pô­de ocu­par a ca­dei­ra no­va­men­te nes­te sá­ba­do por de­ter­mi­na­ção do pre­si­den­te do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), Di­as Tof­fo­li, que o afas­tou da fun­ção por tam­bém ser can­di­da­to, anu­lou a de­ci­são do ple­ná­rio de abrir a vo­ta­ção e or­de­nou que o vo­to ti­nha de ser se­cre­to.

“Não acre­di­ta­va que ele ti­ves­se pul­so fir­me. Ele se des­gas­tou mui­to, mas foi um des­gas­te cons­ci­en­te”, ava­li­ou o se­na­dor La­si­er Mar­tins (PSD-​RS) pou­co de­pois da sus­pen­são da ses­são des­sa sex­ta.

A in­ter­ven­ção de Tof­fo­li pa­re­cia in­vi­a­bi­li­zar os pla­nos de Al­co­lum­bre. Mas ele con­se­guiu aglu­ti­nar em tor­no de si o apoio dos ou­tros can­di­da­tos que en­fren­ta­vam Re­nan. As úl­ti­mas ne­go­ci­a­ções fo­ram ar­ti­cu­la­das no ga­bi­ne­te do se­na­dor Tas­so Je­reis­sa­ti (PSDB-​CE) ho­ras an­tes do iní­cio dos tra­ba­lhos nes­te sá­ba­do. Di­an­te do des­gas­te de on­tem, o gru­po co­gi­tou até ado­tar um ter­cei­ro no­me. Mas de­sis­tiu da ideia e pre­fe­riu sen­tir o cli­ma em ple­ná­rio.

A construção da candidatura

Em 2018, com mais qua­tro anos de Se­na­do ga­ran­ti­dos, Al­co­lum­bre con­cor­reu ao go­ver­no do Ama­pá, mas não che­gou ao se­gun­do tur­no. Ter­mi­nou em ter­cei­ro lu­gar, com 94 mil vo­tos (23,75% do to­tal). Pou­co de­pois, co­me­çou a aca­len­tar o pro­je­to de dis­pu­tar a pre­si­dên­cia do Se­na­do. Dois po­lí­ti­cos in­flu­en­tes do DEM lo­go com­pra­ram a ideia: os en­tão se­na­do­res Ro­nal­do Cai­a­do (GO) e Jo­sé Agri­pi­no Maia (RN).

Não de­mo­rou e to­da a cú­pu­la na­ci­o­nal do par­ti­do já ha­via ado­ta­do a can­di­da­tu­ra. O pre­si­den­te na­ci­o­nal da le­gen­da, ACM Ne­to, pre­fei­to de Sal­va­dor, che­gou a au­to­ri­zar a con­tra­ta­ção de ja­ti­nho par­ti­cu­lar, com as des­pe­sas pa­gas pe­la agre­mi­a­ção, pa­ra que Da­vi Al­co­lum­bre vi­si­tas­se al­guns es­ta­dos com o ob­je­ti­vo de apre­sen­tar o seu no­me a ou­tros se­na­do­res. “Ele pas­sou seis ho­ras ten­tan­do me con­ven­cer em Goi­â­nia”, con­fi­den­ci­ou o se­na­dor Jor­ge Ka­ju­ru (PSB-​GO), que de­cla­rou vo­to ne­le após abrir uma con­sul­ta em su­as re­des so­ci­ais.

Al­co­lum­bre ga­nhou vi­si­bi­li­da­de com as mo­vi­men­ta­ções de bas­ti­do­res do mi­nis­tro da Ca­sa Ci­vil, Onyx Lo­ren­zo­ni (DEM). As in­ter­ven­ções de Onyx in­co­mo­da­ram não ape­nas Re­nan, mas até o se­na­dor Ma­jor Olim­pio (PSL-​SP), co­le­ga de par­ti­do do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro e tam­bém can­di­da­to à pre­si­dên­cia do Se­na­do até o meio da tar­de des­se sá­ba­do.

Clã Bolsonaro

Ma­jor Olim­pio atu­a­va nos bas­ti­do­res em fa­vor da se­na­do­ra Si­mo­ne Te­bet (MDB-​MS), der­ro­ta­da por Re­nan em vo­ta­ção da ban­ca­da. O que ele a prin­cí­pio ig­no­ra­va é que Al­co­lum­bre ti­nha o en­tu­si­as­mo apoio de dois ilus­tres mem­bros do PSL, os ir­mãos Edu­ar­do e Flá­vio Bol­so­na­ro, fi­lhos do pre­si­den­te. Com o pri­mei­ro, de­pu­ta­do por São Pau­lo, tem for­te ami­za­de e jo­gou fu­te­bol vá­ri­as ve­zes em Bra­sí­lia. O se­gun­do ra­pi­da­men­te en­cam­pou a can­di­da­tu­ra.

De­pois de se ne­gar a re­ve­lar seu vo­to na pri­mei­ra vo­ta­ção des­te sá­ba­do, Flá­vio re­sol­veu mos­trar a cé­du­la e de­cla­rar apoio a Al­co­lum­bre quan­do a Me­sa man­dou re­pe­tir o pro­ces­so de vo­ta­ção de­vi­do à des­co­ber­ta de que ha­via 82 cé­du­las na ur­na – uma a mais que o to­tal de se­na­do­res.

A ma­ni­fes­ta­ção de Flá­vio e a dis­po­si­ção do PSDB de man­dar seus se­na­do­res abri­rem o vo­to fo­ram o es­to­pim pa­ra Re­nan anun­ci­ar sua de­sis­tên­cia. Ele con­ta­va com o vo­to de Flá­vio, de quem ten­ta­va se apro­xi­mar des­de o fi­lho do pre­si­den­te vi­rou al­vo do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co do Rio de Ja­nei­ro por con­ta das mo­vi­men­ta­ções fi­nan­cei­ras em seu ga­bi­ne­te.

Opo­si­tor fer­re­nho do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co por cau­sa da Ope­ra­ção La­va Ja­to, pe­la qual res­pon­de a uma de­ze­na de inqué­ri­tos, o eme­de­bis­ta pres­tou so­li­da­ri­e­da­de ao no­vo co­le­ga, que tam­bém se diz ví­ti­ma de per­se­gui­ção. Re­nan es­pe­ra­va re­ce­ber, ain­da, qua­tro vo­tos de tu­ca­nos. Sua es­tra­té­gia, po­rém, foi por água abai­xo.

Em seu pri­mei­ro dis­cur­so co­mo pre­si­den­te, Da­vi Al­co­lum­bre es­ten­deu a mão aos seus ad­ver­sá­ri­os, in­clu­si­ve o se­na­dor ala­go­a­no, de­fen­deu a pa­ci­fi­ca­ção do Se­na­do e re­ve­ren­ci­ou vá­ri­os de seus ali­a­dos, es­pe­ci­al­men­te Si­mo­ne Te­bet, Ma­jor Olim­pio e Al­va­ro Di­as, que re­ti­ra­ram a can­di­da­tu­ra em seu fa­vor, e Tas­so Je­reis­sa­ti (PSDB-​CE), que de­sis­tiu da dis­pu­ta ain­da on­tem. Di­ver­sos se­na­do­res da no­va le­gis­la­tu­ra tam­bém con­tri­buí­ram pa­ra a ar­ti­cu­la­ção pró-​Alcolumbre – os re­e­lei­tos Sér­gio Pe­te­cão (PSD-​AC) e Ran­dol­fe Ro­dri­gues (Rede-​AP) e o ex-​deputado Izal­ci Lu­cas (PSDB-​DF).

Pa­ra o ci­en­tis­ta po­lí­ti­co Pau­lo Kra­mer, o prin­ci­pal de­sa­fio de Al­co­lum­bre se­rá pa­ci­fi­car a Ca­sa ru­mo a um con­sen­so ope­ra­ci­o­nal mí­ni­mo pa­ra apro­va­ção das re­for­mas. “O tem­po pa­ra tan­to se­rá cur­to e pre­ci­sa ser ra­pi­da­men­te apro­vei­ta­do: é o tem­po da po­pu­la­ri­da­de de Bol­so­na­ro, o tem­po da lua de mel en­tre o go­ver­no e a opi­nião pú­bli­ca”, ava­lia o pro­fes­sor da Uni­ver­si­da­de de Bra­sí­lia (UnB), um dos pri­mei­ros ana­lis­tas po­lí­ti­cos a apos­tar na vi­tó­ria do se­na­dor do Ama­pá.

Kra­mer acre­di­ta que Re­nan se­rá cau­te­lo­so na re­a­ção: “Não acre­di­to [em re­van­che ime­di­a­ta], pe­lo me­nos não ago­ra: os cin­co vo­tos que re­ce­beu na tar­de des­se sá­ba­do ates­tam a de­si­dra­ta­ção do seu gru­po. Além dis­so, ele não po­de se dar ao lu­xo de ar­ris­car a per­da do apoio da União ao go­ver­no do fi­lho [o go­ver­na­dor Re­na Fi­lho], em Ala­go­as.”

Sarney, Dilma e Aécio

Nas­ci­do em Ma­ca­pá em 19 de ju­nho de 1977, Al­co­lum­bre afir­ma em sua pá­gi­na no Fa­ce­bo­ok ser fi­lho de um me­câ­ni­co e de uma em­pre­sá­ria. Se­gun­do o por­tal do Se­na­do, o par­la­men­tar co­me­çou mas não con­cluiu o cur­so de Eco­no­mia no Cen­tro de En­si­no Su­pe­ri­or do Ama­pá (Ce­ap). Co­mer­ci­an­te, gos­ta de brin­car com o fa­to de ser ju­deu. Em con­ver­sas de cam­pa­nha, pa­ra de­fen­der o pa­ga­men­to de cer­tas des­pe­sas, cos­tu­ma ar­gu­men­tar: “Não pre­ci­sa ser tão pão-​duro, o ju­deu aqui sou eu”.

Al­co­lum­bre en­trou pa­ra a po­lí­ti­ca em 2000, quan­do se can­di­da­tou a ve­re­a­dor da ca­pi­tal ama­pa­en­se ain­da pe­lo PDT. Pas­sou dois anos na Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal e foi elei­to de­pu­ta­do fe­de­ral em 2006. Após cum­prir três man­da­tos, elegendo-​se pe­lo DEM pa­ra os dois úl­ti­mos de­les, con­se­guiu va­ga pa­ra o Se­na­do em 2014, com mais de 130 mil vo­tos. Na oca­sião der­ro­tou o gru­po po­lí­ti­co do ex-​presidente Jo­sé Sar­ney, ti­ran­do a va­ga do ex-​senador Gil­vam Bor­ges (MDB-​AP).

Em­bo­ra se­ja de um par­ti­do con­si­de­ra­do de di­rei­ta, tornou-​se ali­a­do do se­na­dor Ran­dol­fe Ro­dri­gues (Rede-​AP), egres­so do PT e do Psol, na opo­si­ção a Sar­ney. Ran­dol­fe foi peça-​chave pa­ra ele na elei­ção do Se­na­do, ao cons­truir bus­car vo­tos na cen­tro es­quer­da e ao pe­dir que o ple­ná­rio de­li­be­ras­se so­bre o vo­to aber­to na sexta-​feira.

Co­mo se­na­dor, Al­co­lum­bre vo­tou a fa­vor do im­pe­a­ch­ment da ex-​presidente Dil­ma Rous­seff (PT) em 2016 e, no ano se­guin­te, se opôs à cas­sa­ção do ex-​senador Aé­cio Ne­ves (PSDB-​MG), acu­sa­do no es­que­ma de cor­rup­ção do gru­po JBS.

Pre­si­diu a CPI do Ban­co Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to Econô­mi­co e So­ci­al (BNDES), ape­sar de ter re­ce­bi­do em 2014, ele pró­prio, R$ 138 mil em do­a­ções elei­to­rais da JBS, prin­ci­pal al­vo da­que­la co­mis­são. À épo­ca, ale­gou que não hou­ve ne­nhu­ma con­tra­par­ti­da em tro­ca dos re­cur­sos. Tam­bém foi pre­si­den­te da Co­mis­são de De­sen­vol­vi­men­to Re­gi­o­nal e Tu­ris­mo do Se­na­do.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,