Davi Alcolumbre vence Renan e é o novo presidente do Senado

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2019 07:50 Notícias

O se­na­dor Da­vi Al­co­lum­bre (DEM-​AP) é o no­vo pre­si­den­te do Se­na­do. Ele se ele­geu em pri­mei­ro tur­no, nes­te sá­ba­do (2), após re­ce­ber 42 vo­tos. Um a mais do que os 41 exi­gi­dos pa­ra que não hou­ves­se se­gun­do tur­no. Es­sa foi a elei­ção mais acir­ra­da da his­tó­ria da Ca­sa des­de a re­de­mo­cra­ti­za­ção. A dis­pu­ta, ini­ci­a­da ain­da nes­sa sexta-​feira (1º), foi mar­ca­da por um cer­co de se­na­do­res de vá­ri­os par­ti­dos con­tra Re­nan Ca­lhei­ros (MDB-​AL), que re­nun­ci­ou à sua can­di­da­tu­ra no fim da tar­de, ale­gan­do dis­cor­dân­ci­as com o pro­ces­so elei­to­ral.

Mar­cos Oliveira/​Agência Se­na­do


Aos 41 anos, Alcolumbre impôs derrota histórica a Renan e ao MDB

De­pois de qua­tro anos de atu­a­ção tí­mi­da no Se­na­do, Da­vi Al­co­lum­bre se agi­gan­tou di­an­te de Re­nan, que che­gou a chamá-​lo, de ma­nei­ra irô­ni­ca, de “Go­li­as”, em re­fe­rên­cia aos dois per­so­na­gens bí­bli­cos, e de­ve co­man­dar a Ca­sa pe­los pró­xi­mos dois anos Foi ne­ces­sá­ria a re­a­li­za­ção de du­as vo­ta­ções se­cre­tas, em cé­du­las de pa­pel, pa­ra que o no­vo pre­si­den­te fos­se co­nhe­ci­do.

O se­na­dor Es­pe­ri­dião Amin (PP-​SC) foi o se­gun­do co­lo­ca­do com 13 vo­tos. Ân­ge­lo Co­ro­nel (PSD-​BA) re­ce­beu oi­to; Re­guf­fe (sem partido-​DF), seis; Re­nan, cin­co, e Fer­nan­do Col­lor (Pros-​AL), três. Dos 81 se­na­do­res, qua­tro não vo­ta­ram na se­gun­da ro­da­da: além de Re­nan, Ja­der Bar­ba­lho (MDB-​PA), Edu­ar­do Bra­ga (MDB-​AM) e Ma­ria do Car­mo Al­ves (DEM-​SE) - to­dos apoi­a­do­res do po­lí­ti­co ala­go­a­no.

Com a vi­tó­ria de Al­co­lum­bre no Se­na­do e a de Ro­dri­go Maia (DEM-​RJ) na Câ­ma­ra on­tem, o DEM vol­ta a co­man­dar as du­as ca­sas le­gis­la­ti­vas do Con­gres­so si­mul­ta­ne­a­men­te de­pois de du­as dé­ca­das, quan­do ain­da se cha­ma­va PFL.

Promessa de pacificação

Em seu pri­mei­ro dis­cur­so co­mo pre­si­den­te, Al­co­lum­bre de­fen­deu a pa­ci­fi­ca­ção no Se­na­do. “Não con­du­zi­rei o Se­na­do com re­van­chis­mo”, pro­me­teu. O se­na­dor fez agra­de­ci­men­tos aos três se­na­do­res que de­cli­na­ram da can­di­da­tu­ra em seu fa­vor e a Re­nan, seu prin­ci­pal ad­ver­sá­rio. “Meus ad­ver­sá­ri­os te­rão mi­nha de­fe­rên­cia pa­ra a cons­tru­ção de um no­vo Se­na­do com âni­mos se­re­na­dos e vol­ta­dos pa­ra o bem co­mum. Pre­ci­sa­mos uni­fi­car o Se­na­do em tor­no do que lhe de­ve ser mais ca­ro: a Re­pú­bli­ca e o in­te­res­se pú­bli­co. Não tem ini­mi­gos na po­lí­ti­ca”, afir­mou.

O se­na­dor dis­se que, em sua ges­tão, go­ver­no e opo­si­ção re­ce­be­rão o mes­mo tra­ta­men­to e que a vo­ta­ção des­te sá­ba­do foi a úl­ti­ma se­cre­ta re­a­li­za­da pe­la Ca­sa. “Ma­ni­fes­to des­de já que, no que de­pen­der da mi­nha con­du­ção, es­sa se­rá a der­ra­dei­ra ses­são do se­gre­dis­mo, do con­fron­to en­ga­no­so do vo­to se­cre­to. Só com trans­pa­rên­cia em to­das as nos­sas prá­ti­cas o Se­na­do re­con­quis­ta­rá seu pres­ti­gio e re­ve­la­rá sua es­ta­tu­ra no con­jun­to dos po­de­res. Não de­ve­mos te­mer crí­ti­cas das ru­as, de­ve­mos ouvi-​las com aten­ção e reconhecê-​las com hu­mil­da­de.”

A can­di­da­tu­ra de Al­co­lum­bre foi ar­qui­te­ta­da pe­los ex-​senadores Ro­nal­do Cai­a­do (DEM-​GO), atu­al go­ver­na­dor de Goiás, e Jo­sé Agri­pi­no (DEM-​RN), e in­cen­ti­va­da pos­te­ri­or­men­te pe­lo mi­nis­tro da Ca­sa Ci­vil, Onyx Lo­ren­zo­ni. O no­me de­le ga­nhou mais for­ça nes­ta tar­de, com a re­nún­cia de ou­tros três can­di­da­tos em seu fa­vor - Si­mo­ne Te­bet (MDB-​MS), Al­va­ro Di­as (Podemos-​PR) e Ma­jor Olim­pio (PSL-​SP).

Golias

Al­co­lum­bre impôs a Re­nan sua mai­or der­ro­ta elei­to­ral. Vin­do de uma re­e­lei­ção tran­qui­la em seu es­ta­do, o se­na­dor ten­ta­va co­man­dar o Se­na­do pe­la quin­ta vez e re­ti­rou a can­di­da­tu­ra ao per­ce­ber que se­ria der­ro­ta­do di­an­te da de­ci­são de se­na­do­res com os quais con­ta­va - in­cluin­do o fi­lho do pre­si­den­te, Flá­vio Bol­so­na­ro (PSL-​RJ) - de abrir o vo­to da­do na cé­du­la.

“Não sou Je­an Wyllys. Não vou re­nun­ci­ar ao meu man­da­to. Vou fi­car aqui no Se­na­do. Pa­ra de­mons­trar que es­se pro­ces­so não é de­mo­crá­ti­co, eu que­ria lhes di­zer que o Da­vi não é Da­vi. Da­vi é Go­li­as. É o no­vo pre­si­den­te do Se­na­do e eu re­ti­ro mi­nha can­di­da­tu­ra”, afir­mou, referindo-​se pri­mei­ro ao de­pu­ta­do do Psol que re­nun­ci­ou ao man­da­to por so­frer re­pe­ti­das ame­a­ças de mor­te e de­pois a Al­co­lum­bre.

Re­nan Ca­lhei­ros re­nun­ci­ou à dis­pu­ta quan­do os se­na­do­res par­ti­ci­pa­vam da se­gun­da vo­ta­ção se­cre­ta. Em en­tre­vis­ta à im­pren­sa na saí­da do ple­ná­rio, o eme­de­bis­ta cri­ti­cou o PSDB e Flá­vio Bol­so­na­ro, dei­xan­do trans­pa­re­cer que o com­por­ta­men­to dos tu­ca­nos e do fi­lho do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro fo­ram de­ci­si­vos em sua re­nún­cia.

“Tu­do o que ha­via na pri­mei­ra vo­ta­ção po­de­ria ter acon­te­ci­do na se­gun­da. O que não po­dia era o PSDB, na se­gun­da, abrir o vo­to” afir­mou o ala­go­a­no, afir­man­do que ti­nha qua­tro vo­tos na ban­ca­da tu­ca­na. “O fi­lho do pre­si­den­te fez ques­tão de abrir o vo­to”, re­cla­mou. Ele dei­xou o Con­gres­so e não acom­pa­nhou o fi­nal da vo­ta­ção.

Mais voto que senador

A pri­mei­ra vo­ta­ção foi anu­la­da por­que, du­ran­te a apu­ra­ção, fo­ram en­con­tra­dos na ur­na dois vo­tos em pa­pel fo­ra do en­ve­lo­pe. Ao to­do, fo­ram de­po­si­ta­dos 82 vo­tos, um mais do que o nú­me­ro de se­na­do­res. A de­ci­são foi to­ma­da por su­ges­tão dos par­la­men­ta­res que atu­a­ram co­mo fis­cais da vo­ta­ção, em meio a gran­de po­lê­mi­ca.

“Não va­mos dei­xar con­ta­mi­nar es­sa elei­ção. Quem vo­tou uma vez vo­ta uma se­gun­da”, su­ge­riu a se­na­do­ra Sel­ma Ar­ru­da (PSL-​MT), uma das fis­cais. “Acho me­lhor fa­zer uma no­va vo­ta­ção”, con­cor­dou Jo­sé Ma­ra­nhão (MDB-​PB), que pre­si­de a ses­são por ser o se­na­dor mais ido­so.

Al­guns se­na­do­res usa­ram o mi­cro­fo­ne pa­ra cri­ti­car a de­ci­são, de­fen­den­do que fos­sem anu­la­dos ape­nas os dois vo­tos ex­ce­den­tes e a apu­ra­ção fos­se man­ti­da. Os se­na­do­res Ot­to Alen­car (PSD-​BA) e Jay­me Cam­pos (DEM-​MT) pe­di­ram que o se­cre­tá­rio da me­sa, Fer­nan­do Co­e­lho Be­zer­ra (MDB-​PE), fos­se subs­ti­tuí­do por um in­te­gran­te de ou­tro par­ti­do, ale­gan­do que ha­via mui­to eme­de­bis­ta na Me­sa. Mi­nu­tos de­pois Fer­nan­do Be­zer­ra ce­deu a va­ga ao se­na­dor Nel­si­nho Trad (PSD-​MS).

Vá­ri­os par­la­men­ta­res tam­bém ques­ti­o­na­ram o fa­to de te­rem si­do ru­bri­ca­dos, por Ma­ra­nhão e por Be­zer­ra, 82 vo­tos. “De­ve ter ha­vi­do um equí­vo­co”, desculpou-​se o se­na­dor pa­rai­ba­no.

Voto secreto

Em cli­ma mais ame­no do que o que de on­tem, o Se­na­do re­to­mou às 11h45 a ses­são pa­ra a es­co­lha do no­vo pre­si­den­te da Ca­sa sob o im­pac­to da de­ter­mi­na­ção do pre­si­den­te do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral, Di­as Tof­fo­li, de anu­lar a de­ci­são to­ma­da pe­lo ple­ná­rio de ado­tar o vo­to aber­to. Em des­pa­cho as­si­na­do às 3h45, aten­den­do a pe­di­do do MDB e do So­li­da­ri­e­da­de, Tof­fo­li ain­da or­de­nou que Al­co­lum­bre, que pre­si­diu os tra­ba­lhos nes­sa sex­ta, ce­des­se a va­ga ao se­na­dor mais ido­so, Jo­sé Ma­ra­nhão, de 85 anos.

Na con­di­ção de pre­si­den­te em exer­cí­cio, por ter si­do o úni­co re­ma­nes­cen­te da Me­sa Di­re­to­ra an­te­ri­or, Al­co­lum­bre aco­lheu pe­di­do de ali­a­dos pa­ra sub­me­ter a de­ci­são so­bre o vo­to, se aber­to ou se­cre­to, ao ple­ná­rio. Sob pro­tes­to dos apoi­a­do­res de Re­nan, por 50 vo­tos a 2, decidiu-​se pe­la aber­tu­ra da vo­ta­ção.

"Manobra casuística"

Tof­fo­li clas­si­fi­cou a de­ci­são do ple­ná­rio, con­du­zi­da por Al­co­lum­bre, co­mo “ver­da­dei­ra ma­no­bra ca­suís­ti­ca”. No des­pa­cho, ele diz que hou­ve vi­o­la­ção das re­gras re­gi­men­tais, de pres­su­pos­tos cons­ti­tu­ci­o­nais e dos “prin­cí­pi­os re­pu­bli­ca­nos, da igual­da­de, da im­pes­so­a­li­da­de e mo­ra­li­da­de”.

De acor­do com o mi­nis­tro, o re­gi­men­to in­ter­no do Se­na­do é ta­xa­ti­vo ao de­ter­mi­nar que a vo­ta­ção pa­ra a elei­ção da Me­sa Di­re­to­ra se­ja se­cre­ta. O pre­si­den­te do STF ar­gu­men­ta que o vo­to se­cre­to, nes­ses ca­sos, é co­mum tam­bém em ou­tros paí­ses e que o ob­je­ti­vo da me­di­da é pre­ser­var a in­de­pen­dên­cia en­tre os po­de­res e im­pe­dir que o Exe­cu­ti­vo exer­ça pres­são so­bre os par­la­men­ta­res na es­co­lha do pre­si­den­te da Ca­sa.

Vá­ri­os se­na­do­res cri­ti­ca­ram a in­ter­ven­ção de Tof­fo­li, ale­gan­do que o Ju­di­ciá­rio es­ta­va in­va­din­do a com­pe­tên­cia do Le­gis­la­ti­vo de tra­tar de ques­tões in­ter­nas. A se­na­do­ra Ká­tia Abreu (PDT-​TO), que on­tem in­va­diu a me­sa e to­mou das mãos de Al­co­lum­bre uma pas­ta com do­cu­men­tos da ses­são, en­tre­gou flo­res ao co­le­ga. Al­guns par­la­men­ta­res usa­ram do mi­cro­fo­ne nes­te sá­ba­do pe­din­do des­cul­pas à po­pu­la­ção pe­lo “es­pe­tá­cu­lo” de sex­ta, pri­mei­ro dia de tra­ba­lho da no­va le­gis­la­tu­ra.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,