Su­ces­sor de Edu­ar­do Cu­nha (MDB-​RJ), con­de­na­do e pre­so da Ope­ra­ção La­va Ja­to, no co­man­do da Câ­ma­ra, o de­pu­ta­do Ro­dri­go Maia (DEM-​RJ) foi re­e­lei­to em pri­mei­ro tur­no há pou­co, com 334 vo­tos, pa­ra mais dois anos à fren­te da Ca­sa. Ali­nha­do à pau­ta re­for­mis­ta do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro (PSL), cu­jo par­ti­do anun­ci­ou apoio for­mal à re­e­lei­ção, Maia su­pe­rou ou­tros seis can­di­da­tos, en­tre eles Mar­ce­lo Frei­xo (Psol-​RJ), seu ad­ver­sá­rio lo­cal e um dos lí­de­res da opo­si­ção no Con­gres­so (ve­ja abai­xo o ví­deo da ses­são).

Luis Macedo/​Câmara dos De­pu­ta­dos


Maia é abraçado por aliados logo em seguida ao anúncio da vitória

Com o pra­zo de re­gis­tro das can­di­da­tu­ras en­cer­ra­do às 17h des­ta sexta-​feira (1º), os no­mes que con­ti­nu­a­vam no pá­reo eram, além de Maia e Frei­xo, os de­pu­ta­dos Fá­bio Ra­ma­lho (MDB-​MG), 1º vice-​presidente na le­gis­la­tu­ra pas­sa­da (2015-​2018); JHC (PSB-​AL), re­ma­nes­cen­te da 3ª se­cre­ta­ria da Me­sa Di­re­to­ra; Ge­ne­ral Pe­ter­nel­li (PSL-​SP); Ri­car­do Bar­ros (PP-​PR); e Mar­cel Van Hat­tem (Novo-​RS). No­mes co­mo Kim Ka­ta­gui­ri (DEM-​SP) e Arthur Li­ra (PP-​AL), que che­ga­ram a se lan­çar na dis­pu­ta, fi­ca­ram pe­lo ca­mi­nho de­pois das ne­go­ci­a­ções en­tre as ban­ca­das.

Com 77 vo­tos de fol­ga pa­ra se ele­ger em pri­mei­ro tur­no, Maia pre­ci­sa­va de 257 vo­tos (mai­o­ria ab­so­lu­ta) pa­ra re­tor­nar ao co­man­do da Câ­ma­ra sem pre­ci­sar pas­sar por mais uma ro­da­da de vo­ta­ções. O se­gun­do mais vo­ta­do foi Fá­bio Ra­ma­lho, com 66 vo­tos, se­gui­do de Mar­ce­lo Frei­xo (50), JHC (30), Mar­cel Van Hat­tem (23), Ri­car­do Bar­ros (4) e Ge­ne­ral Pe­ter­nel­li (2). Três vo­tos em bran­co fo­ram ano­ta­dos no pla­car ele­trô­ni­co do ple­ná­rio. A vo­ta­ção foi se­cre­ta.

Maia che­ga ao no­vo man­da­to com o apoio de ban­ca­das co­mo MDB (34 re­pre­sen­tan­tes), PSDB (29), DEM (29), PP (38) e PSL (52), que só per­de pa­ra o PT em nú­me­ro de de­pu­ta­dos elei­tos (54).

Mesa e secretarias

Os de­mais com­po­nen­tes da Me­sa Di­re­to­ra são os se­guin­tes: na 1ª Vice-​Presidência, Mar­cos Pe­rei­ra (PRB-​SP), com 398 vo­tos; já na 2ª Vice-​Presidência ha­ve­rá se­gun­do tur­no, pois não hou­ve mai­o­ria de vo­tos en­tre os dois can­di­da­tos - Lu­ci­a­no Bi­var (PSL-​PE) ob­te­ve 240 vo­tos, en­quan­to Charl­les Evan­ge­lis­ta (PSL-​MG), can­di­da­to avul­so, al­can­çou 161 vo­tos.

A 1ª Se­cre­ta­ria se­rá exer­ci­da pe­la de­pu­ta­da So­raya San­tos (PR-​RJ), que che­gou a 315 vo­tos na con­di­ção de can­di­da­ta avul­sa. Can­di­da­to ofi­ci­al do blo­co, o de­pu­ta­do Gi­a­co­bo (PR-​PR) ob­te­ve 183 vo­tos.

Já o de­pu­ta­do Má­rio He­rin­ger (PDT-​MG) co­man­da­rá a 2ª Se­cre­ta­ria de­pois de re­ce­ber 408 vo­tos, en­quan­to a 3ª Se­cre­ta­ria se­rá co­man­da­da pe­lo de­pu­ta­do Fá­bio Fa­ria (PSD-​RN), que al­can­çou 416 vo­tos. Por fim, a 4ª Se­cre­ta­ria se­rá con­du­zi­da pe­lo de­pu­ta­do An­dré Fu­fu­ca (PP-​MA), que te­ve 408 vo­tos.

Reformas e modernização

Em seu dis­cur­so de ple­ná­rio, Maia de­fen­deu uma re­for­ma do Es­ta­do com o ob­je­ti­vo de mo­der­ni­zar o país. Di­an­te de uma mai­o­ria de ali­a­dos, ele dis­se que, trans­cor­ri­dos 30 anos des­de a re­de­mo­cra­ti­za­ção, o Bra­sil foi “cap­tu­ra­do por in­te­res­ses de cor­po­ra­ções pú­bli­cas e pri­va­das” que com­pro­me­te­ram su­as con­tas pú­bli­cas e o dei­xa­ram sem for­ça de in­ves­ti­men­to.

“De ca­da R$ 100 do nos­so or­ça­men­to, R$ 94 são de des­pe­sas obri­ga­tó­ri­as que não po­de­mos cor­tar. Se or­ga­ni­zar­mos a des­pe­sa, va­mos en­fren­tar es­sa ex­tre­ma po­bre­za ver­go­nho­sa e ga­ran­tir re­cur­sos pa­ra saú­de, edu­ca­ção e pa­ra a se­gu­ran­ça pú­bli­ca”, dis­cur­sou o par­la­men­tar flu­mi­nen­se, de­fen­den­do o diá­lo­go en­tre ad­ver­sá­ri­os po­lí­ti­cos co­mo for­ma de re­so­lu­ção dos pro­ble­mas bra­si­lei­ros.

“Se não re­for­mar­mos o Es­ta­do bra­si­lei­ro, nem es­quer­da, nem di­rei­ta, nem pre­fei­tos nem go­ver­na­do­res con­se­gui­rão mu­dar o país”, acres­cen­tou.

Na Câ­ma­ra des­de 2003 (qua­tro man­da­tos con­se­cu­ti­vos), o chi­le­no na­tu­ra­li­za­do bra­si­lei­ro tem se ali­nha­do a pau­tas re­for­mis­tas des­de que foi elei­to pa­ra o mandato-​tampão de pre­si­den­te da Câ­ma­ra, a par­tir da que­da do en­tão ti­tu­lar, Edu­ar­do Cu­nha, em se­tem­bro de 2016. Co­mo fi­a­dor da ten­ta­ti­va frus­tra­da do en­tão pre­si­den­te Mi­chel Te­mer (MDB), atra­pa­lha­do pe­las se­gui­das de­nún­ci­as de cor­rup­ção que pa­ra­li­sa­ram a Câ­ma­ra por al­guns me­ses, pau­tas con­si­de­ra­das cru­ci­ais pa­ra as con­tas pú­bli­cas, co­mo a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, fi­ca­ram pe­lo ca­mi­nho.

Com a re­e­lei­ção con­fir­ma­da, Maia des­pon­ta co­mo um dos prin­ci­pais apoi­a­do­res da pau­ta de re­for­mas do go­ver­no Bol­so­na­ro -além da pre­vi­den­ciá­ria, as re­for­mas tri­bu­tá­ria e po­lí­ti­ca são du­as das que têm sur­gi­do nas dis­cus­sões po­lí­ti­cas. Além de even­tu­ais pro­je­tos de lei e pro­pos­tas de emen­da à Cons­ti­tui­ção, ca­so da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, me­di­das pro­vi­só­ri­as são pau­ta­das, pri­o­ri­ta­ri­a­men­te, pe­lo pre­si­den­te da Câ­ma­ra. Com for­ça de lei no ato da edi­ção, tais ins­tru­men­tos le­gis­la­ti­vos têm si­do cons­tan­te­men­te usa­dos por pre­si­den­tes da Re­pú­bli­ca em um am­bi­en­te de ba­se par­la­men­tar co­e­sa e afi­na­da com o Exe­cu­ti­vo.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,