O Se­na­do po­de ter uma co­mis­são par­la­men­tar de inqué­ri­to (CPI) pa­ra in­ves­ti­gar as cau­sas do rom­pi­men­to da bar­ra­gem da mi­ne­ra­do­ra Va­le, em Bru­ma­di­nho (MG). O re­que­ri­men­to com 31 as­si­na­tu­ras de­ve ser li­do na pró­xi­ma quinta-​feira (7) em Ple­ná­rio. O Re­gi­men­to In­ter­no exi­ge o apoio de 27 par­la­men­ta­res. O de­sas­tre ocor­ri­do no dia 25 de ja­nei­ro pro­vo­cou a mor­te de pe­lo me­nos 134 pes­so­as. De acor­do com o Cor­po de Bom­bei­ros, 199 ví­ti­mas ain­da es­tão de­sa­pa­re­ci­das.

Jo­nas Pereira/​Agência Se­na­do


Otto Alencar, autor do pedido de criação da CPI, classifica o rompimento da barragem como “catástrofe criminosa”

O re­que­ri­men­to su­ge­re que a CPI se­ja com­pos­ta por 11 ti­tu­la­res e se­te su­plen­tes. Em 180 di­as, os se­na­do­res de­vem iden­ti­fi­car os res­pon­sá­veis pe­la tra­gé­dia e su­ge­rir pro­vi­dên­ci­as pa­ra evi­tar no­vos de­sas­tres. O au­tor do pe­di­do, se­na­dor Ot­to Alen­car (PSD-​BA), clas­si­fi­ca o rom­pi­men­to da bar­ra­gem co­mo uma “ca­tás­tro­fe cri­mi­no­sa”.

“Com o rom­pi­men­to da bar­ra­gem, 12 mi­lhões de me­tros cú­bi­cos de re­jei­tos va­za­ram pe­la re­gião, dei­xan­do um ras­tro e des­trui­ção e mor­te. A la­ma com re­jei­tos de mi­né­rio de fer­ro fez de­sa­pa­re­cer o re­fei­tó­rio, que es­ta­va lo­ta­do de fun­ci­o­ná­ri­os no mo­men­to da tra­gé­dia e o cen­tro ad­mi­nis­tra­ti­vo”, lem­bra Ot­to.

O se­na­dor Car­los Vi­a­na (PSD-​MG) as­si­nou o re­que­ri­men­to pa­ra a cri­a­ção da CPI e dis­se que a co­mis­são vai dar uma res­pos­ta a Mi­nas Ge­rais e ao Bra­sil. Ele des­ta­cou que o fo­co dos tra­ba­lhos de­ve ser o aper­fei­ço­a­men­to da le­gis­la­ção.

“A CPI não tem ca­rá­ter pu­ni­ti­vo por­que, em uma tra­gé­dia co­mo es­sa, pre­ci­sa­mos pri­mei­ro en­ten­der o que acon­te­ceu. O ca­rá­ter pu­ni­ti­vo vem pe­la Jus­ti­ça. A pro­pos­ta é iden­ti­fi­car on­de a le­gis­la­ção fa­lhou. O gran­de pro­ble­ma ho­je é a fis­ca­li­za­ção. Ti­ve­mos a cri­a­ção da Agên­cia Na­ci­o­nal de Mi­ne­ra­ção, mas ela não po­de ter­cei­ri­zar os lau­dos ou con­tra­tar em­pre­sas es­pe­ci­a­li­za­das. Tem que fa­zer os lau­dos e a fis­ca­li­za­ção ape­nas com seus ser­vi­do­res. São 81 em Mi­nas Ge­rais, e só três es­pe­ci­a­lis­tas em bar­ra­gens. Amar­ra­ram as mãos da agên­cia, e nós pre­ci­sa­mos cor­ri­gir os ru­mos”, afir­mou Vi­a­na.

De­pois da lei­tu­ra do re­que­ri­men­to em Ple­ná­rio, a Secretaria-​Geral da Me­sa de­ve con­fir­mar que o pe­di­do tem as 27 as­si­na­tu­ras exi­gi­das pe­lo Re­gi­men­to In­ter­no. Só de­pois dis­so os lí­de­res dos par­ti­dos in­di­cam os se­na­do­res pa­ra com­por a co­mis­são.

A CPI tem os mes­mos po­de­res de in­ves­ti­ga­ção das au­to­ri­da­des ju­di­ci­ais. Os in­te­gran­tes po­dem re­a­li­zar di­li­gên­ci­as, con­vo­car mi­nis­tros, to­mar de­poi­men­tos, in­qui­rir tes­te­mu­nhas e re­qui­si­tar in­for­ma­ções. O pra­zo dos tra­ba­lhos po­de ser pror­ro­ga­do au­to­ma­ti­ca­men­te, se hou­ver o pe­di­do de 27 se­na­do­res. No fi­nal dos tra­ba­lhos, a co­mis­são po­de pro­por mu­dan­ças na le­gis­la­ção. O co­le­gi­a­do po­de ain­da en­ca­mi­nhar su­as con­clu­sões ao Mi­nis­té­rio Pú­bli­co e pro­por a res­pon­sa­bi­li­da­de ci­vil ou cri­mi­nal dos in­fra­to­res.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

, ,