De­pois da der­ro­ta de Re­nan Ca­lhei­ros (MDB-​AL) pa­ra Da­vi Al­co­lum­bre (DEM-​AP) na dis­pu­ta pe­lo co­man­do do Se­na­do, o MDB de 13 re­pre­sen­tan­tes ve­rá seu rei­na­do de 16 anos à fren­te dos tra­ba­lhos re­du­zi­do a um pos­to se­cun­dá­rio na Me­sa Di­re­to­ra: a 2ª Se­cre­ta­ria, cu­jo se­na­dor ti­tu­lar tem en­tre su­as fun­ções la­vrar atas de ses­sões se­cre­tas. Foi o que fi­cou de­ci­di­do nes­ta terça-​feira (5), em reu­nião de lí­de­res, na pri­mei­ra ro­da­da de ne­go­ci­a­ções pa­ra a com­po­si­ção dos prin­ci­pais car­gos da Ca­sa.

Fá­bio Ro­dri­gues Pozzebom/​Agência Bra­sil


Quatro vezes presidente do Senado, Renan viu seu império ruir com a vitória do candidato governista

Se­gun­do o en­ten­di­men­to das li­de­ran­ças, o PSDB (8 no­mes) te­rá o se­gun­do pos­to mais im­por­tan­te da Ca­sa, a 1ª Vice-​Presidência – e, nes­se ca­so, des­pon­ta co­mo no­me for­te pa­ra o pos­to o se­na­dor tu­ca­no Tas­so Je­reis­sa­ti (CE), de­sa­fe­to de Re­nan e um dos ar­ti­cu­la­do­res do le­van­te anti-​MDB, com a ban­dei­ra da “no­va po­lí­ti­ca”, du­ran­te as du­as tu­mul­tu­a­das ses­sões ple­ná­ri­as pa­ra ele­ger o pre­si­den­te do Se­na­do no bi­ê­nio 2019-​2020.

Já 2ª Vice-​Presidência do Se­na­do se­rá con­du­zi­da pe­lo Po­de­mos (7 no­mes), par­ti­do que tem o se­na­dor Al­va­ro Di­as (PR), ali­nha­do à pau­ta re­for­mis­ta do go­ver­no Jair Bol­so­na­ro (PSL), co­mo uma das prin­ci­pais li­de­ran­ças. Pre­si­den­ciá­vel der­ro­ta­do do par­ti­do, Al­va­ro tem boa re­la­ção com o vice-​presidente da Re­pú­bli­ca, ge­ne­ral Ha­mil­ton Mou­rão, e com o pre­si­den­te na­ci­o­nal do PRTB (si­gla de Mou­rão), Levy Fi­de­lix – a des­pei­to do ví­deo que cir­cu­lou du­ran­te a cor­ri­da pre­si­den­ci­al de 2018, e que o fla­grou sem que ele sou­bes­se que es­ta­va sen­do fil­ma­do, com du­ras cri­ti­cas a Bol­so­na­ro (“Ele é va­ga­bun­do. Se não fos­se a fa­ca­da eu es­ta­ria des­truin­do ele ho­je”, dis­se o se­na­dor).

A 1ª Se­cre­ta­ria fi­ca­rá sob co­man­do do PSD (10 no­mes). En­tre ou­tras atri­bui­ções, ca­be ao primeiro-​secretário a lei­tu­ra, em ple­ná­rio, de cor­res­pon­dên­ci­as ofi­ci­ais re­ce­bi­da pe­lo Se­na­do, de pa­re­ce­res de co­mis­sões te­má­ti­cas às ma­té­ri­as em tra­mi­ta­ção, de pro­po­si­ções le­gis­la­ti­vas e de to­dos os de­mais do­cu­men­tos re­la­ti­vos ao ex­pe­di­en­te das ses­sões ple­ná­ri­as. Tam­bém ca­be ao ti­tu­lar as­si­nar e re­ce­ber cor­res­pon­dên­ci­as ofi­ci­ais en­ca­mi­nha­das ao Se­na­do, bem co­mo a su­per­vi­são das ati­vi­da­des ad­mi­nis­tra­ti­vas.

Na 2ª Se­cre­ta­ria, a ser che­fi­a­da pe­lo MDB, é qua­se cer­to que es­ta­rão de fo­ra do pos­to os cin­co no­mes ve­ta­dos por Da­vi Al­co­lum­bre, se­gun­do blog do jor­na­lis­ta Ta­les Fa­ria (UOL). O pre­si­den­te do Se­na­do se­quer acei­ta con­ce­der o co­man­do de co­mis­sões te­má­ti­cas ao “clu­be dos cin­co”, a mai­o­ria al­vo de de­nún­ci­as de cor­rup­ção. Não por coin­ci­dên­cia, ca­ci­ques da le­gen­da: além de Re­nan Ca­lhei­ros, Ja­der Bar­ba­lho (PA), Edu­ar­do Bra­ga (AM), Fer­nan­do Be­zer­ra (PE) e Jo­sé Ma­ra­nhão (PB), ali­a­do de Re­nan que pre­si­diu a ses­são de vo­ta­ção se­cre­ta as­sim de­ter­mi­na­da pe­lo pre­si­den­te do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), Di­as Tof­fo­li. E que, em te­se e em ra­zão do ca­rá­ter si­gi­lo­so do vo­to, po­de­ria be­ne­fi­ci­ar Re­nan.

O co­man­do do co­le­gi­a­do po­de es­tar re­ser­va­do a Si­mo­ne Te­bet (MS), que dá si­nais de que po­de dei­xar o MDB. Em um pri­mei­ro mo­men­to Si­mo­ne foi der­ro­ta­da por Re­nan, na es­co­lha in­ter­na da ban­ca­da, co­mo no­me do par­ti­do pa­ra dis­pu­tar a Pre­si­dên­cia do Se­na­do, mas sur­pre­en­deu os co­le­gas ao re­nun­ci­ar à dis­pu­ta co­mo can­di­da­ta avul­sa em fa­vor de Da­vi Al­co­lum­bre. A de­ci­são da se­na­do­ra, anun­ci­a­da em ple­ná­rio, foi apon­ta­da co­mo de­ter­mi­nan­te pa­ra a vi­tó­ria do co­le­ga ama­pa­en­se já em pri­mei­ro tur­no.

Os 42 vo­tos con­quis­ta­dos por Al­co­lum­bre (um a mais que o ne­ces­sá­rio pa­ra dis­pen­sar se­gun­do tur­no) fo­ram o ápi­ce da der­ro­ta de Re­nan, que dis­pa­rou crí­ti­cas con­tra os no­va­tos da Ca­sa e tro­cou in­sul­tos, aos gri­tos, com Tas­so Je­reis­sa­ti (fo­to aci­ma). An­tes da de­sis­tên­cia do se­na­dor ve­te­ra­no, que pro­vo­cou uma ex­plo­são de fes­te­jo em ple­ná­rio, es­ta­va em cur­so a dis­pu­ta mais acir­ra­da da his­tó­ria do Se­na­do.

Ca­be­rá ao par­ti­do de Bol­so­na­ro, o PSL (4 no­mes), che­fi­ar a 3ª Se­cre­ta­ria. E, a de­pen­der do se­na­dor Ma­jor Olím­pio (SP), um dos prin­ci­pais ali­a­dos do pre­si­den­te no Se­na­do, o pos­to se­rá da­do a Flá­vio Bol­so­na­ro (RJ). Fi­lho de quem o no­me su­ge­re, Flá­vio es­tá na mi­ra do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co do Rio de Ja­nei­ro em ra­zão de mo­vi­men­ta­ções fi­nan­cei­ras sus­pei­tas em seu ga­bi­ne­te de de­pu­ta­do es­ta­du­al, car­go que exer­ceu até o ano pas­sa­do.

Ain­da não es­tá de­fi­ni­da a si­tu­a­ção da 4ª Se­cre­ta­ria, mas o co­man­do do co­le­gi­a­do de­ve ser en­tre­gue ao PT ou ao PP, am­bos os par­ti­dos com seis se­na­do­res. En­tre os cri­té­ri­os de dis­tri­bui­ção pa­ra os pos­tos da Me­sa e das co­mis­sões te­má­ti­cas es­tá o nú­me­ro de re­pre­sen­tan­tes dos par­ti­dos, ou se­ja, a pri­o­ri­da­de é dos que têm mais se­na­do­res.

Próximos passos

Es­tá pre­vis­ta pa­ra ama­nhã (quar­ta, 6) a vo­ta­ção em ple­ná­rio pa­ra de­fi­nir a com­po­si­ção da Me­sa Di­re­to­ra. Po­de ha­ver cha­pa úni­ca pa­ra o pre­en­chi­men­to dos pos­tos ca­so se­ja al­can­ça­do acor­do de li­de­ran­ças nes­se sen­ti­do.

Ain­da se­rão de­ci­di­das, tal­vez nes­ta mes­ma quarta-​feira, qua­tro va­gas de su­plen­te de se­cre­tá­rio. As ne­go­ci­a­ções es­tão em cur­so e lí­de­res de­vem anun­ci­ar um en­ten­di­men­to até a vo­ta­ção ple­ná­ria.

Como ficará a Mesa, segundo a reunião de líderes:

1ª Vice-​Presidência do Se­na­do: PSDB
2ª Vice-​Ppresidência: Po­de­mos
1ª Se­cre­ta­ria: PSD
2ª Se­cre­ta­ria: MDB
3ª Se­cre­ta­ria: PSL
4ª Se­cre­ta­ria: PT ou PP

,