Vi­rou pal­co de atri­tos a reu­nião em que o mi­nis­tro da Jus­ti­ça e Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca, Ser­gio Mo­ro, de­ta­lha aos par­la­men­ta­res o pro­je­to de lei an­ti­cri­me (ve­ja a ín­te­gra) que o go­ver­no Bol­so­na­ro apre­sen­ta­rá ao Con­gres­so. Em cur­so na Câ­ma­ra, o en­con­tro foi pe­di­do pe­la fren­te par­la­men­tar da se­gu­ran­ça pú­bli­ca, a cha­ma­da ban­ca­da da ba­la.

Reprodução/​Facebook


Fala de Glauber Braga (ao centro) em reunião atraiu protestos de governistas. Imagens foram transmitidas pelo deputado depois de anúncio de que encontro não seria transmitido

O pla­no, di­vul­ga­do por Mo­ro na úl­ti­ma se­gun­da (4), é um pa­co­te de mu­dan­ças em 14 leis, cu­jos ob­je­ti­vos cen­trais são com­ba­ter os cri­mes vi­o­len­tos, a cor­rup­ção e o cri­me or­ga­ni­za­do. Na vi­são do go­ver­no, os três pro­ble­mas são re­la­ci­o­na­dos.

A apre­sen­ta­ção te­ve mo­men­tos de hos­ti­li­da­de en­tre de­pu­ta­dos da opo­si­ção e da ba­se do go­ver­no. Re­pre­sen­tan­tes do Psol ela­bo­ra­ram 19 per­gun­tas a Mo­ro so­bre o pa­co­te, que in­clu­em ci­ta­ções ao “ca­so do mo­to­ris­ta Quei­roz e do Se­na­dor Flá­vio Bol­so­na­ro (PSL-​RJ)”, em alu­são às in­ves­ti­ga­ções so­bre o ex-​assessor do par­la­men­tar do fi­lho do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro.

Com a ex­po­si­ção de Mo­ro em an­da­men­to, o de­pu­ta­do Glau­ber Bra­ga (Psol-​RJ) in­ter­rom­peu a fa­la do mi­nis­tro e per­gun­tou: “O se­nhor não vai res­pon­der às per­gun­tas”?. Ima­gens fo­ram trans­mi­ti­das em tem­po re­al pe­lo de­pu­ta­do de­pois do anún­cio de que o en­con­tro não se­ria trans­mi­ti­do.

m pro­tes­to, mem­bros da fren­te da se­gu­ran­ça pú­bli­ca, a cha­ma­da ban­ca­da da ba­la, vai­a­ram o re­pre­sen­tan­te do Psol, pe­di­ram “res­pei­to” e bra­da­ram pa­la­vras de or­dem co­mo “dei­xa ele [Mo­ro] ter­mi­nar”.

De­pois da reu­nião, Glau­ber foi ao Twit­ter re­cla­mar da pos­tu­ra de Mo­ro. “Co­mo ima­gi­ná­va­mos o Sr. Mo­ro foi blin­da­do. Não res­pon­deu as nos­sas per­gun­tas. Mas es­tá­va­mos lá de­nun­ci­an­do a cen­su­ra e mos­tran­do que não fi­ca­re­mos de ca­be­ça bai­xa. O pró­xi­mo pas­so tem que ser apre­sen­tar con­vo­ca­ção de­le quan­do ini­ci­a­rem as co­mis­sões te­má­ti­cas. Não re­cu­a­re­mos!”, ad­ver­tiu.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,