A juí­za Ga­bri­e­la Hardt, subs­ti­tu­ta do ago­ra mi­nis­tro Sér­gio Mo­ro em pro­ces­sos da Ope­ra­ção La­va Ja­to, con­de­nou nes­ta quarta-​feira (6) o ex-​presidente Lu­la a 12 anos e 11 me­ses pe­los cri­mes de cor­rup­ção e la­va­gem de di­nhei­ro. O pro­ces­so é re­fe­ren­te à sus­pei­ta de pa­ga­men­to de pro­pi­na ao ex-​presidente, ope­ra­do por meio de em­pre­sas en­vol­vi­das no pe­tro­lão, com o ob­je­ti­vo de re­for­mar um sí­tio de que a fa­mí­lia Lu­la des­fru­ta­va em Ati­baia (SP).

EBC


Lula já tem duas condenações na Lava Jato e responde a outros processos na Justiça

Trata-​se da se­gun­da sen­ten­ça a con­de­nar Lu­la na La­va Ja­to em Cu­ri­ti­ba (PR). Ou­tras do­ze pes­so­as de­nun­ci­a­das no pro­ces­so fo­ram al­vo de sen­ten­ça, da qual ca­be re­cur­so. Os ad­vo­ga­dos de Lu­la vão re­cor­rer da sen­ten­ça (ve­ja no­ta abai­xo).

Pre­so em Cu­ri­ti­ba des­de abril de 2018, Lu­la cum­pre a pe­na de 12 anos e 1 mês im­pos­ta em se­gun­da ins­tân­cia pe­lo Tri­bu­nal Re­gi­o­nal Fe­de­ral da 4ª Re­gião (TRF-​4), no ca­so do trí­plex do Gua­ru­já. Na pri­mei­ra ins­tân­cia, Mo­ro con­de­nou o pe­tis­ta a 9 anos de pri­são, mas o tri­bu­nal au­men­tou a pe­na.

Caixa dois

De acor­do com in­ves­ti­ga­do­res da La­va Ja­to, o sí­tio de Ati­baia per­ten­ce ao ex-​presidente Lu­la e as re­for­mas fo­ram cus­te­a­das co­mo for­ma de re­pas­se dis­si­mu­la­do de pro­pi­na. Se­gun­do os pro­cu­ra­do­res, o ex-​presidente re­ce­beu pro­pi­na de R$ 1,02 mi­lhão de Ode­bre­cht, OAS e Schahin por meio de obras fei­tas no imó­vel.

En­tre as pro­vas ar­ro­la­das no pro­ces­so, Mo­ro men­ci­o­nou uma pla­ni­lha no mes­mo va­lor, com da­ta de no­vem­bro de 2017, re­la­ti­va ao pa­ga­men­to que te­ria saí­do do de­par­ta­men­to de pro­pi­nas da Ode­bre­cht.

Se­gun­do lau­do pe­ri­ci­al, fo­ram iden­ti­fi­ca­dos dois pa­ga­men­tos de R$ 300 mil e R$ 400 mil que to­ta­li­zam os R$ 700 mil usa­dos em Ati­baia. Os va­lo­res, de acor­do com pe­ri­tos, saí­ram da obra “UO011203 –AQUAPOLO”. A obra é a mes­ma cu­jo no­me apa­re­ce nos do­cu­men­tos apre­sen­ta­dos pe­lo en­ge­nhei­ro da Ode­bre­cht à Jus­ti­ça Fe­de­ral no Pa­ra­ná.

Pa­ra os pe­ri­tos, os va­lo­res têm ori­gem em obras da Pe­tro­bras. A de­fe­sa do ex-​presidente Lu­la ne­ga que ele te­nha re­ce­bi­do be­ne­fí­ci­os ou van­ta­gens in­de­vi­das.

Leia a nota da defesa de Lula:

A de­fe­sa do ex-​presidente Lu­la re­cor­re­rá de mais uma de­ci­são con­de­na­tó­ria pro­fe­ri­da ho­je (06/​02/​2019) pe­la 13ª. Jus­ti­ça Fe­de­ral de Cu­ri­ti­ba que aten­ta aos mais ba­si­la­res pa­râ­me­tros ju­rí­di­cos e re­for­ça o uso per­ver­so das leis e dos pro­ce­di­men­tos ju­rí­di­cos pa­ra fins de per­se­gui­ção po­lí­ti­ca, prá­ti­ca que re­pu­ta­mos co­mo “law­fa­re”.

A sen­ten­ça se­gue a mes­ma li­nha da sen­ten­ça pro­fe­ri­da pe­lo ex-​juiz Sér­gio Mo­ro, que con­de­nou Lu­la sem ele ter pra­ti­ca­do qual­quer ato de ofí­cio vin­cu­la­do ao re­ce­bi­men­to de van­ta­gens in­de­vi­das, va­le di­zer, sem ter pra­ti­ca­do o cri­me de cor­rup­ção que lhe foi im­pu­ta­do. Uma vez mais a Jus­ti­ça Fe­de­ral de Cu­ri­ti­ba atri­buiu res­pon­sa­bi­li­da­de cri­mi­nal ao ex-​presidente ten­do por ba­se uma acu­sa­ção que en­vol­ve um imó­vel do qual ele não é o pro­pri­e­tá­rio, um “cai­xa ge­ral” e ou­tras nar­ra­ti­vas acu­sa­tó­ri­as re­fe­ren­ci­a­das ape­nas por de­la­to­res ge­ne­ro­sa­men­te be­ne­fi­ci­a­dos.

A de­ci­são des­con­si­de­rou as pro­vas de ino­cên­cia apre­sen­ta­das pe­la De­fe­sa de Lu­la nas 1.643 pá­gi­nas das ale­ga­ções fi­nais pro­to­co­la­das há me­nos de um mês (07/​01/​2019) — com exaus­ti­vo exa­me dos 101 de­poi­men­tos pres­ta­dos no cur­so da ação pe­nal, lau­dos téc­ni­cos e do­cu­men­tos ane­xa­dos aos au­tos. Chega-​se ao pon­to de a sen­ten­ça re­ba­ter ge­ne­ri­ca­men­te a ar­gu­men­ta­ção da de­fe­sa de Lu­la fa­zen­do re­fe­rên­cia a “de­poi­men­tos pres­ta­dos por co­la­bo­ra­do­res e co-​réus Leo Pi­nhei­ro e Jo­sé Adel­má­rio” (p. 114), co­mo se fos­sem pes­so­as di­fe­ren­tes, o que evi­den­cia o dis­tan­ci­a­men­to dos fun­da­men­tos apre­sen­ta­dos na sen­ten­ça da re­a­li­da­de.

Ain­da pa­ra evi­den­ci­ar o ab­sur­do da no­va sen­ten­ça con­de­na­tó­ria, registra-​se que:

- Lu­la foi con­de­na­do pe­lo “pe­lo re­ce­bi­men­to de R$ 700 mil em van­ta­gens in­de­vi­das da Ode­bre­cht” mes­mo a de­fe­sa ten­do com­pro­va­do, por meio de lau­do pe­ri­ci­al ela­bo­ra­do a par­tir da aná­li­se do pró­prio sis­te­ma de con­ta­bi­li­da­de pa­ra­le­lo da Ode­bre­cht, que tal va­lor foi sa­ca­do em pro­vei­to de um dos prin­ci­pais exe­cu­ti­vos do gru­po Ode­bre­cht (pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção); es­se do­cu­men­to téc­ni­co (ela­bo­ra­do por au­di­tor e pe­ri­to com res­pon­sa­bi­li­da­de le­gal so­bre o seu con­teú­do) e com­pro­va­do por do­cu­men­tos do pró­prio sis­te­ma da Ode­bre­cht foi des­car­ta­do sob o cen­su­rá­vel fun­da­men­to de que “es­ta é uma aná­li­se con­tra­ta­da por par­te da ação pe­nal, bus­can­do cor­ro­bo­rar a te­se de­fen­si­va” — co­mo se to­da de­mons­tra­ção téc­ni­ca apre­sen­ta­da no pro­ces­so pe­la de­fe­sa não ti­ves­se va­lor pro­ba­tó­rio;

- Lu­la foi con­de­na­do pe­lo cri­me de cor­rup­ção pas­si­va por afir­ma­do “re­ce­bi­men­to de R$ 170 mil em van­ta­gens in­de­vi­das da OAS” no ano de 2014 quan­do ele não exer­cia qual­quer fun­ção pú­bli­ca e, a des­pei­to do re­co­nhe­ci­men­to, já ex­pos­to, de que não foi iden­ti­fi­ca­do pe­la sen­ten­ça qual­quer ato de ofí­cio pra­ti­ca­do pe­lo ex-​presidente em be­ne­fí­cio das em­prei­tei­ras en­vol­vi­das no pro­ces­so;

- foi apli­ca­da a Lu­la, uma vez mais, uma pe­na fo­ra de qual­quer pa­râ­me­tro das pe­nas já apli­ca­das no âm­bi­to da pró­pria Ope­ra­ção La­va Ja­to — que se­gun­do jul­ga­men­to do TRF4 re­a­li­za­do em 2016, não pre­ci­sa se­guir as “re­gras ge­rais” — me­di­an­te fun­da­men­ta­ção re­tó­ri­ca e sem a ob­ser­vân­cia dos pa­drões le­gal­men­te es­ta­be­le­ci­dos.

Em 2016 a de­fe­sa de­mons­trou pe­ran­te o Co­mi­tê de Di­rei­tos Hu­ma­nos da ONU a ocor­rên­cia de gros­sei­ras vi­o­la­ções às ga­ran­tais fun­da­men­tais, in­clu­si­ve no to­can­te à au­sên­cia de um jul­ga­men­to jus­to, im­par­ci­al e in­de­pen­den­te. O con­teú­do da sen­ten­ça con­de­na­tó­ria pro­fe­ri­da ho­je so­men­te con­fir­ma es­sa si­tu­a­ção e por is­so se­rá le­va­da ao co­nhe­ci­men­to do Co­mi­tê, que po­de­rá jul­gar o co­mu­ni­ca­do ain­da nes­te ano — e even­tu­al­men­te au­xi­li­ar o país a res­ta­be­le­cer os di­rei­tos de Lu­la.

Cris­ti­a­no Za­nin Mar­tins

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,